Conteúdo

Wolff, Szafnauer e Horner revelam que jé tentaram contratar Raikkonen durante sua carreira

8 de setembro de 2021

(por Mattheus Prudente)

Não é novidade para ninguém que Kimi Raikkonen é um dos melhores pilotos do grid durante um bom tempo, e tem mostrado consistência na sua carreira. Ao se manter por tanto tempo em alto nível na Formula 1, é normal que várias equipes tenham interesse em seus serviços, e Raikkonen não foi diferente, correndo por cinco times. A lista poderia ser maior, mas três chefes de equipe falharam em contratar o finlandês. 

Christian Horner, da Red Bull, Toto Wolff, da Mercedes, e Otmar Szafnauer, da Aston Martin, foram os três que tentaram contratar Raikkonen. Wolff e Szafnauer, no entanto, tentaram enquanto eram chefes de equipe da Williams, da Honda e Force India, respectivamente. O campeão de 2007 escolheu ir por caminhos diferentes, mas as conversas avançaram bem, segundo os executivos. 

Horner revelou ter conversas para contratar Raikkonen em 2014. O finlandês havia acabado de fazer uma temporada consistente com a Lotus, mesmo tendo que perder as duas últimas corridas por conta de um problema nas costas, e Mark Webber estava se aposentando da Red Bull. Christian, então, falou com Raikkonen sobre a possibilidade de correr pela RBR, mas os dois seguiram caminhos separados, e Kimi foi parar na Ferrari, enquanto Daniel Ricciardo ficou como segundo piloto na Red Bull. Na Lotus, Pastor Maldonado substituiria o iceman. 

Wolff falou com Raikkonen um pouco antes, quando o finlandês estava fazendo o seu retorno para a Fórmula 1 em 2012. Com Maldonado já na equipe e um jovem Valtteri Bottas como piloto de testes, a equipe britânica precisava de um substituto para Rubens Barrichello, e Kimi virou uma opção antes de assinar com a Lotus. A Williams, então, decidiu ficar com Bruno Senna, seguindo a linhagem de brasileiros.  

Szafnauer não revelou em quais anos, especificamente, tentou contratar Raikkonen, mas estima-se que os contatos foram na metade dos anos 2000, quando o finlandês impressionava com a McLaren, e em meados da década passada, em um dos dois espaços que Raikkonen esteve sem equipe, dessa vez indo com a Force India. Otmar elogiou o “caráter e perseverança” de Kimi, o chamando de “um piloto de verdade”, após admitir as negociações. 

Raikkonen, nesse momento, se recupera após ter testado positivo para COVID-19 e perder o grande prêmio dos Paises Baixos, no ultimo fim de semana. Sua aposentadoria abriu espaço para seu conterrâneo, Bottas, continuar na Fórmula 1 depois de sair da Mercedes, e Valtteri vai ocupar sua vaga em 2022. Seu companheiro ainda não foi anunciado, mas Antonio Giovinazzi está em final de contrato. Guanyou Zhou e Nyck De Vries são opções caso a equipe decida não ficar com o italiano.