Conteúdo

Pirelli admite que escolhas de pneu podem ter sido “agressivas” demais para Istambul

8 de outubro de 2021

(por Mattheus Prudente)

Depois dos problemas vividos em 2020 com a aderência na pista de Istambul, a Fórmula 1 está garantindo que essa não seja mais uma questão que vá atrapalhar os pilotos. No entanto, a Pirelli admitiu que essa busca pela aderência possa ter feito a escolha dos pneus ser muito agressiva para a nova configuração da pista, causando maior desgaste. 

A Pirelli diz ter feito a escolha dos pneus que dá maior aderência, mas não considerou que a pista passou por reformas, principalmente o tratamento para pista molhada, que aumentou o grip do traçado. Nos treinos livres, pilotos e equipes notaram um grande desgaste dos pneus macios, o que pode fazer com que esse composto entre em desuso para a corrida. 

Com a classificação provavelmente sendo em pista molhada, as equipes não devem se preocupar em usar os pneus que eles irão largar no Q2. No entanto, se durante o Q2 os slicks forem necessários, os pilotos vão ter uma decisão a tomar em relação à estratégia de corrida e qualificação, principalmente se optarem pelos macios. 

O intervalo de tempo entre os pneus médios e macios não foi tão grande, ficando entre 0.3 e 0.4s por volta. Isso quer dizer que, mesmo com alguns carros mais lentos podendo investir nos vermelhos para tentar ganhar vantagem na classificação, os mais rápidos podem superá-los com os macios. A questão é: vale a pena talvez sacrificar uma corrida por conta de uma posição melhor de largada? 

Os treinos livres foram dominados por Lewis Hamilton, que foi o mais rápido nos dois, com Max Verstappen ficando com uma média de 0.4s de desvantagem em relação ao piloto britânico. No entanto, Hamilton tem uma punição de 10 posições por trocar o motor de combustão interna, o que pode fazê-lo montar o carro para a classificação.