Conteúdo

Heat supera Nets de Durant, duelo insano entre Tatum e Morant e Lakers de mal a pior; confira os destaques da rodada de quinta da NBA

4 de março de 2022

(por Jefferson Castanheira)
 

Que bela noite de NBA! Grandes partidas foram marcantes nessa última quinta-feira (3) do melhor basquete do mundo, com direito a duelos pessoais, derrocadas, surpresas e grandes performances individuais. 
 

Kevin Durant retornou? E eu com isso?

Simplesmente o Miami Heat não quis saber de nada. Pode começar vencendo, pode continuar a frente, pode se sentir no controle, mas não adianta. O elenco treinado por Erik Spoelstra tem uma disciplina e uma calma surreal quando está atrás no placar, sem querer inventar moda, nem erros bobos tentando fazer algum milagre. Com muito fundamento e uma defesa sempre presente em todos os cantos da quadra, o Heat não esteve nem aí se Kevin Durant fazia seu tão esperado retorno. Claro que KD jogou muito bem, obrigado. Foi cestinha da partida e o líder dos Nets na tentativa da vitória, com 31 pontos anotados. Só que o problema de se enfrentar o Heat é que se faz necessário ter um volume muito grande de jogadores e de focos ofensivos, em vista que o banco do time de South Beach sempre aparece. Dessa vez, além de Tyler Herro, que sempre está ali, e nesta noite anotou 27 pontos com 8 assistências, o ala Caleb Martin teve bastante minutagem de quadra e entregou 22 pontos convertendo 8 das 11 vezes que arremessou - além de ser responsável por congelar o ataque dos Nets com Patty Mills e Bruce Brown - que ainda deixou 21 pontos apesar das dificuldades. Ainda assim, Max Strus foi um ala que infernizou a defesa de Brooklyn, castigando da linha de três pontos, e em infiltrações pontuais, além de fazer muitos pick and rolls que desarmavam a defesa juntamente do grande nome do Heat, Bam Adebayo. O pivôzão de Miami resolveu jogar com mais leveza e fazer um trabalho mais longe do garrafão, mas sempre ao redor dele, principalmente defensivamente. Adebayo anotou 30 pontos com 11 rebotes e 6 assistências, bagunçando o garrafão dos Nets com Andre Drummond e LaMarcus Aldrigde. Vitória de Miami graças a tática, disciplina e muito respeito organizacional dentro de quadra. Spoelstra sabe bem o que está fazendo.

Final: Miami Heat 113 x 107 Brooklyn Nets

 

Moral pra bater Morant

Boston Celtics e Memphis Grizzlies fizeram uma grande partida, mas o time de Massachusetts disparou após a virada para a segunda metade e desbancou um dos times mais difíceis de se vencer na NBA, graças ao intrépido showman que vem nascendo nas montanhas de Memphis, Ja Morant. Só que dessa vez o jovem talento encontrou outro jovem prodígio, que é o "franchise player" do Boston Celtics atualmente e, claro, para os próximos anos. Jayson Tatum utilizou toda sua voracidade no dia em que comemorou 24 anos de idade, anotando 37 pontos - sendo 21 deles apenas no último quarto, com 6 rebotes e 5 assistências. O duelo entre Morant e Tatum parece que só teve mais um capítulo de muitos que irão vir, em vista que as duas jovens estrelas jogaram com muita intensidade e colocaram seus times nas costas para bater o outro. O embate praticamente ficou pessoal em determinados momentos da partida, em vista que era "lá e cá" algumas vezes, com ambos protagonizando em sequência grandes momentos na partida. Mas, com Robert Williams III e Al Horford dominando o garrafão e Marcus Smart ajudando muito na defesa contra o restante elenco dos Grizzlies, restou a Ja Morant apenas sair vitorioso como cestinha do jogo com 38 pontos anotados com 7 assistências. A vitória ficou com Boston, claramente em evolução vertiginosa para o futuro pós trade deadline.

Final: Memphis Grizzlies 107 x 120 Boston Celtics

 

Alguém vai tocar o violino enquanto o Titanic afunda?

Era para ser um sucesso. O maior evento da época. Nada o afundaria. O sucesso era visionário, impossível de conter. Mas, as vezes o excesso de confiança deixa você descuidado. E aí tem um obstáculo a frente, você não consegue desviar. Isso te impacta profundamente, te machuca a ponto de sequer completar metade da viagem. E o naufrágio começa. O violino não cessa. Sem escolhas. Tô falando do Titanic ou do Los Angeles Lakers? Aí é com você, leitor. O time de LeBron James, comandado por Frank Vogel, viu todos os avisos de iceberg, mas ignorou, foi em frente e cá estamos agora, praticamente num post-mortem tentando diagnosticar tudo o que deu errado. Perder para o Los Angeles Clippers sem Kawhi Leonard e Paul George é para doer. Rumo ao iceberg, o Lakers fez apenas 18 pontos no terceiro quarto e foi inconsistente a partida toda, com LeBron James tocando o violino sozinho, anotando 26 pontos de uma tragédia que ele também é culpado. Gelado como um iceberg, Reggie Jackson não quis saber se os mares gelados do fracasso estão congelando os Lakers, e sem piedade, castigou com 36 pontos anotados, em uma vitória absurdamente fácil. É, tempos difíceis para o primo rico angelino que ruma ao fundo do mar. Agora resta saber se o LA Lakers ainda consegue pegar um bote salva vidas pra evitar um fracasso precoce.

Final: Los Angeles Lakers 111 x 132 Los Angeles Clippers

 

Que isso, Jovem? Ou melhor... Young?

Infernal. Esse é um adjetivo bom para o que Trae Young representou para a defesa do Chicago Bulls. Castigando de tudo o que é lado e estando em todos os cantos da quadra, o armador dos Hawks foi crucial para uma vitória inesperada, até a página dois, em vista que defensivamente a ausência de Lonzo Ball, Alex Caruso e Patrick Williams são cruciais para a defesa sistemática dos Bulls, que apesar de ver o trio Vucevic - LaVine - DeRozan ir muito bem, foi insuficiente para tentar parar Young em noite inspirada. A estrela de Atlanta anotou 39 pontos e cedeu 13 assistências, desativando tudo o que podia e não podia contra a defesa rival desfalcada, principalmente nos dois últimos períodos, quando Atlanta deslanchou de vez e saiu com a vitória.

Final: Chicago Bulls 124 x 130 Atlanta Hawks

 

Alguém sabe como desliga o Luka Doncic?

O esloveno está completamente “ON FIRE” desde a trade deadline que mandou Kristaps Porzingis embora. Coincidência ou não, mas o Dallas Mavericks só viu partidas absurdas do Luka Magic desde que isso aconteceu, e dessa vez, Doncic foi à forra. Causando a sétima derrota dos Warriors em nove partidas, Luka foi brutal e sem piedade. 41 pontos, 10 rebotes e 9 assistências para o melhor jogador da noite, que praticamente comandou toda ação ofensiva dos Mavs, já que ele jogou 41 minutos dos 48 possíveis. Stephen Curry anotou 21 pontos, mas teve dificuldade em ficar livre na quadra, com justamente Doncic na marcação dele junto com uma rotação de dobras no armador, que funcionou muito bem. 

Final: Golden State Warriors 113 x 122 Dallas Mavericks

 

E, por aí...

Os outros jogos da noite foram pequenos perto desses grandes eventos, mas não podemos deixar de falar sobre a vitória dos Pistons com Cade Cunningham dando mais as caras e anotando um double-double de 22 pontos com 12 rebotes e 5 assistências em cima do Toronto Raptors, que até fez de tudo pra tentar evitar a derrocada, mas não teve jeito e viu Pascal Siakam pedir ajuda contra Detroit em atuação confusa do restante do time. E em outro embate da noite, o San Antonio Spurs viu Dejounte Murray tomar um de seus voôs curtos com 29 pontos anotados, mas ainda assim sair derrotado contra o Sacramento Kings, graças a falta completa de volume de jogo que o San Antonio Spurs vem propondo recentemente. De'Aaron Fox não teve nada com isso e liderou os Kings para a vitória com 26 pontos anotados e 9 assistências.

Finais: 

Detroit Pistons 108 x 106 Toronto Raptors

Sacramento Kings 115 x 112 San Antonio Spurs

 

Destaques do dia

Cestinha: Luka Doncic (41 pontos)

Melhor jogador: Luka Doncic (41pts, 10rbs, 9ast)

Melhor jogo: Miami Heat x Brooklyn Nets

Melhor jogo coletivo: Boston Celtics

Jogada do dia: Luka Doncic "desligando o disjuntor" do Klay Thompson em um drible. 

Jogada decisiva: Bloqueio de Cade Cunningham nos segundos finais garantindo a vitória dos Pistons.

Sinal vermelho: Los Angeles Lakers

Sinal amarelo: Brooklyn Nets, Golden State Warriors

Sinal verde: Miami Heat, Dallas Mavericks, Boston Celtics