Conteúdo

Qual será o destino de Deshaun Watson?

9 de setembro de 2021

(por AC Carvalho)
 

Pela segunda vez consecutiva a cidade de Houston chega ao início de uma temporada sabendo que a principal superestrela de uma de suas franquias deseja sair. Foi assim ano passado com James Harden forçando sua saída para o Brooklyn Nets e está sendo agora com Deshaun Watson querendo deixar os Texans.

Sua situação na franquia se tornou insustentável, e não há mais clima para Deshaun Watson liderar a equipe agora gerida por Nick Caseiro e comandada dentro de campo por David Culley. As mudanças realizadas no comando da franquia não foram suficientes para mudar o desejo do camisa 4.

Entretanto, assim como foi com James Harden pelos Rockets, uma troca envolvendo a principal estrela da franquia nunca é tão simples quanto parece. O retorno num negócio desse calibre não dará um jogador gabaritado como a superestrela que você está abrindo mão. Com os Rockets a troca foi centrada num exorbitante número de escolhas de draft; com os Texans não deve ser diferente. Qualquer que seja a franquia que troque por Deshaun Watson, ela terá que abrir mão de múltiplas escolhas de 1ª rodada, conforme apontam anúncios de jornalistas americanos até o momento.

O problema é que, caso uma franquia troque por Deshaun agora, ou nos próximos dias, provavelmente ela terá uma considerável melhora técnica e, consequentemente, sua escolha de 1ª rodada do ano que vem perderá valor. Deshaun Watson é uma superestrela capaz de imediatamente subir o nível de qualquer equipe que esteja na disputa por ele.

Caso essa troca tivesse sido realizada antes do draft de 2021, com a ordem do draft já definida, os Texans saberiam qual escolha receberiam como parte do retorno pelo seu QB. Mas isso não aconteceu e agora os Texans estão numa situação em que seu principal jogador já declarou diversas vezes que não pretende mais atuar pela franquia e, por conta disso, estaria disposto a não jogar a temporada de 2021. Ao anunciar Tyrod Taylor como QB titular da equipe para a semana 1 contra os Jaguars, é possível que não vejamos Watson atuar ao longo de toda a temporada.

Segurando seu principal jogador até a próxima offseason daria maior clareza aos Texans a respeito do próximo draft, pois teriam conhecimento de qual é a escolha (ou escolhas) que seria(m) enviada(s) a eles. Além disso, daria mais tempo para sua situação judicial se desenrolar e, dependendo dos desdobramentos dos casos judiciais que Deshaun está envolvido, daria maior confiança para que outras franquias abrissem mão de pacotes mais generosos numa eventual troca pelo jogador.

Considerando que a permanência de Watson em Houston não irá acontecer, listamos 4 franquias que estão na disputa pelo jogador ou que poderão entrar na briga, dependendo de como se desenrolará a temporada de 2021. Essa análise considera única e exclusivamente a capacidade técnica de Deshaun Watson dentro de campo. Sabemos dos casos extra-campo que a superestrela está envolvida e preferimos não entrar nesse mérito no presente momento, pois essa situação pode inclusive impossibilitar Deshaun de sequer atuar novamente como atleta profissional da NFL. Caso isso aconteça, que provavelmente decorreria dos processos legais que o jogador está envolvido, o exemplo seria bem dado para futuras situações similares que envolvessem outros jogadores da liga.

 
Miami Dolphins

A franquia que parece estar mais interessada no camisa 4 dos Texans é o Miami Dolphins, conforme apontam múltiplos reportes americanos. Para dar ainda mais força para um possível negócio entre as duas franquias, recentemente o dono dos Dolphins, Stephen Ross, declarou que realmente quer contar com os serviços de Deshaun em sua franquia.

Dentro de campo essa troca fará sentido caso o jovem Tua Tagovailoa, selecionado na 5ª escolha do draft de 2020, não apresente evolução que faça Miami se sentir confortável em seguir com sua liderança para os próximos anos. É justo afirmar que Tua lidou com problemas físicos em 2020, os quais prejudicaram sua atuação no ano de calouro, afinal, o antigo QB da Universidade do Alabama teve sua pré-temporada comprometida por estar se recuperando de importante lesão que o impossibilitou de ter o correto desenvolvimento logo que ingressou na NFL.

Para 2021, o camisa 1 dos Dolphins terá que justificar dentro de campo o alto investimento feito pelo time ao selecioná-lo logo no início do draft do ano passado. Caso Tagovailoa continue tendo problemas para permanecer saudável ou não transmita confiança ao comando técnico da equipe, é provável que encaremos uma situação em que Miami se porte como principal interessado pelos serviços de Dehsaun Watson.

 

Philadelphia Eagles

Ao trocar Carson Wentz para o Indianapolis Colts, os Eagles deram um voto de confiança para sua escolha de 2ª rodada em 2020 – Jalen Hurts – comandar o ataque da franquia e mostrar se é capaz ou não de seguir como titular para os próximos anos na Philadelphia.

Em diversos momentos os Eagles também já foram citados num possível interesse em Deshaun Watson, sendo uma situação que faria bastante sentido. Hoje os Eagles contam com um elenco repleto de veteranos capazes de colocar a franquia na disputa por uma vaga de playoffs. A chegada de Deshaun Watson à Pensilvânia não garantiria vitórias em pós-temporada logo em seu primeiro ano na franquia, mas colocaria os Eagles numa situação mais favorável para tentar repetir o feito de 2018, quando foram ao Super Bowl e venceram o New England Patriots de Tom Brady.

A evolução do segundanista Jalen Hurts no comando do ataque da franquia será crucial para o Front Office dos Eagles decidir se continuarão ou não interessados em Deshaun Watson. O retorno de importantes jogadores da sua linha ofensiva e a adição de DeVonta Smith devem colocar Hurts numa situação mais favorável para mostrar se é capaz de fazer a franquia desistir de uma troca na posição mais importante do esporte.

 

Denver Broncos

Assim como os Dolphins e os Eagles, Denver vem sendo constantemente citado como possível destino de QBs veteranos que desejam – ou desejavam – deixar a franquia em que estão, como tem sido com Deshaun Watson e Aaron Rodgers. A não-seleção de Mac Jones e, principalmente, Justin Fields, que parecia ser a opção mais óbvia na 9ª escolha do draft deste ano, surpreendeu quem achava que os Broncos endereçariam sua escolha de 1ª rodada num futuro QB.

Por conta disso, os Broncos disputarão a temporada de 2021 com Teddy Bridgewater a frente do ataque da franquia, após o ex-jogador do Carolina Panthers vencer a disputa pela posição contra o jovem Drew Lock, antigo líder do ataque dos Broncos.

O fato é que nem Terry Bridgewater e nem Drew Lock parecem ser o futuro da posição em Denver, então a busca por um novo QB em 2022 é bem possível para uma franquia recheada de bons jogadores em praticamente todas as posições do campo. Um jogador como Deshaun Watson seria capaz de recolocar os Broncos na disputa da AFC Oeste, que hoje conta com o amplo favoritismo dos Chiefs de Patrick Mahomes.

 

New York Giants

Por fim, e bem menos citado como possível destino de Deshaun Watson, tem o New York Giants de Daniel Jones. Apesar de ser menos lembrado quando se fala da ainda superestrela dos Texans, Jones não tem apresentado dentro de campo o suficiente para justificar a escolha de 1ª rodada dos Giants em 2019, sendo essa a 6ª escolha geral do draft daquele ano.

Tentando facilitar seu trabalho no comando do ataque, os Giants abriram o bolso para contratar Kenny Golladay e Kyle Rudolph na Free Agency, bem como utilizaram a escolha de 1ª rodada deste ano para selecionar Kadarius Toney. Os três recebedores se juntam a Sterling Shepard, ao Pro-Bowler Evan Engram e ao jovem Darius Slayton como principais alvos no ataque. Além deles, os Giants ainda contam com a estrela Saquon Barkley no backfield, sendo outra importante arma no jogo aéreo da equipe.

É justo afirmar que a linha ofensiva dos Giants pouco tem oferecido como proteção a Daniel Jones planejar e executar suas jogadas. Entretanto, más tomadas de decisões e manutenção de um alto índice de turnovers seguem preocupando o torcedor de Nova Iorque – e com razão. Até agora Daniel Jones ainda não se provou capaz de conduzir a franquia para os próximos anos e Deshaun Watson pode pintar como solução em 2022, caso não haja uma visível evolução no sucessor de Eli Manning.

 Por fim, cabe ressaltar que Deshaun Watson possui uma cláusula de veto em seu contrato que o permite cancelar uma troca que eventualmente o levaria a uma franquia que não o agrade. Essa cláusula dificulta ainda mais o trabalho do novato Nick Caseiro na posição de General Manager dos Texans.

Caso não seja trocado nos próximos dias, é provável que só iremos testemunhar uma troca de Deshaun Watson na offseason de 2022, quando as posições do draft do próximo ano estiverem consolidadas e as demais franquias tiverem melhor noção de qual será o futuro de Watson fora dos campos, pois não é possível descartar uma longa suspensão do jogador pela NFL, assim como não podemos afirmar com precisão quais serão os desdobramentos dos processos legais que o QB está envolvido.

Contudo, é possível afirmar que a franquia que contar com Deshaun Watson a frente do ataque em 2022 terá maiores chances de disputar partidas de pós-temporada e almejar voos mais altos dentro da liga. Independente da situação extra-campo que envolve o camisa 4, é inegável afirmar que Watson é um dos principais jogadores na liga e pode colocar qualquer franquia numa melhor situação dentro das 4 linhas.