Conteúdo

Michael Jordan doará US$ 100 milhões para organizações contra desigualdade racial

5 de junho de 2020
(por Natassjia Bouchard)
 
 
Criticado varias vezes pelo seu silêncio sobre temas políticos e polêmicos, o 6 vezes campeão da NBA e aclamado ídolo do basquete, Michael Jordan, deu um passo a frente e se posicionou sobre o assassinato de George Floyd e as manifestações que vem ocorrendo em varios estados dos Estados Unidos. Além disso, o ex-jogador anunciou nesta sexta-feira que sua empresa, Jordan Brand, fará uma doação de quase R$ 500 Milhões (sim, você leu certo, 100 milhões de dólares) durante 10 anos para instituições que tem como objetivo lutar contra a desigualdade racial. 
 
Confira abaixo o texto traduzido da mensagem postada por Michael Jordan anunciando sua doação:
 
“A Jordan Brand somos nós, a comunidade negra. A Jordan Brand é mais do que um homem. Sempre foi uma família. Nós representamos uma família orgulhosa que superou obstáculos, lutou contra a discriminação em comunidades ao redor do mundo e que trabalha todo dia para apagar o rastro de racismo e o estrago da injustiça. O desejo, o trabalho, a excelência que o mundo tomou conhecimento é o resultado de uma geração após outra, derramando seus sonhos no próximo. É 2020, e nossa família agora inclui qualquer um que aspira ao nosso modo de vida. Ainda que muita coisa tenha mudado, o pior continua o mesmo. Vidas negras importam. Este não é um comunicado controverso. Até que o racismo enraizado que permite que as instituições do nosso país falhem completamente em erradica-lo, nós seguiremos comprometidos em proteger e melhorar as vidas das pessoas negras. Hoje, nós estamos anunciando que Michael Jordan e a Jordan Brand estarão doando US$ 100 milhões pelos próximos dez anos para organizações dedicadas a garantir a igualdade racial, a justiça social e o maior acesso a educação.”
 
Atitudes assim devem servir de exemplo para que outros jogadores e empresas façam o mesmo. As vidas negras gritaram mais alto e o silêncio, outrora criticado, já não existe mais.