Conteúdo

Mazepin critica sanções contra atletas russos: “cultura do cancelamento”

7 de abril de 2022

(por Mattheus Prudente)

Com a invasão russa ao território ucraniano continuando por mais e mais semanas, os atletas russos que sofreram sanções ou foram impedidos de competir continuam esperando para saber seu futuro. Um dos afetados por essa situação foi o piloto Nikita Mazepin, que acabou sendo demitido pela Haas por conta da situação, e abriu o jogo em entrevista para a BBC, criticando as sanções sofridas por atletas, afirmando se tratar de uma “cultura do cancelamento”. 

“Eu não concordo que os atletas estejam nessas sanções. Eu já disse que estou disposto a lutar contra isso. Talvez essa não seja a melhor hora para falar, mas, se você olhar toda a situação que está acontecendo com os atletas, se trata de uma cultura do cancelamento contra o meu país.” Disse Mazepin. 

Mazepin acabou sendo demitido pela Haas, que cortou os laços com a empresa de seu pai, Ural Kali, e substituiu o piloto pelo dinamarquês Kevin Magnussen. Existia a expectativa que Mazepin fosse impedido de competir, mas a FIA permitiu que ele corresse sob bandeira neutra. No entanto, mesmo com isso, a Haas decidiu demiti-lo. 

A Haas faz um bom começo de temporada, conquistando pontos com Magnussen nas duas primeiras corridas. O ponto baixo do ano para a equipe foi o acidente sofrido por Mick Schumacher, que deixou o piloto de fora da corrida na Arábia Saudita, deixando a equipe apenas com um carro no grid. Mick ainda não conquistou pontos na temporada. 

Quando perguntado sobre a guerra, Mazepin se recusou a dar uma visão pessoal sobre o que está acontecendo, afirmando que é “muito doloroso” ver o que está acontecendo, e que, assim como todos, ele quer “viver em um mundo com paz”. No entanto, diz que “qualquer coisa que ele disser terá repercussões”, e, por isso, não faz comentários.