Conteúdo

Nets vencem Clippers em jogaço, Raptors demonstram força, Antetokounmpo faz a diferença e mais

22 de fevereiro de 2021

(por Vinícius Freitas)
 

Confira como foi o domingo (21) da NBA:

 

Brooklyn Nets 112 @ 108 Los Angeles Clippers

Apesar das características ofensivas das duas equipes, o jogo defensivo foi muito intenso na primeira metade do jogo, com o talento individual das principais duplas de cada time fazendo a diferença no confronto. Kyrie Irving e James Harden eram os protagonistas de um lado, enquanto Kawhi Leonard e Paul George lideravam os Clippers. As equipes alternaram na liderança algumas vezes no primeiro quarto, com os Clippers vencendo parcialmente por 30 @ 28. O jogo continuava parelho, com as equipes trocando pontos durante a primeira metade da segunda etapa. Depois disso, os Nets conseguiram uma pequena vantagem, com um ótimo trabalho defensivo, um dos pontos fracos da equipe na temporada, mas que funcionou muito bem contra o forte ataque dos Clippers, indo para o intervalo com uma vantagem de 58 @ 51, com um grande duelo entre as estrelas das equipes.

Na volta do intervalo, os Nets eram melhores ofensivamente, chegando a abrir dois dígitos de frente no período. Os Clippers conseguiam diminuir a diferença, mas não conseguiram ter a frente do placar novamente, Tomando um banho de água fria do adversário quando pareciam encostar no placar. Nomes importantes do banco dos Clippers, como Marcus Morris e Lou Williams não entraram bem no jogo, sofrendo muito com a marcação adversária. Já pelo lado dos Nets, Bruce Brown era um bom nome, atuando bem na defesa e contribuindo também no ataque. Os Nets conseguiram manter a vantagem no período, e foram para o final do jogo com 89 @ 79 a favor, uma importante diferença contra uma das melhores equipes da liga, mesmo sem contar com o astro Kevin Durant, lesionado. Os Nets continuavam insanos no ataque, abrindo 94 @ 79, maior vantagem do jogo até então. Os Clippers não desistiam, e aos poucos iam diminuindo a larga diferença do time nova iorquino, liderados por George e Leonard. Com 1 minuto restante para o final, os Nets venciam por 108 @ 106, com um jogo completamente diferente do começo da etapa. Curiosamente depois de converter uma cesta de 3, que diminuiu a diferença para 3 pontos, Paul George deixou a partida, mesmo sendo o maior pontuador de LA. Os Clippers ainda empataram a partida em 108 @ 108, mas DeAndre Jordan conseguiu colocar os Nets na frente mais uma vez, depois de um tapinha milagroso no rebote de um arremesso de 3 pontos de Irving, fazendo 110 @ 108 para os Nets. Os Clippers ainda tinham 12 segundos no relógio para tentar empatar ou vencer o jogo. Kawhi Leonard conseguiu a infiltração e fez os dois pontos, porém, cometeu falta em James Harden, nitidamente empurrando um dos astros da liga com o cotovelo. O “Barba” converteu os dois arremessos livres e garantiu a sexta vitória seguida de Brooklyn, que quando joga contra as grandes equipes da liga, tem atuações bem convincentes. James Harden (37pts, 11reb, 7ast, 2stl), Kyrie Irving (28pts, 8ast) e DeAndre Jordan (13pts, 11reb, 4blk) foram os grandes nomes do Nets na vitória. Pelo lado dos Clippers vale ressaltar as belíssimas atuações da dupla Paul George (34pts, 6reb, 7ast, 2blk) e Kawhi Leonard (29pts, 13reb). 

 

Philadelphia 76ers 103 @ 110 Toronto Raptors

Apesar do bom começo dos 76ers, líderes do Leste, abrindo 22 @ 8 no primeiro período com pouco menos de cinco minutos para o fim, a ascendente equipe canadense mostrou porque ainda é um time a ser temido e conseguiu terminar na frente do placar a primeira etapa, com destaques para a dupla Pascal Siakam (11pts) e Fred VanVleet (13pts), que comandaram a reação dos Raptors, que terminou na frente com 28 @ 24 a favor. No segundo quarto, o jogo foi mais equilibrado, com os times trocando pontos durante boa parte do tempo. Os 76ers passaram à frente do placar graças à atuação de Ben Simmons, com 11 pontos no período, sendo o principal responsável pela virada dos visitantes, que foram para o intervalo com 55 @ 52 no placar.

Na volta do descanso, os 76ers estavam melhores, girando melhor a bola e conseguindo encontrar espaço para os arremessadores da equipe, chegando a fazer 72 @ 59, restando 7 minutos para o fim do período. A equipe canadense parava o jogo e esboçava uma reação, mas logo o líder do Leste jogava um balde de água fria no seu oponente, mantendo a vantagem de 10 pontos, até pouco mais de 3 minutos restantes para o fim da etapa. Mas, os 76ers sofreram mais um apagão no jogo e viram os Raptors virarem no placar pouco antes do fim do período, indo para o final do jogo com uma vantagem ínfima de 84 @ 83 apenas. Diferente dos outros períodos, os Raptors começaram o período derradeiro melhores, e conseguiram tomar a frente do placar, com um ótimo trabalho defensivo no perímetro dos 76ers. Depois disso, a equipe canadense manteve a frente e conseguiu conter muito bem as jogadas de transição adversária, vencendo o embate por 110 @ 103, com destaque para o trabalho defensivo da equipe, que limitou o seu oponente a 38% (!) nos arremessos de quadra. Pascal Siakam (23pts, 7reb, 8ast), Fred VanVleet (23pts, 9ast) e Chris Boucher (17pts, 5reb) foram os principais nomes dos Raptors na quarta vitória consecutiva do time. Pelo lado de Philadelphia, Ben Simmons (28pts, 9reb, 5ast, 9/11 nos arremessos [81.8%]) e Joel Embiid (25pts, 17reb, 2blk e 6/20 nos arremessos [30%]) foram os principais pontuadores da franquia na partida.

 

Denver Nuggets 115 @ 123 Atlanta Hawks

Em duelo de escolas distintas, o confronto foi bem movimentado, com as duas equipes conseguindo impor seu estilo. Os Hawks aceleravam mais o jogo, explorando os arremessos de longa distância, os Nuggets tinham um jogo mais voltado para a troca de passes, até encontrar o jogador com melhor situação para finalizar a jogada. Os Hawks começaram piores na defesa, dando bastante espaço para os visitantes trabalharem suas jogadas, mas ofensivamente conseguiam bater de frente contra a sólida defesa adversária. Os Nuggets não contavam com boa atuação de Nikola Jokic, mas Jamal Murray (7pts) e Michael Porter Jr. (8pts) lideraram a equipe na vitória parcial de 33 @ 27 no primeiro quarto. Na etapa seguinte, o duelo ficou bastante equilibrado, com boa parte do tempo os times mantendo a diferença de um ataque no placar, com os Hawks conseguindo uma vantagem de 64 @ 56 apenas nos minutos finais do período. 

Na volta dos vestiários, os Hawks esquentaram a mão, e aos poucos iam ampliando a vantagem, explorando os arremessos de perímetro, liderados por Trae Young, principal arremessador e criador de jogadas do time, que estava em noite inspirada. Os Nuggets tinham muita dificuldade para segurar o ataque de seu oponente, vendo o placar ficar cada vez mais distante. Diferentemente de Young, Jokic não estava em um de seus melhores dias, e isso afetou bastante a parte ofensiva dos Nuggets, que terminaram a terceira etapa perdendo por 93 @ 76. Os Nuggets não conseguiram voltar para o jogo, cometendo alguns erros incomuns para o nível da equipe, bem diferente do time consistente que costumamos assistir. Os Hawks continuaram bem ofensivamente e administraram a vantagem, garantindo uma vitória convincente contra uma das equipes mais sólidas da liga. Trae Young (35pts, 6reb, 15ast) e Clint Capela (22pts, 10reb, 8/9 nos arremessos [88.9%]) foram os principais nome dos anfitriões no duelo. Jamal Murray (30pts, 2stl), Facundo Campazzo (16pts), Monte Morris (15pts, 7reb, 6ast) e Nikola Jokic (15pts, 10reb, 3stl, 5/15 nos arremessos [33%]), foram os principais pontuadores dos Nuggets na partida.

 

Minnesota Timberwolves 99 @ 103 New York Knicks

Apesar do início equilibrado entre as equipes, graças a Karl-Anthony Towns, que começou o jogo com a mão pegando fogo, as equipes trocaram pontos até a metade do primeiro tempo, quando o placar marcava 15 @ 15. Depois disso os Knicks fizeram uma sequência de 15 @ 3, vencendo parcialmente o jogo por 30 @ 18, com grande destaque mais uma vez para a dedicação defensiva da equipe, que anulou muito bem o poder ofensivo dos Wolves. No segundo quarto a equipe de Minnesota reagiu, diminuindo a diferença em um momento para 40 @ 36 apenas, mas os Knicks voltaram a formação defensiva que havia tido sucesso no começo do jogo, e mantiveram a boa vantagem de frente, terminando com 61 @ 50 na saída para o intervalo, com Julius Randle (11pts) liderando os anfitriões, e Ricky Rubio (11pts) na dianteira de pontuação dos Wolves.

No terceiro período, a defesa dos Knicks continuava forte, e a equipe foi aumentando ainda mais a vantagem, com uma grande atuação coletiva, liderada por RJ Barrett e Julius Randle no ataque, praticamente liquidando o jogo já no final da etapa. A marcação atrapalhava muito as investidas dos Wolves, e apesar da boa atuação de Rubio, melhor pontuador da equipe até o momento, com 17 pontos, a desvantagem no placar por 87 @ 71, mostrava a predominância do oponente na partida. Mas, a partida até então perfeita dos Knicks, quase veio por água abaixo no último quarto. Towns liderou a reação dos visitantes, que foi diminuindo a diferença aos poucos, chegando a ficar na frente do placar, com 98 @ 97, com menos de dois minutos para o fim, em uma recuperação incrível da abatida equipe do restante da partida. Os Knicks mais uma vez tiveram grande trabalho defensivo no fim da partida, e conseguiram segurar os Wolves para garantir a sofrida vitória, passando a frente do placar apenas com 30 segundos para o fim, com 99 @ 98. Depois disso, os Knicks mantiveram a dianteira do placar e conquistaram a sua 15ª  vitória na temporada. Julius Randle (25pts, 14reb) e RJ Barrett (21pts) foram os principais nomes dos nova iorquinos no embate. Karl-Anthony Towns (27pts, 15reb, 3blk) e Ricky Rubio (18pts, 6ast) comandaram os visitantes, que apesar dos 45% de aproveitamento nas bolas de 3 pontos, não conseguiram evitar a 24ª derrota da franquia no ano.

 

Oklahoma City Thunder 117 @ 101 Cleveland Cavaliers 

O duelo começou bem equilibrado, com as duas equipes explorando bastante as jogadas de contra-ataque e da zona pintada. A equipe de Oklahoma era liderada pela jovem estrela Shai Gilgeous-Alexander, que apesar de ser o principal pontuador da equipe, contava com ajuda de grande parte do plantel. Pelo lado dos anfitriões, Darius Garland e Collin Sexton eram os principais nomes da equipe, distribuindo o jogo e incomodando bastante a defesa adversária, apesar da derrota parcial de 31 @ 28 na primeira etapa. O jogo se manteve parelho até a metade do segundo quarto, depois disso OKC esquentou a mão nos arremessos de fora e conseguiu abrir boa vantagem para o intervalo, com 62 @ 51 favorável, com Gilgeous-Alexander liderando a equipe ofensivamente, com 16 pontos, seguido por Hamidou Diallo com 12. Os Cavs pecavam na marcação do perímetro e encontraram dificuldades para explorar as jogadas de pick’n’roll na segunda etapa, não conseguindo equilibrar a partida como haviam feito na primeira etapa. Sexton (15pts), Garland (10pts) e Jarrett Allen (10pts) eram os principais nomes da franquia de Ohio.

Na volta dos vestiários, o cenário continuava igual ao período anterior, com os visitantes administrando a vantagem conquistada anteriormente, com a defesa fazendo um bom trabalho em cima da dupla Garland e Sexton, apesar da dupla contar com bons números. Apesar do esforço dos armadores de Cleveland, OKC conseguiu conter bem o poder ofensivo do oponente, e foi para o último quarto com 86 @ 73 de vantagem. OKC parecia ter achado a fórmula defensiva para conter o adversário, e assim como no 3º quarto, a equipe continuou a administrar a vantagem para garantir a vitória contra um decadente Cleveland por 117 @ 101, que chegou a sua décima derrota consecutiva com o jogo de hoje. Collin Sexton (27pts), Jarrett Allen (26pts, 17reb, 3blk, 11/11 nos arremessos) e Darius Garland (21pts, 8ast, 3stl) apesar da ótima atuação não conseguiram evitar a derrota da equipe. Shai Gilgeous-Alexander (31pts, 9ast) Al Horford (16pts, 8reb, 2stl) e Hamidou Diallo (15pts) lideraram o OKC em sua 12ª vitória na temporada, com destaque para as bolas de 3, com ótimo aproveitamento de 13/28 (46%).

 

Sacramento Kings 115 @ 128 Milwaukee Bucks

Apesar da má fase de ambas as equipes, o jogo começou bem movimentado, com um bom trabalho ofensivo das duas equipes, que trocavam pontos e alternavam a liderança do placar até um pouco além da metade do período. Os Bucks foram um pouco melhores no ataque e conseguiram terminar a primeira parte na frente do placar, com 28 @ 25. No tempo seguinte, os Bucks foram aumentando aos poucos a vantagem na hora do revezamento dos elencos, chegando a abrir quase 20 pontos de frente, mostrando ter um plantel mais consistente do que o seu adversário. Os visitantes diminuíram a diferença para menos de 10 pontos, pouco antes da saída para os vestiários, mas os Bucks eram melhores no jogo e terminaram a etapa com 70 @ 56, com destaque para o atual MVP Giannis Antetokounmpo que já tinha 21 pontos marcados.

Na volta do intervalo nada mudou, os Bucks seguiam dominantes, e os Kings em alguns momentos pareciam até já ter jogado a toalha, com alguns jogadores despretensiosos e cometendo erros juvenis, com exceção do novato Tyrese Haliburton e Richaun Holmes, que pareciam mais focados que o restante da equipe. O Milwaukee Bucks administrou a vantagem e foi para o último período com a partida praticamente ganha, com 99 @ 82 de vantagem. Os Kings continuavam desligados, forçando arremessos e omissos na defesa na maioria das jogadas, facilitando a vida dos anfitriões, que depois do segundo quarto dominaram a partida e conquistaram uma vitória tranquila, sem sustos ou pressão do adversário. Giannis Antetokounmpo (38pts, 18reb) e Khris Middleton (32pts, 8reb, 6ast, 4stl, 2blk) foram os principais nomes do Bucks na partida. Tyrese Haliburton (23pts, 5reb, 8ast, 2stl) e Richaun Holmes (11pts, 11reb) foram os únicos que se salvaram da pífia apresentação dos Kings, apesar do duplo-duplo de De’Aaron Fox (13pts, 10ast, 2stl, 5/17 nos arremessos [29%]) e da pontuação de DaQuan Jeffries (18pts, 6reb, 5/13 nos arremessos [38%]).

 

Detroit Pistons 96 @ 105 Orlando Magic

A peleja começou equilibrada e intensa, com as duas equipes atacando sem medo de errar, parecendo querer resolver a partida o quanto antes. De um lado, o jovem Jerami Grant (8pts), grata surpresa da temporada, liderando a limitada equipe dos Pistons, e de outro, Nikola Vucevic (11pts) e Evan Fournier (12pts), dividindo o protagonismo da equipe da Florida. Apesar do trabalho defensivo das equipes deixar bastante a desejar, o jogo era interessante pela busca do ataque das equipes, da qual o Magic venceu na primeira parte por 28 @ 26. No período seguinte, o jogo seguia parelho, mas com o Magic um pouco melhor no ataque. A situação só começou a mudar depois da entrada do experiente Terence Ross, que anotou 8pts no período e junto com Vucevic (15pts) e Fournier (16pts) ajudou a equipe a aumentar a vantagem para 56 @ 48 na primeira metade do jogo.

Na terceira etapa, a equipe de Orlando aumentava ainda mais a vantagem, chegando a ter 14 pontos de frente, mas Grant (22pts) não ia facilitar a vida dos anfitriões e começou a reação dos Pistons, mantendo a esperança de sua equipe no jogo ainda. Fournier (27pts) e Vucevic (22pts) continuavam comandando o Magic na vitória parcial por 83 @ 76. Sem precisar fazer muito esforço no último quarto, o Magic administrou a vantagem e conseguiu sua terceira vitória seguida, contando com uma belíssima atuação de Nikola Vucevic (37pts, 12reb, 2blk), Evan Fournier (29pts, 7reb, 7ast) e Terence Ross (17pts), batendo a limitada equipe do Pistons por 105 @ 96. Sem contar com muita ajuda de seus companheiros, Jerami Grant (24pts, 5reb, 4ast) bem que tentou mas não consegui evitar a derrota do lanterninha do Leste, que teve apenas 37% de aproveitamento nos arremessos de quadra durante toda a partida. 

 

New Orleans Pelicans 120 @ 115 Boston Celtics 

Confira como foi a grande virada dos Pelicans sobre os Celtics: https://www.playmakerbrasil.com.br/noticia/com-muitas-falhas-dos-celtics-ingram-anota-33-pontos-e-leva-os-pelicans-vitoria