Conteúdo

UFC 254: Porque Khabib Nurmagomedov vencerá Justin Gaethje

23 de outubro de 2020

(por Rafael Lima)

A maior luta da história dos pesos leves no MMA. Assim pode ser chamado o duelo entre Khabib Nurmagomedov e Justin Gaethje. Um choque de estilos entre um campeão invicto, com 28 vitórias em seu cartel, contra o detentor do cinturão interino que provavelmente possui a mão mais pesada da categoria.

Gaethje (22v-2d) tem boa defesa de quedas e imenso poder de nocaute. Além disso, o passado de franco-atirador que confiava cegamente no poder de suas mãos, deu lugar a um lutador paciente e estrategista, que dominou completamente o excelente Tony Ferguson, dosando o ritmo da luta, minando com combinações colocadas de forma cirúrgica e respondendo cada golpe do adversário com um ainda mais potente, sem se cansar até o quinto assalto.

A atuação de gala de Justin Gaethje, que lhe rendeu o cinturão interino, fez alguns fãs de MMA acreditarem que ele é o lutador certo para destronar Khabib, inclusive com condições de nocautear o russo. Porém, apesar de Gaethje ser uma ameaça, Nurmagomedov continua sendo um dos maiores talentos da história dos esportes de combate, com um jogo que permite domínio da luta independente de quem estiver do outro lado do cage.
 

Mas, porque Khabib conseguirá defender seu cinturão novamente?
 


Primeiramente, Khabib Nurmagomedov é um fenômeno, daqueles que aparecem de tempos em tempos no esporte, ditando o ritmo das lutas e criando tendências. Aquele exímio lutador na luta agarrada, se tornou um perigo na trocação também, pois não lança golpes, estuda para coloca-los cirurgicamente, mesmo que eles sejam simples, como fez com Connor McGregor, quando deu um knockdown no irlandês. Ou seja, o provável melhor grappler da história, se tornou um problema para os oponentes também em pé, com diretos retos e eficazes.

Khabib e Gaethje possuem 1,78m de envergadura e isso deve fazer Khabib jogar na sua distância preferida, a meia distância, onde pode estudar melhor o adversário sendo sempre uma ameaça para “ir na boa”. Justin deve ser o agressor, dando margem para os contra-ataques do russo e, principalmente, abrindo brechas para Khabib leva-lo ao solo. Se ele fez isso contra lutadores mais altos, por mais que a defesa de quedas do americano seja boa, ele não conseguirá segurar o ímpeto do campeão.

Apesar da evolução em pé, Nurmagomedov não tem o nível de trocação de Gaethje, mas consegue limitar os ataques do adversário por conseguir quedas de todas as formas, numa versatilidade única. Se apresentar uma defesa mais sólida, praticamente limita as chances do interino a um golpe de sorte.

O emocional do russo pode estar abalado pela morte do pai, mas uma pessoa que sofreu tantas adversidades na vida e é tão focada no trabalho e na religião, não deve se deixar levar por isso e, pelo contrário, quer dar essa vitória para a memória do seu grande ídolo e mentor. Este fator pode ser até um combustível maior.

A velocidade e precisão nas quedas, unida ao cansaço que deve abater Gaethje primeiro, por querer soltar mais golpes e fazer força para não ir ao chão, deve minar o americano ao longo da luta, tornando a vida do russo mais fácil a partir do terceiro round. Como Khabib, diferentemente de outros grapplers, não precisa levar para grade para ameaçar, os assaltos superiores deverão ser um inferno para Justin, que terá duas opções, sofrer no chão para perder por pontos ou abrir o arsenal deixando espaços e correndo risco de ser maltratado por baixo sofrendo uma finalização ou um nocaute técnico. Ou seja, se Gaethje não encaixar no início bons golpes para nocautear, terá chances bem remotas de vencer no fim.

Com a melhor luta agarrada do MMA mundial, um leque de finalizações eficiente em cada posição, um foco absurdo e uma capacidade de levar cada combate para a sua zona de conforto, Khabib Nurmagomedov deve se manter campeão, mesmo enfrentando um lutador empolgante, muito potente para a categoria e que está evoluindo a cada luta.

Gaethje é um “All-Star”, mas Khabib é um cometa que de anos em anos vem assombrar a Terra. E é esse nível de duelo que veremos neste sábado.