Conteúdo

Em um teste para cardíacos, Titans vencem Texans em um dos melhores jogos da temporada

18 de outubro de 2020

(por Raquel Amaral)

Hoje foi dia de rivalidade em campo. Houston Texans e Tennessee Titans se encontram em Nashville, no duelo da AFC Sul.

As equipes encontram-se em realidades completamente distintas. Os Titans invictos (4-0) até o momento e vindo de uma partida de gala contra os Bills.

Já os Texans vinham com 1-4 somente, vencendo uma partida contra os Jaguars. A péssima temporada de 2020 levou à demissão de Bill O’Brien dos cargos de treinador e GM no começo de outubro.

Porém, mesmo em fases tão distintas, não seria um jogo fácil para os Titans, pois os Texans tem um grande elenco, Deshaun Jackson, J.J Watt, Brandin Cooks, por isso, não podem ser subestimados.

Em duelo de divisão, nunca há um favorito!

 

1º Período

Honestamente, a primeira campanha de cada um dos dois times foi um total desperdício de tempo. Já em seu segundo drive, os Titans resolveram entrar para o jogo, avançando de forma tranquila ao logo de 9 jogadas. No final, Tannehill passou curto para Firkser, que marcou o toucchdown. Entra Gostkowski e acerta.
Placar 0-7

Já Houston seguiu sem a mesma sorte, tendo suas tentativas de ataque barradas pela defesa de Tennessee, que retomou a posse e, já na primeira descida teve uma corrida de 34 jardas de Derrick Henry. As jogadas seguintes não foram tão tranquilas, mas seguiram avançando. JJ Watt conseguiu até segurar Henry, mas, ainda assim, em 8 jogadas chegou ao TD com um lançamento para 6 jardas de Tannehill para AJ Brown. Gostkowski chuta e acerta o extra point.
Placar 0-14

Com um ataque apático dos Texans, o primeiro quarto parecia confirmar favoritismo dos Titans.
 

2º Período

Os Texans começaram o 2º período no ataque. Foi um longo drive que começou no fim do período anterior. Mesmo com dificuldade, os Texans avançaram até chegar à linha de uma jarda. Com isso, o touchdown saiu em uma terceira para gol, em um passe curto de Deshawn Watson para Fells. Fairbairn acerta o extrapoint, reduzindo a desvantagem de Houston.
Placar 7-14

O ataque seguinte dos Titans trouxe uma variedade de jogadas. Teve Derrick Henry correndo, mas, além disso, o time progrediu também com jogadas aéreas e, ao final, com um lançamento em profundidade de 22 jardas de Tannehill para Humphries e sai o touchdown. Chute certeiro de Gostkowski e os Titans voltam a ter duas posses de vantagem.
Placar 10-21

Embora Tennessee ainda estivesse na frente, o cenário ao final do 2º período era bem diferente do 1º. Os Texans começaram a se mostrar combativos, com o espírito de virar o jogo. Mais uma vez, partiram para o ataque, conseguindo descidas de forma bem produtiva. Outro ponto observado, foi a boa administração de tempo. Com o 2 minute warning logo na 4ª jogada, Houston pediu dois timeouts, buscando encerrar o período com o placar empatado. Mesmo não chegando à endzone, a equipe conseguiu pontuar, pois estando na linha de field goal, a 3 segundos do fim, Deshawn Watson fez o spike para parar o relógio, permitindo que Faribain entrasse para marcar 3 pontos.
Placar 10-21

 

3º Período

Já sabemos que Houston sempre é perigoso e jogos entre times da AFC South costumam ser marcados por viradas, por isso, o fato dos Titans terem terminado a 1ª etapa na frente, não significa nada. Assim, a ordem para a equipe da casa era atacar.

Porém, a primeira campanha dos Titans não foi muito promissora. O time ainda conseguiu chegar à linha de field goal, mas Gotskowski teve seu chute bloqueado. Ele, que vinha de uma grande sequência de acertos, voltou a perder pontos.

Com a posse novamente, Houston soube ser eficiente, progredindo rápido até a endzone. E, mesmo com a resistência da defesa dos Titans na linha de touchdown, o time conseguiu pontuar com Da Johnson para uma jarda. Fairbairn acertou o extra point e, com isso, “temos um djoko”! Para que se tenha uma ideia da agilidade dos Texans, a campanha teve apenas cinco jogadas e durou 2:32
Placar 17-21

A esta altura, já era outro jogo. Houston cresceu em moral, tanto no ataque, quanto na defesa, passando a ameaçar os Titans.

A maré seguiu ruim para Tennessee de um jeito que sua primeira campanha de ataque morreu em um sack de J.J. Watt em Tannehill, resultando em fumble na linha de 4 jardas.

Com esse turnover tão próximo à linha, a bola voltou para Houston, que finalizou a campanha em três jogadas que levaram 1:22 minutos. Quem piscou não viu Deshaun Watson lançar para Cobb. A jogada foi revista diversas vezes para confirmar se Cobb estava efetivamente tinha a posse de bola e os pés na área. Após revisão, a marcação de campo foi mantida e o TD anotado. Fairbairn chutou, mas errou. Ainda assim, Houston vira o jogo.
Placar 23-21

Tendo pedido a liderança no placar, não havia escolha aos Titans, senão pontuar. Mas, de cara, a equipe já perdendo jardas por conta de falta. As jogadas seguintes até pareciam animadoras e o período terminou com Tennessee rumo à endzone.
 

4º Período

A campanha iniciada no período anterior foi retomada, mas não foi longe, chegando somente à linha de field goal. Três pontos seriam o suficiente para Tennessee voltar à frente do placar, mas com a maré de azar, Gostkowski errou o extra point. Basicamente, desde o terceiro período, tudo conspirou contra os donos da casa.

Claramente, nesse momento, o jogo era todo dos Texans, porém, a primeira campanha ofensiva não teve sucesso, permitindo que os Titans voltassem mais uma vez ao ataque. E foi então que tivemos a jogada mais genial a partida, Derrick Henry corre para 94 jardas e marca touchdown. É o “Tractoricto” em sua plenitude! Com a vantagem apertada no placar e Gotskowski, o time opta pela conversão de 2 pontos, com sucesso.
Placar 23-29

Mas, a alegria de Tennessee não durou tanto assim. Bastaram 46 segundos para Houston retomar a liderança. Deshaun Watson “ridículo”, lançou 53 jardas para Fuller, que marcou touchdown. Fairbairn chuta e acerta o extra point. Nova virada.
Placar 30-29

Buscando retomar o placar, Ryan Tannehill quis lançar longo, mas fez para o lado errado, foi interceptado e deu um presentão para o adversário.

Assim, 7 minutos para o final do jogo e, perdendo por um ponto, os Titans devolveram a posse para Texans. Aí, pode-se dizer, que não é só uma questão de maré de azar, mas os Titans foram desestabilizados pela virada dos Texans, passando a cometer falhas grotescas. Erros bobos acontecem em qualquer partida, mas nem sempre afetam o resultado final. Porém, o nível de erro do Tennessee no 3º e 4º períodos, mais do que infantil, é do tipo que afunda uma partida.

Para Houston, seria só uma questão de gastar tempo no ataque, o que foi bem feito.

Para desespero de Tennessee, os Texans a menos de 2 minutos para o fim, marcam TD. Mais uma vez temos o fator “pouco tempo + placar apertado”, com isso, Houston ousou, pois ao invés de chutar para extra point, tentou a conversão para dois pontos. Essa é aquela decisão que pode dar muito certo ou muito errado. Em caso de acerto, Houston abriria 9 pontos de vantagem, selando a partida. Contudo, não deu certo, Watson tentou passar para Cobb, sem sucesso. Com isso, a vantagem ficou em menos uma posse.  
Placar 36-29

Faltava 1:50 para fim. Era tudo o nada! Os Titans perceberam isso e acordaram para a vida, descendo forte para o ataque em busca de um milagre... e ele veio! Faltando quatro segundos para o fim, Tannehill lançou para A.J. Brown na área e marcou o TD, deixando os Titans a 1 ponto de diferença.

A tensão agora seria: os Titans chutariam para empatar ou tentariam virar para 2. Gotskowski chuta e leva o jogo para a prorrogação.

Vamos repetir para que não restem dúvidas: Os Titans, que vinham abatidos desde a metade do jogo, conseguiram empatar a 4 segundos do fim! É para matar do coração o torcedor dos dois times.
Placar 36-36

 

Prorrogação

Com a sorte de volta ao seu lado, Tennessee levou a melhor, iniciando a prorrogação no ataque. Mais uma vez Derrick Henry deu show, correndo para 53 jardas. Na jogada seguinte, McNichols corre deixa os Titans na linha de 10 jardas. Ai, bastou um snap direto para Derrick Henry para matar o jogo.
Placar 36-42

Final: Houston Texans 36-42 Tennessee Titans (OT)

Senhoras e senhores, que jogo! Tranquilamente foi um dos melhores da temporada até agora. Os Titans começaram bem a partida. Mas, do outro lado, havia Deshaun Watson. O QB de Houston conduziu o seu time para duas viradas, chegando a 335 jardas, 4 touchdowns e nenhuma interceptação. Foram 28/37 passes completos, que lhe garantiam um QBR de 93.2. Watson foi simplesmente grandioso.

A defesa dos Texans também teve grande atuação, conseguindo anular o ataque adversário por um bom tempo durante o jogo, forçando dois turnovers.

Os Titans claramente se perderam no jogo a partir do final do 2º período até o início do 4º. A defesa não soube conter Deshaun Watson e o ataque foi neutralizado, não só pelo oponente, mas também pelos próprios erros. Houve momentos em que absolutamente tudo deu errado para Tennessee.

Gotskowski, que tinha voltado à grande forma, errou dois chutes. Ryan Tannehill teve uma performance inconsistente. Soube conectar bons lançamentos para Firkser, Humphries e A.J. Brown, mas por outro lado sofreu um fumble e uma interceptação miseráveis, duas jogadas que ajudaram muito os Texans a pontuar.

Em Tennessee, o grande nome foi Derrick Henry. Ele é o rei de Nashville! Ele efetivamente resolveu a partida, correndo de forma absurda para conduzir seu time à vitória. Na partida de hoje foram, simplesmente, 212 jardas! Faltam palavras para descrever o quanto Henry é gigante.

Mas, para além do talento de Deshaun Watson e Derrick Henry, a partida foi decidida também no fator sorte. Ela, que parecia ter abandonado os Titans na segunda metade do jogo, voltou a sorrir no início da prorrogação.

Com a vitória de hoje, os Titans seguem invictos (5-0) e embalados para pegar os Steelers. O Houston Texans mostrou uma capacidade de reação gigante, perdendo o jogo nos detalhes, mostrando que os tempos de Bill O’Brien já ficaram no passado.
Morremos? Sim, mas passamos bem!