Conteúdo

O que está acontecendo de errado com os Los Angeles Lakers? Tentando entender através de números

29 de dezembro de 2021

(por Matheus Correia)

Bom, ninguém de fato esperava que os Los Angeles Lakers fossem um dos principais candidatos ao título da NBA nesta temporada. Mas por outro lado, ninguém esperava que fossem uma das grandes decepções da liga.

Sétimos no oeste até a publicação deste texto (29/12), contabilizando 6 derrotas nos últimos 10 jogos, a equipe de LeBron James e Anthony Davis está longe de atingir a performance desejada.

E apesar da tendência dos fãs deste esporte jogarem a culpa no individual (Frank Vogel, Westbrook, LeBron...), dá para afirmar que a equipe está longe de ter um vilão responsável por sua má fase (pelo menos dentro de quadra).

Mas afinal, por que os Lakers estão jogando tão mal? É difícil cravar e explicitar com 100% de certeza o motivo, mas pelo menos, é possível apontar e identificar problemas preocupantes através dos números.

Fator Anthony Davis: A ineficiência ofensiva

Anthony Davis não é o único responsável pela ineficiência ofensiva da franquia de LA, e é até de certa forma, injusto usá-lo como algoz logo no momento em que se encontra fora das quadras por uma lesão no joelho. Mas é ele quem melhor representa esta disfunção na equipe de Frank Vogel.

Com uma média de 0.73 pontos anotados por arremesso tentado, sendo esta a menor entre todos os jogadores da liga (a média é de 1.00); um dos piores aproveitamentos nos arremessos de três pontos em sua carreira (17,9%, maior apenas que seu ano de novato, onde tentou apenas 6 bolas de três durante toda a temporada); e um plus/minus (Índice individual que mostra o impacto, em pontos na partida, de um determinado jogador) total de -48 (o maior da liga é +375, de Stephen Curry), AD não vive seu melhor ano no âmbito ofensivo.

E ele serve de espelho para os outros principais jogadores de sua equipe: LeBron e Westbrook também possuem uma média de pontos por arremesso abaixo da média da liga, com 0.99 e 0.90, respectivamente. No geral, a equipe se encontra na 24ª colocação entre todos os times da liga no ranking de eficiência nos arremessos. Já a eficiência ofensiva total é rankeada na 25ª posição.

Fator Westbrook: Turnovers em excesso

E assim como no tópico acima, Westbrook não é o único responsável por outro grande problema dos Lakers. Mas ele é de longe, sem sombra de dúvidas, com toda a certeza que este universo pode oferecer, o jogador que veste a camisa 10 e a braçadeira de capitão quando estamos falando de turnovers na franquia de LA nesta temporada.

O armador tem médias de 4.7 turnovers por partida, a segunda maior da liga. O primeiro colocado é James Harden, com 4.9. Mas é importante lembrar que o “barba” tem um número de partidas inferior à de Westbrook. Nesta temporada, a estrela dos Nets tem 137 turnovers em 28 jogos. E nesta estatística, dá para dizer que Russell é campeão com sobras: são 163 turnovers em 35 jogos.

Como equipe, os Lakers tem um dos piores índices de turnovers na liga, se encontrando na 29ª posição em turnovers por partida (15.9) e na 27ª posição em proporção de turnovers (porcentagem em que a posse de um time acaba em turnover).

Fator Frank Vogel: Mais problemas do que soluções

E claro, não poderíamos deixar o professor de fora. O trabalho de Frank Vogel nesta temporada é uma equação sem resultado onde todos estes problemas citados anteriormente aparecem como as incógnitas. Demitir Vogel dificilmente irá transformar os Lakers em um contender do dia para a noite.

 A questão não é se o treinador sabe ou não usar o talento que tem em mãos; mas sim, que ele saiba achar a solução para estas incógnitas. E analisando o mercado, dificilmente a franquia de LA encontrará alguém tão qualificado a ponto de corrigir este problema extremamente complexo. É tarde demais para mudar encaixes e peças no roster. O núcleo construído pelos Lakers nesta temporada, é um núcleo ineficiente ofensivamente.

No fim das contas, vai ser possível dar um jeito nessa franquia até o fim da temporada? Este deverá ser o principal dilema da equipe amarelo-púrpura até meados de fevereiro/março do ano que vem. É esperar para ver.