Conteúdo

FIA rejeita pedido de revisão da Aston Martin pela desclassificação de Vettel

9 de agosto de 2021

(por Bruno Braz)
 

Está cada vez mais difícil para a Aston Martin reverter a desclassificação de Vettel pela falta de combustível para a análise pós-corrida, no GP da Hungria.

A FIA rejeitou o pedido da equipe inglesa para que a desclassificação de Vettel fosse revogada, após reunião na corte, durante o dia de hoje.

As ações da Aston Martin, nesse caso, foram duas:

1) Pedido de Apelação contra a desclassificação - Pendente de julgamento;

2) Pedido de direito de Revisão contra a desclassificação proferida pelos comissários - Negado hoje.
 

Com a negativa, o pleito contra a desclassificação, que está pendente de julgamento, perde muita força. É praticamente impossível reverter.

Dias atrás, o chefe da equipe, Otmar Szafnauer, afirmou que haviam 1,7 litros no tanque, valor bem acima dos 300 ML encontrados para análise, onde o problema estaria na bomba de combustível do carro, sendo esse, o causador da parada de Vettel na pista. O carro foi então, lacrado e confiscado para análise na FIA.

Só que hoje, ao avaliar os novos dados apresentados pela Aston Martin, que foram muitos, ficou constatado que houve uma perda de pressão na célula combustível, com a bomba entrando em modo de operação máximo, gastando, de fato, mais combustível que o previsto. Em que pese não ter havido má fé do time, o regulamento é claro: 1 litro de combustível precisa estar disponível para análise após o GP.

Apesar da FIA entender que os dados foram uma novidade, não mudou o fato de não ter sido encontrado 1 litro para a devida análise, rejeitando então, o pedido da equipe.

O julgamento de apelação contra a desclassificação ainda não foi realizado, mas diante dos novos fatos, será muito difícil de ser revertido.