Conteúdo

Leclerc passeia pelo Albert Park, Pérez é o segundo e Russell completa o pódio no GP da Austrália

10 de abril de 2022

(por Bruno Braz)

Mais um GP finalizado e mais uma vitória de Charles Leclerc, que já abre um caminhão de pontos para o vice-líder, George Russell.

A prova não teve muitas emoções. Teve algumas disputas, ponto heróico de Albon, andando 57 das 58 voltas com o mesmo pneu, erros e abandonos de Sainz e Vettel, mas em termos de boas disputas na frente, não tivemos. 

A largada foi limpa para Leclerc e Verstappen, que mantiveram suas posições. Hamilton pulou muito bem e foi para terceiro. Russell também foi bem, subindo para quinto, deixando Norris em sexto. Sainz fez uma péssima largada, caindo para décimo quarto. Gasly também subiu duas posições, indo para nono. 

Para completar o azar que o assombrou desde o Q3, Sainz acabou indo parar na brita, após perder o carro sozinho, ainda na volta 2. Depois dessa, a divisão entre primeiro e segundo piloto para a temporada, já está bem delineada dentro da Ferrari.

A saída de pista do espanhol causou primeiro o Virtual Safety Car e, na sequência, o próprio Safety Car. Stroll aproveitou e fez não um, mas dois pit stops, indo para amarelos e depois para brancos, finalizando o uso dos compostos obrigatórios, já na volta cinco.

Leclerc aparecia em primeiro, seguido por Verstappen, Hamilton, Pérez, Russell, Norris, Ricciardo, Ocon, Gasly, Alonso, Tsunoda, Bottas, Schumacher, Zhou, Magnussen, Vettel, Latifi, Albon e Stroll.

A corrida retomou na volta 7, sem nenhuma alteração na ordem após a relargada. Pérez resolveu atacar Hamilton na décima volta, superando o inglês e voltando para a terceira posição.

Da volta 11 até a volta 19, tivemos Vettel errando, passeando na brita e caindo para último, Leclerc abrindo de Verstappen e vários pit stops. 

Max voltou do box em sétimo, na frente da briga de Gasly e Alonso, que acabou superando o francês, quando este ficou sem saber o que fazia com o holandês à sua frente.

Na volta 20, Hamilton pressionou bastante a Red Bull de Pérez, que não bobeou e chamou o mexicano para box na volta seguinte. Norris também parou, voltando em décimo segundo. Ricciardo o seguiu na volta seguinte. 

A saída de box de Ricciardo foi bem apertada. Voltou imediatamente à frente de Albon e Stroll, que o atacaram com intensidade, mas resistiu bem o australiano com pneus ainda frios.

Pérez voltou do box atrás de Hamilton, mas em uma ultrapassagem sensacional, por fora, recuperou sua posição.

Já estávamos na volta 24, quando Vettel cometeu mais um erro bobo, metendo o carro na parede e causando mais um safety car. Fim de prova para o alemão.

A ordem era: Leclerc, Verstappen, Russell, Alonso, Pérez, Hamilton, Magnussen, Norris, Ricciardo e Albon fechando os 10 primeiros. O décimo primeiro era Ocon, seguido por Bottas, Stroll, Gasly, Tsunoda, Schumacher, Zhou e Latifi fechando os carros que ainda estavam na prova. Alonso, Magnussen e Albon ainda não tinham feito suas paradas. Tentariam algo diferente na estratégia, talvez apostando em nova intervenção antes do fim da prova.

A corrida recomeçou na volta 26, com Max partindo com muita força para cima de Leclerc, mas sem conseguir tomar a ponta da prova. Na volta 29, exatamente meia prova, os 10 primeiros eram Leclerc, Verstappen, Russell, Alonso, Pérez, Hamilton, Magnussen, Norris, Ricciardo e Albon, fechando os que pontuavam. Ocon era o décimo primeiro, seguido por Stroll, Bottas, Gasly, Tsunoda, Schumacher, Tsunoda, Zhou e Latifi em décimo oitavo, fechando a fila.

Na volta 30, Pérez superou Alonso. Na 31, Hamilton também superou o espanhol. As voltas 34 e 35 mostraram Norris e Ricciardo, na sequência, superando Magnussen, que ainda seguia na pista com pneus desgastados. Lá na frente, Leclerc enfileirava voltas mais rápidas.

Uma disputa que estava interessante era pelo terceiro lugar, entre Russell e Pérez. Pérez apertava, mas não conseguia superar o inglês. A volta 36 teve um rádio curioso, com o engenheiro de Russell sugerindo que a gestão dos pneus seria mais importante que lutar com Pérez pela terceira posição. Curto e seco, Russell respondeu que não era o que ele queria ouvir. Porém, a ultrapassagem acabou sendo inevitável na volta seguinte.

Na volta 39, Max Verstappen abandonou por falha na unidade de potência, causando o acionamento do Virtual Safety Car. Max teve que pedir efusivamente que o fiscal apagasse o princípio de incêndio da traseira de seu carro. Dois abandonos em três provas para o campeão de 2021. A coisa começa a se complicar para ele.

Alonso e Magnussen aproveitaram o virtual safety car para fazerem suas paradas de box. Albon, não. A volta 41 trouxe uma boa briga entre Bottas, Schumacher e Alonso pelo décimo primeiro lugar, enquanto a transmissão oficial mostrava Stroll com a informação de penalização de +5 segundos acrescidos em seu tempo de prova.

As voltas 44, 45, 46 e 47 trouxeram uma boa disputa entre Stroll, Gasly e Bottas. Stroll fazia movimentos de defesa questionáveis para quem já tinha uma punição de 5 segundos.

Com 10 voltas para o fim, a ordem era Leclerc, Pérez, Russell, Hamilton, Norris, Ricciardo, Albon em sétimo ainda sem parar, Ocon, Stroll ainda devendo perder 5 segundos no tempo total de prova e Gasly fechando os 10 primeiros. O décimo primeiro era Bottas, seguido por Alonso, Schumacher, Zhou, Magnussen, Tsunoda, e Latifi em décimo sétimo, fechando os carros que ainda estavam na prova.

Gasly superou Lance Stroll na volta 50, depois de bastante perseguição. Quem mostrava querer brigar pelo pódio, na volta 51 era Hamilton, tirando a diferença para Russell, mas ainda acima de 1 segundo. A perseguição acabou na volta 55, com Hamilton abrindo mão da disputa, não sem antes reclamar no rádio com a equipe, que eles os teriam colocado em uma situação difícil.

Volta 56 de 58 e nada de Albon fazer seu pit stop. A narração já falava sobre as regras que determinam a desclassificação de um piloto que não fizesse a troca de pneus. Só que Albon parou na volta 57, voltando em décimo, para delírio da equipe Williams. No fim, Albon só teve que dar uma volta com pneus macios. Conseguiu seu pontinho suado, cruzando em décimo.

Leclerc venceu e convenceu. Pole, vitória e volta mais rápida. O segundo foi um bom Sérgio Pérez que tem andado muito próximo a Max Verstappen até aqui. Fechou o pódio, o novo vice-líder do campeonato, George Russell.

O quarto colocado foi Hamilton, seguido por Norris, Ricciardo, Ocon, Bottas, Gasly e o já mencionado, Albon, fechando os 10 primeiros. Décimo primeiro para Zhou, seguido de um errático Stroll, Schumacher, Magnussen, Tsunoda Latifi e Alonso, que ainda fez outra parada para troca de pneus a poucas voltas do fim.

Ainda é cedo. O calendário é muito longo, mas com a confiabilidade que a Ferrari tem mostrado, aliada à performance superior, podemos ter uma tranquilidade que ninguém apostava para o monegasco.

Pontos altos da Prova: Leclerc, Russell e Albon, sem dúvidas.

Os pontos fracos foram o azar de Alonso, as barbeiragens de Vettel, a tocada suja de Stroll e o erro de Sainz no começo da prova, o que deve levá-lo oficialmente ao posto de segundo piloto na Ferrari.