Conteúdo

(por Bruno Braz)
 

Pois é, mais um GP de 2021 realizado. Depois de duas corridas muito boas, esperávamos um novo embate direto entre os dois líderes do campeonato, o que, infelizmente, não aconteceu.

Os mais atentos, que acompanharam o treino de classificação, poderão se lembrar da fala de Verstappen, reclamando de falta de velocidade em reta. No fim do treino de classificação, ele ficou 4 décimos atrás do pole. Pérez ficou com meio segundo de atraso. A expressão de aborrecimento dos pilotos da Red Bull, após o “qualify", já poderia ser um sinal de que o dia seguinte seria bem complicado para a equipe, considerando suas pretensões de bater a Mercedes.

Luz verde, corrida iniciada com alguma ação, protagonizada por Sainz, Pérez, Norris e Ocon. Na sequência, navalhada de Kimi Raikkonen causando o Safety Car, que demorou quatro voltas para voltar aos boxes. Depois disso, quantos embates como os das corridas anteriores, tivemos? 

Verstappen estava levando o carro nas costas. Fez uma bela ultrapassagem por fora na curva 1, sem usar o DRS, no mesmo figurino dos anos 80 e 90, deixando Hamilton para trás. Só que, depois disso, Hamilton voltou para a ponta, também por fora, mas com DRS aberto. Despachou. Correu livre de cara para o vento. Nem na estratégia de box tivemos algum ingrediente adicionado que pudesse dar algum tempero ao final da prova. Bottas ainda serviu de escudo para Hamilton sumir ainda mais na frente, segurando Verstappen por algum tempo. Nem com a asa aberta ele conseguia passar o Bottas, na reta. 

"Ah, mas teve o Ricciardo com ótima recuperação e o Schumacher brigando com a Williams de Latifi". Sim, verdade. Mas, eu duvido que alguém ligou a TV para apreciar briga entre Haas e Williams ou para ver quantas posições o Ricciardo recuperaria, depois de um péssimo sábado . 

Além disso, não tem muito o que falar. Salvo um ou outro ultrapassando de maneira muito fácil, com o DRS, do jeito que se faz agora, que é por fora, o que mais? Nem com o esforço do Sérgio Maurício, tentando supervalorizar esse tipo de manobra, tirou a frustração. Os mais incautos, poderão até achar que, dada a forma de locução, era uma coisa espetacular que estava acontecendo, só que não era nada demais.

No fim, ficamos assistindo uma corrida para ver quem faria a melhor volta da prova para garantir o ponto extra. E, novamente, Verstappen errou. 2x1 em erros. Em um campeonato que pode ser apertado, não é possível dar esse tipo de bobeira.

A impressão que fica, é que a Mercedes achou solução para seu carro. Essa pista era bem sinuosa, o que em teoria, favoreceria a Red Bull, com seu conhecido refino aerodinâmico, mas foi justamente o contrário. As Mercedes foram melhores em todo o final de semana, salvo um treino livre liderado por Max.

A minha torcida? Para que a Red Bull se ache novamente e tenhamos um campeonato brigado, independente de quem vença no final.

Ah, mais um detalhe: depois de três corridas, três carros que usam o motor Honda já estão no limite de peças. Péssimo sinal. Quando começarem as punições de perda de posições em grid de largada, tchau campeonato.