Conteúdo

Red Bull e a Fórmula 1 fora das pistas

25 de março de 2021

(por Henrique Rodrigues)
 

Ao mesmo tempo que o automobilismo é um esporte extremamente simples, já que não precisa ser um gênio para ver quem cruzou a linha de chegada primeiro, é também extremamente complexo. Estratégias de pit stops, mudanças sutis no carro, aerodinâmica e mais um mundo de coisas podem mudar o rumo de uma corrida.

Para quem vê, qualquer um desses “caminhos” agrada, tanto a pessoa que só quer ver um monte de carros em um circuito quanto quem quer entender realmente mais a fundo. Para o segundo grupo, o próprio YouTube da Fórmula 1 faz um trabalho muito bom, postando vários vídeos não só sobre as corridas, mas também com pilotos explicando sobre o esporte - sério, é muito bom.

As equipes também têm seus próprios canais, mas é preciso dar o braço a torcer para a Red Bull. A equipe faz um trabalho sensacional nas redes sociais, e eles aproveitam o YouTube para soltar a criatividade, como por exemplo no vídeo em que eles trocam os pneus do carro em gravidade zero, ou na vez em que colocaram Verstappen para pilotar o carro na neve.

Para 2021, a RBR planeja levar isso ao próximo nível, firmando uma parceria com a Oracle. Essa parceria não é só para melhorar a performance do carro, usando a Oracle Cloud Infrastructure (OCI) para otimizar a análise de dados, mas também usando a Oracle CX para trazer uma experiência melhor para os fãs. 

Com todo esse investimento feito pela Red Bull não só para dar o melhor carro possível, mas também para que os fãs tenham a melhor experiência possível, fica a pergunta: por que outras equipes não seguem o exemplo? Obviamente todas as equipes têm rios de dinheiro, então esse não seria necessariamente um problema.

Imagina se tanto a Mercedes, que compete (ganha) o título, como Williams, Haas e Alpha Romeo, que geralmente brigam entre si para não ficar em último, investissem para aumentar o interesse não só de quem já assiste, mas principalmente de novas pessoas. Quem sabe esse seja um possível caminho para diminuir o elitismo e alcançar mais pessoas, que podem tanto sonhar em serem pilotos ou engenheiros e mecânicos.