Conteúdo

Justin Gaethje, Henry Cejudo e a imprevisibilidade do MMA

13 de maio de 2020

(por Matheus Morais)

 

O MMA pode ser, por algumas razões, um esporte imprevisível. Discutirei neste texto como uma mudança drástica no estilo de luta de um lutador em um curto espaço de tempo pode ser um fator de imprevisibilidade. Grandes exemplos desse fato são os vencedores das lutas principais do UFC 249, que ocorreu no último sábado, Justin Gaethje e Henry Cejudo. Ambos mudaram completamente seu estilo de luta há alguns anos.

Antes de estrear no UFC, Cejudo já era bem conhecido pelos fãs de MMA. Medalhista de ouro nas Olímpiadas de 2008 em Pequim na modalidade de wrestling, o atleta era considerado uma promessa do MMA. Ao estrear no UFC em 2014 contra Dustin Kimura, Cejudo demonstrou, além do wrestling de primeira que todos sabiam, ter um boxe decente. Mas suas habilidades não eram suficientes para chegar ao topo do esporte. Isso foi muito bem demonstrado quando o wrestler foi rapidamente nocauteado em dois minutos e quarenta e nove segundos do primeiro round contra o então campeão Demetrious Johnson. Na luta seguinte, Cejudo voltou a perder, quando enfrentou Joseph Benavidez.

Nove meses depois, Henry Cejudo enfrentou o brasileiro Wilson Reis. Seu estilo de luta havia mudado completamente. O atleta surpreendentemente passou a adotar um estilo de luta muito parecido com o do brasileiro carateca Lyoto Machida. A nova movimentação de Cejudo permitiu receber menos golpes e os contragolpes passaram a fazer parte de seu arsenal. Desde então, o “triplo C” conquistou dois cinturões simultâneos do UFC (peso-mosca e peso-galo) e seis vitórias consecutivas, incluindo contra as lendas Demetrious Johnson, T.J. Dillashaw e Dominick Cruz.

Assim como Cejudo, Justin Gaethje também era conhecido pelos fãs de MMA antes de sua estreia no UFC. Por outro lado, era famoso pelo estilo brigador: Gaethje foi responsável por lutas eletrizantes no antigo WSOF, incluindo os combates memoráveis contra Luis Palomino (recomendamos fortemente que o leitor assista). Embora o lutador tenha vencido em sua estreia no UFC (em uma luta eletrizante), logo em seguida sofreu suas primeiras derrotas no MMA. O estilo que até então encantou os fãs lhe custou duas derrotas por nocaute.

Após quatro meses, Justin Gaethje voltou ao octógono para enfrentar James Vick. Seu estilo havia mudado. Gaethje passou a ter uma abordagem mais técnica, paciente e precisa. Sua forma de lutar não era mais simplesmente transformar o combate em uma briga contra o adversário. A mudança em seu estilo pôde ser percebida com mais clareza no UFC 249, contra Tony Ferguson. Gaethje, que à época do WSOF mal chegava descansado ao terceiro round, enfrentou o lutador que possivelmente possui a melhor condição física do UFC e o nocauteou no quinto round. Justin Gaethje se tornou campeão interno peso-leve do UFC e agora acumula quatro vitórias seguidas por nocaute.

Outros exemplos de mudanças drásticas de estilo de luta em curto espaço de tempo estão espalhados pelo esporte. Esse fato demonstra como o MMA pode ser um dos esportes mais imprevisíveis.