Conteúdo

GP da Hungria - Caos, raiva e surpresas, Ocon vence a primeira e Hamilton assume a liderança do mundial numa grande corrida

1 de agosto de 2021

(por Bruno Braz)
 

Que GP foi esse, senhoras e senhores! 

Uma corrida sensacional! Tivemos de tudo. Pista molhada, erro de Bottas na largada prejudicando as Red Bulls, bandeira vermelha, relargada com somente um carro no grid e os demais no box, disputas muito intensas, vencedor inédito, Mercedes errando, recuperação, Williams pontuando com os dois carros, novo líder no campeonato, enfim, aconteceu de tudo mesmo! Vamos ao nosso resumo.

O GP já começou com os pilotos usando pneus intermediários, o que, teoricamente, acabava com a estratégia da Red Bull de ir para cima das Mercedes por conta da vantagem dos pneus macios x médios.

Giovinazzi fez o pit stop no fim da volta de apresentação, trocando para os pneus amarelos. Único a arriscar. Na largada, Norris foi bem, indo para terceiro na freada. Mas, aí veio Bottas. 

O finlandês bateu em Norris, que acertou Verstappen. Bottas ainda levou Pérez. Erro absurdo do segundo piloto da Mercedes. Leclerc também se envolveu na confusão e deixou a prova, após ser acertado por Lance Stroll. E ainda foi jogado para cima de Ricciardo, que rodou.

Max conseguiu voltar para a prova mas, tinha danos sérios em seu assoalho. Pérez ficou pelo caminho.

Hamilton, dos ponteiros, foi o único a passar ileso na curva 1. Quase todo o restante do grid teve que, no mínimo, desviar da confusão. Sorte de campeão? Logo veríamos.

A corrida foi interrompida na volta 3. As equipes trabalhavam nos carros, mas não dava para saber, naquela altura, quem voltaria para a prova. Norris, por exemplo, também tinha danos sérios no assoalho. O carro estava na garagem. O silvertape corria solto para os remendos dos monopostos.

A ordem após as confusões era: Hamilton, Ocon, Vettel, Sainz, Tsunoda, Latifi, Alonso, Russel, Raikkonen, Schumacher em décimo, seguido por Gasly, Ricciardo, Verstappen, Mazepin, Norris e Giovinazzi. Fora da prova, confirmados, estavam Pérez, Stroll, Leclerc e Bottas.

Na entrevista, durante a interrupção, Bottas assumiu seu erro, dizendo ter perdido a tração na saída e o grip da freada, levando vários carros consigo. Desculpou-se com Norris, imediatamente.

Depois de um bom tempo de interrupção, os pilotos voltaram para a pista, atrás do carro de segurança. A largada seria parada, no grid. Norris não voltaria, de fato. No meio da volta, todos os pilotos tiveram a idéia, após um contato inicial com o asfalto, de trocar para pneus slick, exceto Hamilton. Único que largou do grid. Erro da Mercedes.

Uma imagem inédita: um único carro no grid, largando nos faróis. Todos os outros lugares, vazios!

A ordem era Hamilton, Russell, Ocon, Vettel, Latifi, Tsunoda, Sainz, Räikkönen, Alonso, Ricciardo, Schumacher, Verstappen, Gasly, Giovinazzi e Mazepin.

Hamilton fez seu pit. Não tinha jeito. A mercedes teve que chamá-lo. Não era condição para os intermediários. Voltou em décimo quarto, na frente apenas de Mazepin.

Na volta 5 a ordem era: Ocon, Vettel, Latifi, Tsunoda, Sainz, Alonso, Russell, Räikkönen, Ricciardo, Schumacher, Verstappen, Gasly, Giovinazzi e Hamilton. Mazepin abondonou entrando no box, batendo com Kimi, que estava saindo. Erro da Alfa Romeo.Estava caótico o GP.

Lá na frente, Ocon virava bem, liderando a prova. Volta 9 e só 14 carros seguiam na prova. Hamilton penava para passar Giovinazzi. Verstappen também não conseguia superar Schumacher. Na 10, Hamilton consegue ultrapassar Giovinazzi. Verstappen apertava Schumacher, mas era apertado por Gasly, que tinha Hamilton em sua cola. Na 11 Giovinazzi levava uma penalização de 10 segundos por ter ultrapassado o limite de velocidade nos boxes. O incidente de Kimi e Mazepin, seguia sob investigação. Hamilton reclamava no rádio, chamando a situação de momento de "ridícula", enquanto tentava superar Gasly. Na raça, Verstappen arriscou tudo e superou Schumacher, com direito a toque entre ambos, ao mesmo tempo em que Hamilton, dava uma escapada na tentativa de enquadrar o Gasly. Quase que imediatamente, o francês conseguiu superar o alemão, deixando a encrenca para Hamilton, que conseguiu superar Mick, no fim da reta, com asa aberta, em ultrapassagem clássica.

Com 17 voltas, a ordem era: Ocon, Vettel, Latifi, Tsunoda, Sainz, Alonso, Russell, Ricciardo, Verstappen e Gasly, fechando os dez primeiros. Décimo primeiro para Hamilton, seguido por Schumacher, Giovanizzi e Raikkonen, que havia recém pago 10 segundos de punição, durante seu pit stop. Vettel tirava a vantagem de Ocon, mas não conseguia ultrapassar.

Na volta 20, Hamilton faz outro pit stop, indo para pneus duros. Ricciardo e Max fazem o mesmo na volta seguinte, tentando se defender de um undercut de Hamilton, mas não deu. Hamilton superou ambos enquanto saíam do box, assumindo o décimo lugar. A Ferrari chamou Sainz, que reclamou e disse que tinha ritmo, assumindo o risco de ficar na pista. A Alpine estava muito bem na prova, assim como a Williams e Alpha Tauri, os únicos times com dois carros entre os dez primeiros.

27ª volta e Hamilton seguia escalando o pelotão: superava Latifi, que tinha feito sua parada, assumindo a sétima posição. Verstappen seguia preso atrás de Ricciardo, em décimo segundo. Lá na frente, seguiam Ocon e Vettel, separados por um segundo e meio. Parecia que estavam apostando na volta da chuva. Na volta 31, Gasly faz seu pit, também optando por pneus duros, enquanto Tsunoda não facilitava em nada a vida de Hamilton. O britânico ultrapassou Tsunoda na 33, assumindo o quinto lugar, em bela ultrapassagem, sem DRS, por fora.

Em uma das ultrapassagens mais bonitas da prova, Russell passou Schumacher, pelo nono lugar, também por fora. Mick vinha muito bem, com o carro que tem nas mãos, mesmo não conseguindo resistir, na sequência, à Ricciardo e Verstappen. Sainz fez seu pit stop, voltando em quarto lugar. Teria mais pneus no final da prova?

Vettel foi para os boxes na 37 e voltou em terceiro. Poderia fazer o Undercut em Ocon, caso a Alpine desse bobeira, o que não aconteceu, já que Ocon foi chamado na volta seguinte, desfazendo o 1-2 momentâneo do time francês.

Volta 39 e tínhamos, depois de muito tempo, Alonso liderando um GP. Teve duas voltas para sentir o sabor de estar na frente de uma corrida novamente. Parou e voltou em quinto lugar. Na 41, Verstappen tentou algo diferente. Fez outro pit e voltou de pneus médios. A ordem de momento era: Ocon, Vettel, Sainz, Hamilton, já pressionando Sainz, Alonso, Tsunoda, Gasly, Latifi, Russell e Ricciardo fechando os dez primeiros. Décimo primeiro para Raikkonen, seguido de Verstappen, Schumacher e Giovinazzi, fechando a fila dos catorze carros que seguiam na prova.

Volta 45 e Hamilton não conseguia enquadrar Sainz. A transmissão mostrava uma travada de pneus do inglês. Alonso vinha se destacando, tirando a diferença para Hamilton e Sainz. Queria um lugar no pódio, o espanhol. O terço final do GP, prometia. Na 48 Hamilton arriscou uma nova parada, voltando em quinto. Lá na frente, Vettel apertava Ocon pela primeira posição.

Volta 50 e mais um ingrediente: Hamilton vinha virando mais de 2 segundos mais rápido do que todos os carros que iam à sua frente. Daria? Toto Wolff disse no rádio que sim, que daria para vencer a prova. 51 e uma briga de espanhóis pelo terceiro lugar: Alonso partia forte para cima de Sainz.

Com 15 voltas para o fim, ficamos colados na tela da TV: um duelo sensacional entre Alonso e Hamilton. Defendia muito o espanhol. A traseira de Alonso estava bem larga. A transmissão era toda dos dois naquele momento!

10 voltas para o fim e, finalmente, Verstappen ultrapassa Ricciardo, entrando na zona de pontuação. 

Sete Voltas e a luta entre Alonso e Hamilton saia faísca! Alonso ainda se segurava! Que disputa, senhoras e senhores! Cinco voltas para o fim e Alonso deu uma espalhada na curva 1. Hamilton passou e assumiu o quarto lugar!

Quatro voltas e Hamilton parte com tudo para cima de Sainz! Queria o lugar no pódio. Haja espanhóis no caminho de Hamilton!

Três para o fim e Hamilton ultrapassa Sainz. Estava no pódio, depois de um caos total!

Lá na frente (ainda tinha lá na frente), Ocon seguia um segundo e meio na frente de Vettel. Venceria?

Com duas voltas para o fim, tínhamos dois pontos de atenção: Alonso apertando Sainz pelo quarto lugar e Vettel, bem perto de Ocon. 

O alemão não parecia ter condição de apertar. Hamilton, ao contrário, vinha tirando. Mas, não deu tempo para mais nada! Ocon venceu sua primeira. Vettel em segundo, com Hamilton, sensacional, voltando para o pódio depois de um início péssimo! Sainz, Alonso, Gasly, Tsunoda, Latifi, Russell e Verstappen fecharam os dez primeiros. Décimo primeiro para Raikkonen, Ricciardo em décimo segundo, seguido por Schumacher e Giovinazzi fechando os carros que completaram o GP.

Russell faz seu ponto pela Williams, mas depois de Latifi! Que corrida para a Alpine! Imagem linda das duas andando uma ao lado da outra, na volta da vitória.

A transmissão ainda mostrou Vettel e Russell parando seus carros após a bandeira quadriculada, sem chegar nos pontos de parada. Ocon também não chegou. Que GP maluco!

É até difícil resumir um grande prêmio tão intenso como esse. Tivemos muita ação, opções, drama, redenção e diversas surpresas!

Que privilégio este campeonato de F1 de 2021! Muito aquém de qualquer roteirista de Hollywood!

Pena as férias de verão que teremos agora, voltando somente, no fim de Agosto com um GP. Menos mal que tivemos uma corrida que nos dará assunto por um bom tempo, além de uma primeira metade de campeonato incrível!

A pausa deve ser usada pela Red Bull e por Max Verstappen. Precisam se recompor e voltar fortes para a briga, ou assistirão, a partir de agora, Hamilton fazer uma das coisas que mais faz, que é partir de braçada, depois de abalar a cabeça e moral dos seus concorrentes. Até a próxima!