Conteúdo

O renascimento da categoria meio-pesado: Dominick Reyes vs Jan Blachowicz

24 de setembro de 2020
23h 06

(por Matheus Morais)

Neste sábado, o cinturão da categoria meio-pesado do UFC estará em jogo, quando o americano Dominick Reyes enfrentar o polonês Jan Blachowicz. O título deixará de ter um rosto familiar aos fãs: o ex-campeão Jon Jones – para muitos, o maior lutador da história do MMA – deixou o cinturão da categoria e subiu para os pesos-pesados.

Apesar da disputa de sábado ser pelo cinturão vago da categoria, as expectativas de fãs e da mídia estão altas para o combate. Além de acompanhar toda nossa cobertura do UFC 253, fique ligado nos motivos que fazem a luta entre Reyes e Blachowicz uma disputa única de cinturão do UFC.
 

Jan Blachowicz

Blachowicz foi ex-campeão do KSW (Konfrontacja Sztuk Walki, em polonês), um dos principais eventos de MMA polonês do mundo. No UFC, o polonês estreou em 2014 com uma vitória avassaladora sobre Ilir Latifi, num chute muito potente no estômago (o autor deste texto chegou a pensar, à época, que o polonês era uma das maiores promessas da categoria). As cinco lutas seguintes de Blachowicz decepcionaram: foram quatro derrotas e apenas uma vitória (contra o não tão talentoso Igor Pokrajac).

A “virada de chave” da carreira do polonês veio quando enfrentou, em 2017, o americano Devin Clark, e obteve uma vitória por finalização. Dali em diante, Blachowicz colecionou sete vitórias e apenas uma derrota (para o brasileiro Thiago Marreta). O polonês teve vitórias expressivas sobre Jared Cannonier, Jimi Manuwa, Nikita Krylov, Luke Rockhold e Ronaldo Jacaré. Mas, a vitória que realmente colocou Blachowicz na rota pelo título dos meio-pesados veio apenas em fevereiro deste ano, contra Corey Anderson. Havia a expectativa de que o vencedor ganharia um status para a próxima disputa de cinturão, especialmente se a vitória viesse por nocaute ou finalização. O polonês superou as expectativas: nocauteou Anderson com um nocaute aos três minutos e oito segundos do primeiro round.

A luta ocorreu no Estado onde Jon Jones treina. Assistindo o nocaute de Blachowicz da primeira fila, o ex-campeão não hesitou em desafiá-lo para uma disputa de cinturão. O nome do polonês jamais foi maior após essa luta.
 

Dominick Reyes

Reyes tem expressiva menor experiência no MMA que o polonês. Estreou no UFC em 2017, quando possuía apenas sete lutas no cartel. Desde sua estreia no evento, Reyes tem sido avassalador. Possui sete lutas no evento, sendo que venceu seis delas. Sua única derrota veio na última luta, contra o ex-campeão Jon Jones.

Antes da disputa de cinturão, Reyes venceu nomes expressivos como Jared Cannonier, Ovince St.Preux, Volkan Oezdemir e Chris Weidman. A vitória contra o americano Chris Weidman (ex-campeão da categoria dos médios do UFC), com um nocaute brutal no primeiro assalto – aliado ao fato de que a categoria há anos conta com poucos talentos –, confirmou o passaporte de Reyes para enfrentar o campeão.

Na luta mais importante de sua carreira até então, Reyes superou todas as expectativas. A luta foi dura, tendo durado cinco assaltos completos. Ao fim, os árbitros laterais, por unanimidade, declararam a defesa de cinturão de Jon Jones. Mas a imensa maioria de fãs e mídia, ao contrário dos árbitros laterais, viram em Reyes o vencedor daquela disputa. Como argumentos, apontam que Reyes dominou os três primeiros assaltos, de modo que a vitória de Jones nos dois últimos rounds em nada teria alterado o resultado.

No sábado, Reyes terá a oportunidade de “escrever a história certa”, nas palavras dele. O lutador virá embalado e faminto por devolver o cinturão para onde ele, e muitos outras pessoas, acredita que deveria estar.
 

O confronto

O confronto marcará o embate de dois trocadores de primeira linha. Ambos costumam utilizar golpes parecidos: gostam de misturar socos com chutes, tanto na cabeça quanto na linha de cintura. Reyes é mais agressivo e gosta de impor um volume maior. Blachowicz prefere estudar mais seus adversários e utilizar golpes fortes. De qualquer forma, a luta promete ser um confronto interessante na luta em pé.

Apesar do confronto interessante, a expectativa de fãs e mídia está ligada às circunstâncias dessa luta. A categoria meio-pesado por muitos anos foi a divisão de peso mais disputada e badalada. Existiam muitos talentos e dificilmente um campeão do UFC conseguia defender o título nessa faixa de peso. Até que em 2011 a história mudou.


Quando Jon Jones se tornou campeão contra Mauricio Shogun em 2011, o americano permaneceu dominante na divisão por quase uma década. Houve períodos em que Daniel Cormier foi campeão dominante (Jones estava impedido de lutar, por problemas externos à luta), mas na maior parte do tempo Jones reinou absoluto na divisão. Isso, aliado à redução abrupta de talentos, tornou os meio-pesados uma das categorias menos interessantes do UFC. As conversas se limitavam a definir quem seria o próximo a ser derrotado por Jones ou Cormier.

A performance de Reyes contra Jones, aliado ao abandono do cinturão pelo ex-campeão, parece trazer luz à categoria. Trata-se de oportunidade única para os demais lutadores da categoria tentarem sua chance na disputa do título. Será uma corrida para ver quem substituirá Jones como o rei absoluto da categoria. A disputa de cinturão de sábado representa um reinício para a categoria dos meio-pesados, que há anos tem dificuldades.

Dominick Reyes e Jan Blachowicz parecem ser candidatos perfeitos para o renascimento da divisão dos meio-pesados. Ambos vêm famintos para a luta, que promete ser a maior de suas carreiras.

Quem se tornará o novo campeão da categoria meio-pesado, que desde 2011 não possui campeões que não sejam Jon Jones e Daniel Cormier? Não há como perder essa disputa.