Conteúdo

Esquenta NBA 2021 – Indiana Pacers

20 de dezembro de 2020

(por Matheus Correia)
 

Provável time titular:

PG – Malcolm Brogdon

SG – Victor Oladipo

SF – TJ Warren

PF – Domantas Sabonis

C – Myles Turner

 

Reservas de destaque: Jeremy Lamb, Justin Holiday, Aaron Holiday, TJ McConnell, Goga Bitadze

Técnico: Nate Bjorkgren
 

Status: Brigará pela 7ª ou 8ª vaga nos playoffs, podendo depender do play-in
 

Projeção

Com poucas mudanças, a franquia de Indiana provavelmente repetirá o que aconteceu nas últimas cinco temporadas. Buscando melhorar o desempenho nos playoffs, os Pacers foram atrás de uma nova filosofia de jogo, contratando para o cargo de técnico Nate Bjorkgren, ex-auxiliar dos Raptors. Com um bom roster, que possui belo entrosamento, Indiana dependerá de Bjorkgren caso queira qualquer tipo de evolução em quadra. Jogadores como Oladipo, Sabonis e Brogdon, por mais talento e importância que tenham, parecem já ter atingido seu teto de produção. Turner ainda possui espaço para evoluir, mas sua última temporada demonstrou que ainda precisa trabalhar arduamente em diversos aspectos de seu jogo caso queira atingir um nível de candidato a All-Star.  

Os jovens Aaron Holiday e Goga Bitadze são candidatos para terem sua temporada de “explosão” na NBA; ambos possuem muita qualidade e potencial, mas ainda estão distantes até mesmo de uma quantidade considerável de minutos em quadra. Cassius Stanley é o único novo na equipe, e apesar de ter sido draftado na posição 54, é um dos candidatos a steal da classe.

Um dos pontos fortes de Indiana é o equilíbrio defensivo e ofensivo. E isso se deve muito ao trabalho feito na offseason de 19-20. O backcourt formado por Oladipo e Brogdon é um bom exemplo disso. Assim como a defesa de Myles Turner equilibrada com a capacidade ofensiva de Sabonis e TJ Warren. Entretanto, o fenômeno que foi Warren na bolha em Miami, expõe um dos motivos pelo qual foram varridos por Miami na primeira rodada, assim como por Boston em 2018-19. Indiana depende muito da consistência de seus jogadores. E mesmo que eles coloquem bons número no placar, nenhum tem a capacidade de ganhar um jogo “sozinho”. Sabonis pode ter sua temporada de All-Star, TJ Warren pode ter uma sequência espetacular de bons jogos, Oladipo pode reviver seu auge, Turner pode defender a nível de DPOY, mas caso Indiana queira ao menos avançar para a segunda rodada dos playoffs, algo que não acontece desde 2014, precisa que esses mesmos jogadores demonstrem seus pontos altos quando realmente importa. E com o aumento da competitividade na conferência leste, com novos times apontando como candidatos para vaga nos playoffs, como Washington, Atlanta e Brooklyn (praticamente garantido na pós-temporada), a franquia de Indianápolis provavelmente verá a 7ª colocação na conferência como seu principal objetivo.