Conteúdo

Esquenta NBA 2020/21 – Análise sobre o Miami Heat

21 de dezembro de 2020

(por Jefferson Castanheira)
 

Provável time titular:

PG: Goran Dragic

SG: Duncan Robinson

SF: Jimmy Butler

PF: Meyers Leonard

C: Bam Adebayo

Reservas de destaque: Kendrick Nunn, Tyler Herro, Andre Iguodala, Kelly Olynyk, Avery Bradley

Técnico: Erik Spoelstra
 

Status: Candidato ao título
 

Projeção

A temporada 2019-20 da NBA sacramentou de vez o Miami Heat como um time forte e que pode sim estar entre as equipes mais promissoras da liga. Após a conquista do título da Conferência Leste e ter parado nos Los Angeles Lakers nas finais da última temporada, o Heat demonstrou um crescimento exponencial e um solo muito vivo e sóbrio para gerar grandes novas estrelas. O celeiro de South Beach, que conta com os talentos agora segundanistas, Tyler Herro e Kendrick Nunn, também vê uma “preciosa” chegada no elenco: A escolha de Precious Achiuwa no Draft 2020 somente reforça o setor defensivo da equipe – que já é bastante forte. Achiuwa é um prospecto pouquíssimo lapidado, que na mão do agora incontestável Erik Spoelstra, pode alcançar um patamar de destaque como “rookie”. 

Miami não perdeu muita coisa – apesar da saída de Jae Crowder – da temporada anterior pra cá, e na verdade fez bom negócio em trazer Avery Bradley para o plantel, deixando o time mais encorpado no backcourt e melhorando muito a rotação e a defesa de perímetro. Já na linha de frente, o Heat deve continuar focando em Bam Adebayo, Kelly Olynyk e aumentar a minutagem de outro jovem talento, KZ Okpala, que é ala-pivô e vem demonstrando crescimento na pré-temporada. 

O principal trabalho que Erik Spoelstra terá é de sustentar o time da mesma maneira, sem perder sinergia e eficiência. Muitos analistas e especialistas colocam o sucesso do Miami Heat na bolha justamente por estarem em uma situação sem torcida, sem viagens e dentro de um cenário que poderia favorecer as equipes que tem melhor psicológico. Mas há de se enxergar esse quesito como influente não só para Miami, mas sim para todas as outras equipes que não conseguiram esse mesmo sucesso na bolha de Orlando.

O Heat, sem dúvidas, tem time pra ficar na parte de cima da tabela na temporada regular, dividindo a liderança e tendo muito equilíbrio com seus concorrentes: Celtics, Nets, Sixers e Raptors. 

O que podemos esperar, além desta presença na parte de cima da tabela, é também uma rotação mais rica de Miami, já que na temporada anterior, terminou com 8 jogadores com 10+ pontos de média, melhor coeficiente de consistência defensiva da bolha e ainda conta com a superestrela Jimmy Butler, cada vez mais caindo nas graças da torcida e de toda a administração. Dragic ficou, a experiência e a liderança existem, e, apesar de Giannis não vir na temporada que vem via Free Agency, Miami terá bastante espaço no cap para pensar num, ainda melhor, Heat, para 2021-22. 

O processo continua!