Conteúdo

Madrid demonstra interesse em ter uma corrida da Fórmula 1 no futuro

23 de junho de 2022

)por Mattheus Prudente)

O GP da Espanha, realizado tradicionalmente no circuito de Barcelona, é uma das corridas ameaçadas de sair do calendário com a entrada das novas pistas. No entanto, apesar disso, a Fórmula 1 pode se manter na Espanha, já que Madrid demonstrou interesse em ter uma corrida da categoria da cidade. 

O ministro da comunidade de Madrid, Enrique Lopez, escreveu uma carta para o CEO da Fórmula 1, Stefano Domenicali, expressando o interesse: 

“Eu acredito que trazer um evento de automobilismo para Madrid seria um sucesso para todos os profissionais, instituições e companhias envolvidas no desenvolvimento da Fórmula 1. Também seria muito bom para todos os cidadãos da região, e é por isso que o governo de Madrid tem interesse em fazer isso ser possível.  

Para resumir, eu gostaria de confirmar o nosso comprometimento com você e com esse projeto. Estamos prontos para trabalhar com você e sua equipe para trazer a Fórmula 1 para Madrid.” Escreveu Lopez. 

Domenicali e a Fórmula 1 ficaram muito infelizes com os problemas de logística do GP da Espanha neste ano, já que as mais de 300 mil pessoas que participaram do evento tiveram muitas reclamações sobre o trânsito e a organização do evento. O CEO da categoria enviou uma advertência para os organizadores, afirmando que os problemas eram “inaceitáveis”. 

Apesar do circuito de Barcelona ser muito tradicional, ele não foi o único a receber um GP da Fórmula 1 na Espanha. Na era da Fórmula 1, o GP da Espanha já foi realizado nos circuitos de Pedralbes e Montjuic, em Barcelona, além de Jarama e no tradicional circuito de Jerez De La Frontera, segundo mais famoso do país. 

A Fórmula 1 passa por um processo de reformulação de seu calendário, com novas corridas no Catar e em Las Vegas confirmadas para o ano que vem, além de estar muito perto de fechar o retorno do circuito de Kyalami, na África do Sul, para o calendário. Essas três corridas atingiriam o limite de 24 GPs do atual acordo entre pilotos e a F1, que pode ser modificado a partir de 2026.