Conteúdo

Review da temporada - Cincinnati Bengals: do ‘fundo do poço’ ao Super Bowl LVI

12 de fevereiro de 2022

(por Layo Lucena)

O Super Bowl LVI (56) acontecerá amanhã, no domingo (12), encerrando a temporada de 2021-22 da NFL. Realizada no SoFi Stadium, na Califórnia, a partida que decidirá o grande vencedor do troféu Vince Lombardi será disputada entre os donos da casa, o Los Angeles Rams, e a “zebra” da pós-temporada, o Cincinnati Bengals.

O Cincinnati Bengals viveu um verdadeiro roteiro de série dramática nos últimos anos, com muita emoção e uma reviravolta digna de ‘Emmy’ ou ‘Oscar’. Do “fundo do poço”, os ‘Tigrões’ se reergueram após se tornarem a pior equipe da NFL em 2019-20. Mesmo na terrível fase, a franquia soube aproveitar a oportunidade para dar o primeiro passo rumo a ida ao Super Bowl LVI.

O caminho até aqui

Tudo começou no draft de 2020, quando os Bengals, sendo o pior time após ter duas vitórias e 14 derrotas no ano, ficaram com a primeira escolha geral. Na época, a discussão era entre o quarterback Joe Burrow, melhor jogador da posição, ou o defensor Chase Young, considerado o principal prospecto da classe. Sem pensar muito, os Bengals selecionaram Burrow, que vinha de uma temporada sensacional na Universidade do Estado da Louisiana (LSU), encerrando seu último ano na NCAA como campeão nacional.

Burrow não decepcionou em sua temporada de calouro, mas também não “explodiu” como aconteceu com Mac Jones, em 2021. Porém, mesmo sendo uma equipe ainda em desenvolvimento, os Bengals chegaram a receber algum destaque, até o pior acontecer: a lesão de Burrow. Por mais irônico que possa ser, foi na partida contra o atual Washington Commanders, que selecionou Chase Young logo após os Bengals no draft de 2020.

No lance, Burrow sofreu uma lesão grave no joelho que, em um determinado momento, colocou em cheque toda a carreira do quarterback. Sem o camisa nove, a equipe teve mais uma temporada negativa, com quatro vitórias e 11 derrotas. Resultado: mais uma escolha alta de draft.

Em 2021, no draft, os Bengals tinham uma decisão a ser tomada: escolher alguém que conseguisse proteger Burrow, já que o quarterback estava retornando de uma lesão grave, ou refazer a dupla que foi protagonista em LSU. Então, para a surpresa de muitas pessoas, a franquia de Cincinnati apostou tudo em Ja’Marr Chase. O wide receiver jogou ao lado de Justin Jefferson, do Minnesota Vikings, e de Burrow no universitário, e fez parte da equipe que foi campeã nacional contra Alabama.

Chase não caiu nas graças da torcida logo no início da sua carreira na NFL, mas o calouro mostrou durante a temporada regular que foi a escolha certa. A dupla transformou o ataque dos Bengals em um dos mais dinâmicos na atualidade. Ao lado deles, Joe Mixon, Tee Higgins e Tyler Boyd também se destacaram, e o ataque foi o principal motivo da equipe chegar até os playoffs, após vencerem a AFC Norte. Com isso, se encerrou a dúvida: como está a saúde de Joe Burrow? E o quarterback mostrou que sente incômodo com a lesão no joelho.

Na campanha a equipe de Cincinnati teve resultados grandes, como por exemplo contra o Baltimore Ravens, duas vezes, e uma vitória maiúscula contra o Kansas City Chiefs, oponente que voltaria a enfrentar na pós-temporada. Porém, algumas derrotas também chamaram a atenção, contra o Cleveland Browns, duas vezes, e contra o San Francisco 49ers.

Las Vegas Raiders

Em partida polêmica, os Bengals tiveram o seu primeiro oponente na pós-temporada. Os Raiders, que eliminaram o Los Angeles Chargers para se classificarem, estavam vivenciando um ano bem diferente. Durante a temporada regular, a equipe de Nevada perdeu o treinador principal, Jon Gruden, por conta de uma polêmica extracampo, assim como dispensou dois jogadores selecionados na primeira rodada do draft de 2020: Henry Ruggs III e Damon Arnette.

Com os Bengals sendo melhores, foi a arbitragem quem decidiu o resultado da partida, após um touchdown polêmico lançado por Burrow. Mesmo em vantagem, a classificação só foi confirmada após a última campanha da partida. Os Raiders ainda tiveram uma chance de empatar, mas Derek Carr e companhia não foram felizes. Próxima parada: Missouri.

Kansas City Chiefs

Um oponente conhecido, pois as duas equipes se enfrentaram na semana 17. Bengals e Chiefs se reencontraram na pós-temporada, agora em momentos diferentes. O time liderado por Burrow estava em excelente fase, mas ainda era considerado uma “zebra”; já os Chiefs, de Patrick Mahomes e companhia, vivia uma crescente após um péssimo início de temporada e, por isso, eram os favoritos.

Mahomes teve um primeiro tempo impecável, colocando os Chiefs em vantagem até o intervalo. Na segunda etapa toda estrela de Mahomes desapareceu, e Burrow aproveitou. Mas foi o kicker novato Evan McPherson, que ainda não errou nos playoffs, que garantiu a passagem dos Bengals para o Super Bowl LVI, após um jogaço.

Agora, o Cincinnati Bengals, empolgados e motivados pela fase e por ter derrotado um dos favoritos, o Kansas City Chiefs, chega forte ao SoFi Stadium. Porém, contra o Los Angeles Rams, dono da casa, ainda podem ser considerados “zebras”. Talvez seja esse o objetivo de Burrow e companhia.