Conteúdo

Sainz cita Rubinho como um exemplo do que ele não quer ser na Fórmula 1: “Não ficaria feliz em ser um Barrichello com Schumacher”

21 de setembro de 2021

(por Rafael Lima)
 

Carlos Sainz conversou com a imprensa espanhola sobre o que almeja para seu futuro na Ferrari e, falando sobre dividir as atenções da equipe com Charles Leclerc, o piloto citou que não quer ser o número 2 como foi Barrichello com Schumacher. “Se ficaria feliz em ser um Barrichello com Schumacher? Não, claro que não!”, disse Sainz ao Marca. “Quero ser campeão do mundo. É por isso que luto todos os dias, e só o tempo vai dizer se eu vou ter sucesso, mas este é o meu objetivo”, completou.

Apesar das pretensões, Carlos Sainz falou que não esperava muito deste ano na Ferrari, mas se surpreendeu positivamente. “Estou longe de tirar 100% [do carro], mas depois eu vejo a minha posição no campeonato e perto de quem estou e de onde quero estar e aí eu digo: ‘Se continuar trabalhando assim, acho que não vai demorar muito’”, explicou.

Sobre Leclerc, Sainz elogiou a competitividade entre eles. “Somos muito mais parecidos do que vocês podem imaginar. Vemos as informações e vemos que um tira três centésimos de uma curva e outro tira três centésimos em outra. Vem a classificação em Zandvoort, e ele fica 0s006 à frente. Em Monza, coloco meio décimo”, disse o espanhol. “Eu o vejo na corrida com mais confiança com o carro. Eu não sou ainda o Carlos agressivo da McLaren. Não tenho esse último feeling com o carro que gostaria de ter. Quero ser agressivo e dar esse último passo em termos de largada e ultrapassagens”, concluiu Sainz.