Conteúdo

Golden State aproveita o "desespero" de Memphis sem Ja Morant e abre 3-1 na série

10 de maio de 2022

por Jefferson Castanheira

Não deu para Memphis em São Francisco. Sem Ja Morant, os Grizzlies contavam com seu elenco e a cabeça do técnico Taylor Jenkins pra tentar uma vitória que parecia improvável, mas que esteve nas mãos do time visitante durante 47 minutos dos 48 da partida. Stephen Curry, claro, foi o grande nome dos Warriors com 32 pontos anotados. 

Apesar dos minutos finais emocionantes, o começo do duelo parecia um discurso de ódio contra o basquetebol. Erros inacreditáveis dos dois lados, muitos turnovers, muitos arremessos contestados, tortos, forçados. Passes lentos, telegrafados. O jogo quatro da semifinal do oeste da NBA parecia mais um jogo de interclasses de uma escola. Nem mesmo as estrelas estavam bem, aliás, foram dezesseis erros de arremessos de três pontos até Otto Porter Jr acertar o primeiro pelos Warriors, nada de Curry, Thompson ou Poole.

Mas após o intervalo o jogo de fato começou a valer como deveria. Memphis, mesmo sem seu principal jogador, fez frente de forma genial e arrebatadora contra o Warriors. Defesa do perímetro funcionando muito bem e Dillon Brooks jogando demais, colocando os Grizzlies na frente do placar por todos os minutos  seguintes do terceiro período, porém perseguidos pelos Warriors. 

O jogo ficou na distância de apenas uma posse de bola desde os 7 minutos restantes do último quarto. Curry e Thompson iniciaram os trabalhos como são conhecidos, Kyle Anderson grudou nos principais gatilhos dos Warriors como uma amoeba seca, sufocando as bolas vindo do perímetro. Memphis passou a infiltrar mais do que tentar arremessos longos, Tyus Jones ainda engatilhava chutes de longa distância, mas deslocava Dillon Brooks e Jaren Jackson Jr para a parte interna. 

Os Warriors assumiram a ponta com 45 segundos para o fim, após dois lances livres convertidos por Stephen Curry. Jaren Jackson Jr tentou ir pra cima de Draymond Green, que defendeu bem e, no ato de tentar pegar o rebote ofensivo, Desmond Bane subiu nas costas de Curry e mandou a estrela dos Warriors novamente para a linha de lance livre. Convertidos ambos, 93 a 96. 25.9 segundos para o fim, timeout Memphis. O time que liderou de ponta a ponta uma partida na casa do adversário sem sua principal estrela, enfim cedeu quando não podia ceder, no último minuto. 

Taylor Jenkins tinha o relógio pra empatar o jogo, mas Dillon Brooks recebeu a bola na porta do perímetro e, ao invés de buscar uma isolação, partiu pra bandeja e anotou dois pontos. Por azar, Curry recebeu a reposição de bola e os Grizzlies tiveram de forçar a falta no armador. Curry convertou novamente.

Taylor Jenkins tinha um timeout pra pedir, mas não pediu. 19 segundos, Jaren Jackson Jr comete um erro sintomático do começo da partida. Apesar de ser o cestinha de Memphis com 22 pontos, Jackson forçou um arremesso que seria digno de diversos adjetivos ofensivos, talvez todos os que constam nos "Aurélios" da vida. Sem planejamento, apenas desespero existe. E no desespero, apenas milagres podem te salvar. E não foi noite de milagre. Sem Morant, sem moral, com moratória. Warriors vence o jogo 4 e lidera a série por 3-1. 

Final: Memphis Grizzilies 98 x 101 Golden State Warriors (GSW lidera 3-1)