Conteúdo

Esquenta NFL - O que esperar da NFC Sul

10 de setembro de 2020

(por Bruno Fugazza)
 

A NFC Sul tem sido uma das divisões mais fortes e equilibradas de toda a NFL nos últimos anos. Em 2015, mandou o Carolina Panthers para o Super Bowl. Em 2016, foi a vez dos Falcons chegarem à grande disputa. Na temporada seguinte a divisão era tão forte que três de seus times chegaram aos playoffs: Saints (11-5), Panthers (11-5) e Falcons (10-6).

No entanto, uma coisa tem sido constante na Divisão: o Tampa Bay Buccaneers jogando um péssimo futebol. Nas últimas 10 temporadas, os Bucs ficaram em último lugar 8 vezes. Nesta década, só tiveram uma temporada com mais vitórias do que derrotas. Sua última aparição nos playoffs foi em 2007. Sua última vitória em playoffs foi no Super Bowl de 2002. Tentando mudar isso, os Bucs decidiram ir All In apostando em alguns veteranos e medalhões capitaneados por Tom Brady.

Por todos esses motivos, acredito que a NFC Sul será uma das divisões mais acompanhadas pelos fãs nesta temporada. Mas, de fato, o que esperar de Saints, Bucs, Falcons e Panthers? Confira abaixo meus palpites.

 

New Orleans Saints – 1º Lugar – A Consistência

Os Saints entram 2020 vindo de duas temporadas de 13 vitórias, como atuais tricampeões da NFC Sul e favoritos ao tetra, com uma das equipes mais completas e talentosas em toda a NFL. Sua linha ofensiva é jovem e de elite. Alvin Kamara parece estar saudável após brigar com lesões durante 2019 (mas ele quer um novo contrato). Drew Brees voltou de uma lesão grave no meio da temporada tão preciso quanto sempre. Michael Thomas quebrou recordes atrás de recordes e foi eleito Jogador Ofensivo do Ano. Do outro lado da bola, veteranos como Cam Jordan, Demario Davis e Malcom Jenkins dividem espaço com jovens estrelas como Marshon Lattimore e Marcus Williams.

Algumas peças pontuais foram adicionadas para corrigir problemas que custaram caro à equipe no ano passado. Emmanuel Sanders chega para ocupar a vaga de WR2 oposto a Michael Thomas, que até então era o único recebedor confiável de Brees. Malcolm, Jenkins chega para substituir Von Bell (que saiu para os Bengals), trazendo experiência e liderança para uma secundária talentosa, porém, jovem. No draft os Saints usaram sua primeira escolha em Cesar Ruiz, visto como melhor jogador do Interior da Linha Ofensiva da classe, para repor Larry Warford que teve problemas para se manter em forma em 2019.

Mas no geral, a equipe é a mesma de 2019. Sean Payton e Drew Brees entram em sua 15ª temporada juntos, formando uma das duplas de Head Coach e QB com mais vitórias na história.

Se manter jogadores e sistemas já é geralmente uma grande vantagem na NFL, acredito que em 2020 isso poderá fazer ainda mais diferença, uma vez que devido à pandemia os jogos de pré temporada foram cancelados e os training camps muito mais curtos. Então um sistema familiar e jogadores que já possuem entrosamento podem favorecer os Saints, principalmente nos primeiros jogos.

Por esse motivo, vejo os Saints como favoritos a vencer a NFC Sul e mais uma vez um dos fortes candidatos ao Super Bowl (caso consigam parar de estragar tudo nos playoffs).     

 

Atlanta Falcons – 2º Lugar – O Talento e o Azar

Vou começar deixando claro: os Falcons estão longe de ser uma equipe tão ruim quanto pareceram ano passado, quando tiveram 7 vitórias e 9 derrotas. É preciso olhar além e entender os motivos desse resultado.

Apesar de começarem a temporada muito mal, com uma vitória e 7 derrotas antes de sua Bye Week, os Falcons voltaram para a semana 10 como uma equipe totalmente diferente, e venceram 6 de seus últimos 8 jogos, incluindo vitórias fora de casa sobre Saints e 49ers.  Algo pareceu “encaixar” no meio da temporada, principalmente na defesa, que permitiu apenas 18,6 pontos por jogo nesse período.

Quer ter uma ideia de quão talentoso é o elenco dos Falcons? No ataque, 10 de seus 11 titulares foram escolhas de primeira rodada no Draft. Apenas o WR3 Russel Gage fica de fora. Nunca na história da NFL uma equipe teve tantas escolhas de primeira rodada em campo ao mesmo tempo. No entanto, o principal adversário dos Falcons nos últimos anos têm sido as lesões.

Em 2018, Ricardo Allen, Deion Jones, Devonta Freeman and Keanu Neil desfalcaram a equipe. Em 2019 a equipe usou suas duas escolhas no primeiro round do Draft na Linha Ofensiva para ajudar a proteger Matt Ryan. Porém, Chris Lindstrom (G) acabou na Injured Reserve, e Kaleb McGary (RT) teve uma lesão no joelho na semana 2. Matt Ryan também se lesionou. O TE Austin Hooper, que vinha na melhor temporada da carreira, perdeu jogos por lesão. Calvin Ridley e Desmont Trufant também perderam jogos. Keanu Neal, um dos pilares da defesa, sofreu uma lesão na semana 3 que pôs fim à sua temporada.

Mas, com um pouco menos de azar, a equipe ainda é um dos ataques mais explosivos da NFL com Matt Ryan, Julio Jones e Calvin Ridley. Hayden Hurst chega para substituir Austin Hooper como TE. Na posição de Running Back, a equipe trocou o ótimo-porém-sempre-machucado Devonta Freeman pelo ainda-melhor-porém-ainda-mais-sempre-machucado Todd Gurley. Caso Gurley consiga voltar aos seus melhores dias, o jogo corrido dos Falcons pode ir para outro nível.

Por tudo isso, acredito que com menos azar, os Falcons podem rivalizar com os Saints pelo título da NFC Sul e chegar aos Playoffs em 2020. Mas, caso a equipe decepcione mais uma vez, é provável que mudanças sejam feitas nos treinadores e até entre alguns veteranos para 2021.

 

Tampa Bay Buccaneers – 3º Lugar – O Dream Team 

Ok, ao contrário da maioria, eu não estou embarcando no "Hype Train" dos Bucs. Pelo menos não ainda. No papel, Brady, Gronk, Fournette, Mike Evans, Chris Godwin, Lesean McCoy e OJ Howard formam um Dream Team.

Mas "algo de errado não parece certo"…

Talvez seja a junção de Brady, o QB mais vencedor da história, com os Bucs, uma das equipes mais perdedoras da NFL. Brady tem 6 títulos de Super Bowl, o mesmo número de vitórias em playoffs em toda a história dos Bucs.

Ou o fato de que Gronkowski cansou de festas e de lutas na WWE para voltar à NFL. Será que o tempo de descanso ajudou com as constantes lesões que atrapalharam sua carreira, principalmente nos últimos anos? Afinal, ele não joga uma temporada completa desde 2011.

Ou Fournette, um RB jovem vindo de 1700 jardas totais em 2019, escolha Top 5 no draft, ainda com contrato de rookie, e que mesmo assim ninguém se dispôs a pagar uma escolha de 7ª rodada aos Jaguars por ele.

Talvez minha desconfiança esteja relacionada a Brady, depois de 20 anos, entrar em um sistema muito diferente do que estava acostumado. Ao invés das leituras rápidas e passes curtos dissecando a defesa, o sistema de Bruce Arians prefere bolas longas e arriscadas, usando geralmente 3 Wide Receivers em campo e soltando os Tight Ends para correr rotas. Ou seja, mais WRs, TEs soltos e passes longos (que exigem mais tempo para desenvolver a jogada), possivelmente deixarão Brady mais exposto a sacks e pancadas, algo que pode não ser bom para um QB de 43 anos.

Por falar em sacks, a linha ofensiva dos Bucs deixou a desejar em 2019, especialmente o LT Tristan Wirfs. Os Bucs então usaram sua primeira escolha no Draft e a Free Agency para melhorar a unidade.

Já a defesa da equipe é como o personagem de “O Médico e o Monstro”. Os pass rush e o front 7 funcionaram muito bem. Shaquil Barret teve 19,5 sacks em 2019. Jean Pierre Paul pressionou os QBs constantemente. A equipe ficou em 1º em jardas corridas permitidas por jogo. Por outro lado, a secundária foi a 3ª pior na NFL em jardas permitidas. No geral, a defesa de tampa foi a 29ª em critérios totais.  

Além disso, lembram como eu disse que a pré-temporada mais curta podia ajudar os Saints, que mudaram pouco a equipe? A mesma lógica aplicada aos Bucs diz que a equipe deve ter dificuldades nas primeiras semanas. Arians está na segunda temporada como HC, com um novo QB e muitas caras novas no ataque.

E convenhamos... qual foi o último “Dream Team” que funcionou na NFL? Lembram de toda a empolgação com os Browns ano passado?

Por tudo isso, eu decidi esperar um pouco para embarcar no "Hype Train" dos Bucs. Não acho que a equipe será horrível, mas espero algo como 8-8, ou 9-7.

 

Carolina Panthers – 4º Lugar – McCaffrey Futebol Clube ou Tank for Trevor

Os Panthers sofreram ano passado com a lesão de seu QB e ex-MVP Cam Newton. O resultado foi uma temporada com “apenas” 5 vitórias. Uso apenas entre aspas, pois se não fosse pela temporada histórica de Christian McCaffrey, a equipe possivelmente teria entrado na briga por Tua e Burrow no Draft deste ano.

Mesmo em uma equipe perdedora, o RB esteve o tempo todo nas discussões para OROY e MVP. CMC teve quase 2400 jardas totais, entre corridas e passes, a 3ª melhor marca na história da NFL. Então é seguro afimar que CMC entra em 2020 como um dos melhores jogadores da liga em qualquer posição.

O problema de Carolina é que além de CMC, não há muito mais coisas a se elogiar na equipe. Alguns de seus principais jogadores deixaram o time nesta temporada. Cam Newton busca ser o herdeiro de Brady em New England. Greg Olsen levou sua experiência para Seattle. Luke Kuechly (pra mim o melhor LB da NFL na década) se aposentou precocemente, preocupado com seu histórico de concussões. O Head Coach Ron Rivera foi demitido e substituído por Matt Rhule.

Chegaram free agents de pouca expressão, como Teddy Bridgewater e o WR Robby Anderson. Em uma transação estranha, os Panthers deixaram o Guard Trai Turner (5x Pro Bowler) sair para os Chargers, e o substituíram por Russel Okung, um Tackle de 31 anos que não é exatamente impressionante.

A essa altura, é difícil enxergar Bridgewater como um Franchise QB. Ele soa mais como um tapa buracos em uma equipe que pode estar na briga por Trevor Lawrence no Draft de 2021.

A grande questão é: o quanto CMC vai atrapalhar o “Tank for Trevor” de Carolina? Quantas vitórias o running back vai arrancar na marra?