Conteúdo

GP do Qatar - Hamilton vence, Verstappen se recupera e é o segundo, e Alonso volta ao pódio em terceiro; Pirelli passa vergonha, mais uma vez

21 de novembro de 2021

(por Bruno Braz)

Foi bom o GP do Qatar. O tempo passou rápido e isso é um ótimo indicativo de que o GP foi bacana.

Após o rearranjo do grid com as punições de Max e Valtteri, por desrespeitos às bandeiras amarelas no fim do treino de classificação, tivemos a largada. E que largada! Verstappen e Alonso ganhando posições, com Alonso dando uma "trancada" muito forte em Verstappen. Hamilton manteve a ponta. Bottas? Perdeu cinco posições. Pérez também ganhou algumas posições, assumindo o nono lugar, duas posições na frente de Bottas. Max chegou a mostrar o carro para Gasly já na volta dois, mas o francês permanecia em terceiro.

Na volta quatro, Max superava Gasly e fazia a volta mais rápida, na primeira utilização do DRS. A próxima presa? Um tal de Fernando Alonso, que acabou sendo superado na reta, de maneira até tranquila para o holandês. Estavam de novo os dois principais pilotos do campeonato em primeiro e segundo, com Hamilton à frente. E ainda era a volta cinco. Eram em torno de quatro segundos de vantagem de Hamilton para Verstappen. Ainda havia muita prova pela frente.

Alonso aparecia firme na volta sete. Se estava desgarrado dos dois líderes, mantinha dois segundos de vantagem para Gasly, enquanto Sainz e Pérez abriam disputa ferrenha pelo sétimo lugar.

Volta oito e Toto Wolff mandava um "vamos aí, Valtteri! Passe esses carros!". Nessa altura, sequer estava marcando pontos o finlandês, enrolado com Tsunoda e Stroll. Volta 10 e a diferença de Hamilton para Verstappen, já era de cinco segundos. Começava a controlar a prova o heptacampeão.

A volta 12 trouxe um bom Norris deixando Gasly para trás, que por sua vez, entrava na alça de mira de Pérez. Norris era quarto, Gasly quinto e Pérez, já era o sexto. Na volta seguinte, Pérez superou Gasly, assumindo o quinto lugar. Estava em uma grande prova o mexicano, ao contrário de Bottas, que estava apático e errático.

Já na volta 15, Pérez abriu luta contra Norris pelo quarto lugar, conseguindo a ultrapassagem na volta 16. Já era o quarto colocado, três segundos e meio atrás de Alonso. Lá na frente, Hamilton enfileirava voltas mais rápidas, com 8.3 segundos de vantagem para Max, ainda na volta 17.

Volta 18 e Max fez seu pit: 2.2. Foi o segundo carro a parar. Ainda voltou em segundo lugar, fora de um eventual trânsito. Hamilton o seguiu e veio na volta seguinte. 2.3 de tempo de parada. Voltou tranquilo em primeiro, com 10 segundos de vantagem para Max.

O GP estava rápido. Já tínhamos 19 voltas completadas e a impressão era de que tinha acabado de começar. Estava bem interessante. Pérez entrou para pit na sequência, mas voltou no tráfego, atrás de nove carros que ainda não tinham parado. Bottas vinha em quinto, nesta altura, quando um rádio com a equipe chamou a atenção, deixando claro que Bottas tentaria apenas uma parada, podendo passar Verstappen. A chance de Max e Hamilton fazerem apenas uma parada, era bem remota, já que ambos pararam cedo.

Volta 23 e Bottas assumia o quarto lugar ao superar Norris, ao mesmo tempo em que Pérez ultrapassou Vettel, assumindo o décimo primeiro lugar. Volta 25 e Alonso para, saindo de pneus macios para duros. Iria para uma parada apenas, o espanhol. A volta 29 trouxe uma belíssima disputa entre Pérez e Alonso, com três curvas em sequência lado à lado, com vitória do mexicano no embate.

A transmissão mostrou Bottas na área de escape, se arrastando na pista, com um pneu furado. Era carta fora do baralho, ainda na volta 34.

Com 20 voltas para o fim a ordem era: Hamilton, Verstappen, Pérez, Alonso, Norris, Ocon, Stroll, Sainz, Leclerc, Vettel, Gasly, Ricciardo, Bottas, Russell, Latifi, Tsunoda, Raikkonen, Schumacher, Giovinazzi e Mazepin.

Verstappen parou novamente, na volta 42, vindo de médios, voltando ainda em segundo lugar. Eram 15 voltas para o fim. Pérez também entrou, dando esperanças para um pódio de Alonso. Hamilton veio também, marcando a estratégia da Red Bull.

As 15 voltas derradeiras trariam alguma emoção? Parecia que a emoção seria para saber quem ficaria com o último lugar do pódio. A matemática mostrava Alonso em terceiro, mas corridas são corridas. Pérez vinha barbarizando.  Com 10 voltas para o fim, o mexicano já era sexto, em busca do terceiro, com as voltas mais rápidas trocando de mãos entre o próprio Pérez, Hamilton e Verstappen. Esse pontinho seria suado.

Mal terminei o parágrafo anterior, o mexicano ultrapassou Ocon. Só tinha Norris e Alonso para o terceiro lugar. Vale destacar que Ocon vendeu caro a posição, atendendo o pedido da equipe para proteger Alonso, de certa maneira.

Sete voltas para o fim! Tínhamos disputas por posição em vários pelotões!

Com seis voltas para o fim, mais um pneu furado, desta vez, com Russell, ao mesmo tempo que Bottas recolhe e abandona o GP. Com cinco voltas, foi a vez de Latifi também ter um furo de pneu.

Absurda a situação do final de semana no tocante aos pneus.

Quatro voltas para o fim e tivemos uma boa disputa pelo quinto lugar, envolvendo Ocon, Stroll, Saiz e Leclerc, que se recuperou bem após um qualify com carro danificado. Pérez vinha em quarto, com oito segundos de atraso para Alonso. Três voltas separavam o espanhol da volta ao pódio. Também estava em aberto quem ficaria com a melhor volta da prova, levando um ponto para casa! Duas voltas para o fim e era Verstappen quem estava levando o ponto.

Ainda deu tempo para Alonso escapar de uma grande bobagem de Schumacher, que atravessou em sua frente, após uma escapada da pista. Teve muita habilidade o espanhol para escapar do pior. Verstappen trocou pneus com o safety car virtual. Teria apenas uma tentativa de pegar para si esse ponto extra. E conseguiu.

Hamilton venceu, seguido de Verstappen, e Alonso, de volta ao pódio. Quarto para Pérez, seguido de Ocon, Stroll, Sainz, Leclerc, Norris e Vettel fechando os 10 primeiros. Décimo primeiro para Gasly, seguido por Ricciardo, Tsunoda, Raikkonen, Giovinazzi, Schumacher Russell e Mazein.

Piloto do dia? Fernando Alonso, sem dúvidas! Vibrava no rádio o espanhol! Desfilou toda a sua qualidade técnica no GP. "Casou" de imediato com a pista!

Destaques da prova:
- Pérez, muito forte e combativo no GP;
- Verstappen, que recuperou o segundo lugar e fez uma boa prova;
- Hamilton, que fez o que tinha que fazer, mais uma vez;
- Alonso, em grande corrida com a Apine.

Quem ficou devendo:
- Ricciardo, mais uma vez, bem aquém na comparação direta com Norris;
- Bottas, com uma péssima largada. Chegou a voltar para a prova, crescendo, mas um furo de pneus na volta 34, acabou com qualquer chance de recuperação do finlandês, terminando com o abandono do GP a poucas voltas do fim;
- Gasly, que despencou do segundo lugar para décimo primeiro, ficando sem pontos. Tsunoda também não marcou pontos, complicando a Alpha Tauri na briga de construtores com a Alpine;
- Pirelli, novamente, com furos de pneus questionáveis durante o final de semana.