Conteúdo

'Playoff P' conduz os Clippers à vitória no importante jogo 3, com terceiro quarto fulminante e grande partida de Reggie Jackson

25 de junho de 2021

(por Sérgio Viana)

E a série final do Oeste desembarcou em Los Angeles com o placar apontando 2-0 para o Phoenix Suns.

Depois de fazer dois jogos equilibrados fora de casa, o LA Clippers, ainda sem Kawhi Leonard e sem saber se o terão em algum momento da série, mandou no Staples Center seu primeiro jogo em uma final de conferência.

Pela terceira vez nesses playoffs os Clippers chegam ao jogo 3 com esse placar e com a responsabilidade de mudar o destino da série, fato até então inédito a NBA.

Quis o destino que o primeiro jogo de Chris Paul em uma final de conferência fosse justamente nesse ginásio contra o seu ex-time, de volta ao lineup após ter ficado fora dos dois primeiros jogos por conta do protocolo da NBA Covid-19. Booker veio com máscara de proteção por conta do choque que quebrou o nariz em três lugares no jogo 2.

Clippers vieram com Zubac e Mann como titulares, Morris segue com problemas no joelho esquerdo e viria do banco.

O jogo começou equilibrado com leve vantagem para o time da casa e com os Suns fazendo muitas faltas, com menos de cinco minutos já havia estourado o limite de faltas, com Bridges ficando pouco tempo em quadra por ter cometido duas infrações cedo. Taticamente com Beverley marcando Booker e George tentando anular Paul, os Clippers mostravam qual seria o ajuste na série. Com 6:26 marcando no relógio o placar apontava 18-15 para os Clippers.

Na volta da primeira parada, o jogo seguiu "amarrado" com as equipes hesitando em alguns momentos e Phoenix fazendo muitas faltas, mas com o relógio marcando 02:30 para o final do primeiro quarto o placar de 21-19 para os Clippers confirmava a dificuldade das equipes em pontuar. 

Bridges e Crowder tinham duas faltas nos Suns e Jackson o mesmo nos Clippers, isso fazia as equipes rodarem os elencos e nesse momento, com uma corrida de 8-2, os Clippers fecharam o quarto com 29-21 e uma leve vantagem no placar. Paul e Booker até então discretos e surpreendentemente zerados.

No início do segundo quarto, dois turnovers de Rondo para o Phoenix Suns acertar os dois ataques com Bridges e os primeiros pontos de Booker, vantagem cortada para 3, obrigando Lue a parar o jogo com 10:14 no relógio.

O LA Clippers continuou muito mal no período, com George descansando e Rondo fazendo bobagem em quadra, o time que nao tinha cometido sequer um turnover já colecionava quatro e viu sua vantagem ir embora em uma corrida de 9-4, ocasionando a virada no placar com 35 a 33 para os Suns, faltando 05:47.

O Phoenix Suns voltou ainda melhor no jogo, o time ajustou a marcação em cima de Jackson e George, a dupla Booker e Paul deu uma "esquentadinha” e, mesmo amassando o aro, ambos com 20% de aproveitamento, 7 pontos de cada, o time do Arizona fechou o segundo quarto com uma parcial de 27-17 e dois de vantagem no placar.  Ayton com 10 pontos e Zubac com dígito duplo de 11 pontos e 12 rebotes se destacaram na primeira metade do jogo.

Paul nitidamente sentindo um pouco de falta de ritmo e Booker com certo receio por conta da máscara estilo Richard "Rip" Hamilton tiveram muita dificuldade em um primeiro tempo onde as equipes deram muito trabalho para a arbitragem. Lue demorou para sacar Rondo no segundo período, só ele cometeu três turnovers que foram decisivos para a performance do time no período, além de Morris estar jogando com muita limitação de movimento. 

Os Suns iniciaram a etapa sem Payne, com problema no tornozelo, o LA Clippers fez um ajuste ofensivo dando volume de jogo para Terance Mann, que fez 6 dos 8 pontos do time no período para virar a partida com 56-53, e o relógio faltando 08:48 para o final do terceiro período. 

A intensidade defensiva do time da casa desestabilizou os Suns. Booker cometeu três faltas em um período de dois minutos, George mais uma vez muito bem nos arremessos de quadra chamou a responsabilidade e o Los Angeles Clippers impôs um jogo de garrafão para castigar ofensivamente os Suns com 18 pontos. Ao mesmo tempo que Zubac reduziu a performance ofensiva de Ayton, forçando o time a cometer quatro turnovers no período, com o placar, faltando pouco mais de dois minutos, de 71-58 para LA.

Pelo que se desenhava o final desse terceiro período para os Suns, ir para o intervalo com uma desvantagem de 8 pontos, parecia um prêmio para quem esteve com menos 15 no quarto, faltando 1.1 segundo no relógio. Somente parecia. Playoff P acertou belo arremesso do meio da quadra no melhor estilo Curry ou Lillard, ao gosto do freguês, para fechar com chave de ouro o melhor período da equipe de LA nessa série com uma parcial de 34-21 e o placar marcando 80-69.

O último quarto começou com os Clippers querendo "fechar o caixão", e o time chegou a abrir 18 pontos em uma corrida de 9-0, mas Paul não permitiu, devolvendo a mesma corrida, Lue parou o jogo com o relógio marcando 08:50 para acabar e o placar 89-78.

A parada surtiu efeito. A defesa melhorou, CP3 não conseguiu se aproveitar do miss match depois da troca de marcação em duas jogadas em cima de Zubac e, com cinco pontos seguidos de Jackson, o placar se manteve nos mesmos 11 pontos de diferença, 94-83 e dessa vez forçando Monty Williams a parar com 06:02 no relógio.

Com Crowder e Booker pendurados com quatro faltas, a tendência era dos Clippers seguirem forçando jogadas de isolation com George e Jackson batendo para cima. Deu certo, com menos de dois minutos Crowder cometeu duas seguidas e foi eliminado para desespero de Williams.

Era mesmo a noite dos Clippers. Time continuou perfeito na defesa, induzindo os Suns ao erro e com um Reggie Jackson muito quente, com 14 pontos de frente no placar, a vaca começava a arriar faltando 02:20 no relógio e o chamado para o Garbage Time.

Aí foi somente deixar o cronômetro correr para fechar a partida e colocar fim a série invicta de nove jogos dos Suns.
 

Final: Phoenix Suns 92-106 Los Angeles Clippers


 

Vitória muito importante dos Clippers de forma contundente e com os ajustes de Lue surtindo efeito.

A tática defensiva limitou e muito o aproveitamento de Booker e Paul, limitando a dupla a modestos 5-40 em arremessos de quadra. Zubac foi muito importante para limitar a efetividade de Ayton, mas mais do que isso, inibir a tentativa de jogadas com ele, e foi muito bem nos missmatches que foi submetido durante a partida.

Paul George, mesmo amassando o aro por conta da centralização do jogo em alguns momentos da partida, flertou com o triplo-duplo, com 27 pontos, 15 rebotes e 8 assistências em 9-26 arremessos de quadra. Reggie Jackson, que foi um monstro nos momentos decisivos, fechou com 23 pontos e 53% de aproveitamento. Ivica Zubac fecha o destaque do trio ofensivo com dígito-duplo de 15 pontos e 16 rebotes, além de dois tocos.  Além disso, Beverley é aquele jogador chato na marcação que tira do sério qualquer oponente, enchendo o saco de Booker e Paul a partida toda.

Lue parece saber exatamente o que fazer com esse elenco. Se não é brilhante na armação de jogadas, com um jogo baseado muito em lances individuais e bom aproveitamento do perímetro, tem sido feliz nos ajustes durante os playoffs. Mesmo pressionado, tem tido a inteligência e coragem para ajustar a equipe à necessidade de cada série. No confronto contra o Jazz foi Mann e nessa série Zubac começa a ter destaque nesse sentido. Tudo isso sem Kawhi, que não tem previsão de retorno.

Pelos Suns, Ayton com 18 pontos e 9 rebotes, Paul com 15 pontos e 12 assistências e Booker com 15 pontos foram os destaques.

Monty Williams vai ter trabalho. Na última partida o time já sofreu e muito para ganhar literalmente no último segundo. Paul sentiu a falta de ritmo e a contusão de Payne preocupa para a sequência da série. O aproveitamento da equipe foi muito ruim com menos de 39% em arremessos de quadra e parece que o time sentiu essa derrota.

Série completamente aberta e com potencial de ir a 7 jogos para alegria de quem não torce para nenhuma das equipes.

Difícil cravar qualquer prognóstico de vencedor, mesmo com o fator Kawhi totalmente em aberto. 

Palpite: Clippers em 7.

A conferir.