Conteúdo

Hamilton muda de postura, não tira o carro, bate com Max e vence em Silverstone, mesmo com 10 segundos de punição

18 de julho de 2021

(por Bruno Braz)
 

Depois de uma corrida sprint sensacional no sábado, tivemos um prova muito aberta neste domingo.
 

Primeira volta de arrepiar

Leclerc largou bem, tomando a posição de Bottas. Hamilton e Verstappen partiram para uma disputa franca, quase se tocando algumas vezes. A sequência de curvas de ambos, foi sensacional. Porém, com a briga extremamente dura entre ambos, o toque veio e Verstappen levou a pior, com Hamilton, pela primeira vez no ano, não aliviando. Dianteira esquerda de Hamilton na traseira direita de Max. A suspensão quebrou na hora e o holandês foi parar na barreira de pneus. Batida forte. 57 Gs de força.

Interrupção e retorno com Leclerc se mantendo na frente

A corrida entrou em interrupção com a bandeira vermelha. Sorte para o inglês, que pôde corrigir os danos do seu carro. 

Na minha opinião, Hamilton acabou deixando o carro rolar um pouco além. Estava nas mãos dos comissários a análise do incidente.

Na interrupção, a ordem era Leclerc em primeiro, seguido de Hamilton, Bottas, Norris, Ricciardo, Vettel, Alonso em sétimo, Sainz, Raikkonen e Ocon fechando os 10 primeiros.

Décimo primeiro para Stroll, seguido por Gasly, Giovinazzi, Russell, Tsunoda, Schumacher em décimo sexto, Latifi, Mazepin e Pérez, fechando a fila.

Na relargada, Leclerc manteve a ponta. Norris foi bem, pulando para terceiro, deixando Bottas na saudade. Vettel mal, rodando sozinho. Ótima disputa entre Ricciardo e Alonso, valendo a quinta posição. Eram muito pegas.

Na volta 5, veio a confirmação: Hamilton foi punido pelo acidente com Verstappen: + 10 segundos para o inglês.

Com 10 Voltas, Leclerc ainda seguia em primeiro, com Hamilton tentando, mas não conseguindo apertar o ritmo para diminuir o prejuízo de 10 segundos que teria. Norris vinha tranquilo em terceiro, Bottas calmo em quarto e Ricciardo, também tranquilo, em quinto.

Disputa mesmo naquele momento só pelo sétimo lugar, entre Alonso e Stroll, que estavam separados por 8 décimos.

Com 15 voltas, Leclerc entra no rádio para dizer que o motor apagou e voltou. A diferença de 1.7 caiu para 1 segundo para Hamilton. Começava a viver um drama, o monegasco.

A ordem era: Leclerc, Hamilton, Norris, Bottas, Ricciardo, Sainz, Alonso, Stroll, Ocon e Raikkonen, fechando os 10 primeiros. O finlandês vinha segurando bem Gasly e Pérez, que estavam próximos. Décimo terceiro para Giovinazzi, seguido por Russell, Tsunoda, Latifi, Schumacher e Mazepin.

Na volta 19 começam os primeiros pit stops: Pérez, Russell e Vettel. Na 20, um pega sensacional entre Pérez e Kimi. O mexicano teve que suar para passar o "decano" da F1. É bom esse tal de Raikkonen, mesmo com os últimos erros.

A coisa estava estranha para Leclerc, reclamando de nova falha do motor, na volta 22, mesma a qual Norris fez seu pit stop, que foi péssimo. Acho que custaria caro para o inglês, que até então, estava na espreita dos líderes. Bottas para na volta seguinte e consegue o undercut em Norris. Estavam juntos, com Alonso na frente deles. Um Bottas decidido, coisa rara neste ano, superou Alonso, deixando o espanhol entre ele e Norris. O inglês superou o bicampeão na sequência. Em termos de movimentação, a corrida estava boa.
 

Metade da corrida repleta de incertezas

Com meia prova, a foto de momento estava dando pinta de que a corrida cairia no colo de Bottas, mesmo em quarto. Bastava Sainz fazer sua parada, Hamilton pagar seus 10 segundos, além de tirar a diferença de Leclerc. Daria? Se fosse um piloto mais aguerrido, eu diria que daria. Mas, como ele anda meio "morto", era difícil cravar, mesmo com seu engenheiro falando que era possível.

Na volta 28, Hamilton paga sua punição de 10 segundos, durante seu pit. Resultado: retorno em quinto lugar. Na 29, Sainz entra para seu pit. Voltou em sexto, após um trabalho horrível da Ferrari. Era o segundo. Na sequência, entra Leclerc, que voltou com 6 segundos de vantagem para Bottas. Era levar para casa.

Volta 31 e duelo de ingleses: Hamilton x Norris, com o Heptacampeão levando vantagem sobre o prodígio, assumindo o terceiro lugar.

Se na volta 29 Leclerc tinha 6 segundos de vantagem para Bottas. Na 37, essa diferença já era de 9 segundos. Assistindo a corrida, estava meio que tranquilo para a Ferrari voltar ao lugar mais alto do pódio. 

Quem estava apagado era Pérez, vindo apenas em nono lugar, com 15 voltas para o fim. Final de semana horrível para o mexicano. Bem aquém do carro que tem nas mãos. Rodou sozinho na sprint race, teve que largar em último, mas não conseguia uma progressão padrão "Sérgio Pérez”. Vettel também estava bem apagado, em décimo sexto, até então, completamente "fora da corrida".

Lá na frente, Hamilton começava a apertar o ritmo, fazendo a volta mais rápida, tirando a diferença para Bottas. Certamente haveria ordem de equipe para que ele chegasse em segundo lugar. O pedido de inversão veio logo depois. Hamilton subiu para segundo, com Bottas em terceiro.
 

Reta final sensacional

Com sete voltas para o fim, tínhamos três coisas para prestar atenção: Sainz em perseguição a Ricciardo, Pérez x Tsunoda x Raikkonen e, lá na frente, Hamilton enfileirando voltas mais rápidas, tirando a diferença para Leclerc. A distância já tinha caído para quatro segundos. Daria? Parecia que sim. 352.000 pessoas estavam de pé, acompanhando a perseguição de Hamilton. Quatro voltas para o fim e a diferença era menor que dois segundos! Elogiamos o Kimi? Pois é. Rodou e caiu para décimo sexto.

Três voltas para o fim e asa móvel aberta! Embutido em Leclerc. 0.8 de diferença! Volta 50 de 52 e Hamilton ultrapassa Leclerc! Na curva em que Christian Horner dizia ser impossível. Sensacional o inglês! Estava possuído! A diferença no campeonato de pilotos caía para apenas oito pontos (185x177). Nos construtores a distância despencou para quatro (289x285).
 

Fim de prova. Temos um campeonato! 

Atuação perfeita de Hamilton. Recado dado para Max Verstappen: "não vou mais tirar o carro. Se quiser bater, bate."

Na volta de retorno, Hamilton ostentou a bandeira inglesa, passando lentamente, o mais próximo possível de sua torcida. Foi bonito de ver.

O fim de prova foi: Hamilton em primeiro, Leclerc, brilhante, em segundo, com Bottas fechando o pódio.

Quarto lugar para Norris, seguido de Ricciardo, Sainz, Alonso em sétimo, Stroll, Ocon e Tsunoda.

Gasly em décimo primeiro, seguido de Russell, Giovinazzi, Latifi, Raikkonen, Pérez apenas em décimo sexto, Mazepin e Schumacher, fechando os que completaram a prova.

Vettel abandonou no fim, se juntando a Verstappen, que deixou a disputa ainda na primeira volta.

Para resumir, uma pequena opinião: não é só o carro. Nunca foi só o carro. Há que se respeitar o inglês, sempre!

Hamilton repete o feito de Ayrton Senna no GP Brasil de 93: pagar 10 segundos de punição, se recuperar e vencer a prova. Temos um campeonato, senhoras e senhores. Temos um campeonato! 

Já estou ansioso pela próxima prova. Max vai afinar? Hamilton será mais duro a partir de agora? Penso eu, que sim, que o inglês jogará mais duro a partir de agora. Já Max, penso que não vai amarelar. Não ficaria surpreso com mais toques entre eles. O jogo está aberto!