Conteúdo

Em um dos atropelos mais vergonhosos da história dos playoffs, Dallas não toma conhecimento de Phoenix e vence jogo 7 com show de Dončić

15 de maio de 2022

(por Matheus Correia)

Mais de 17 mil pessoas compareceram à Talking Stick Resort Arena na noite deste domingo (15). O torcedor do Phoenix Suns saiu de casa esperançoso de que sua equipe poderia conseguir a vitória contra os Mavericks e avançar para as finais de conferência. Aliás, a franquia de Arizona teve uma das melhores defesas e um dos melhores ataques da liga, e liderou tanto a conferência oeste como a tabela geral da NBA na temporada regular.

Claro, a equipe também poderia perder e dar adeus aos playoffs. Acontece. Só um vence. O mínimo que o torcedor dos Suns esperaria nessa situação era que os jogadores em quadra lutassem até o fim.

Mas o que aconteceu no dia 15 de maio de 2022 na rua Jefferson, número 201, região central de Phoenix, foi um dos atropelos mais vergonhosos que o estado do Arizona já viu. Se Pedro Ernesto Denardin tivesse narrado este jogo, ele certamente diria: “O Dallas Mavericks rasga a camisa do Phoenix Suns e pisa em cima dela”.

Não teve um minuto sequer de equilíbrio na partida. Ou melhor, um segundo. O Dallas Mavericks dominou completamente o Phoenix Suns nos 48 minutos do confronto. Na primeira metade do quarto inicial, os Suns ficaram 1/11 nos arremessos, e mesmo com Dallas falhando com frequência no ataque, a vantagem foi se abrindo a favor dos visitantes. Ao fim do primeiro período, a diferença foi de 10 pontos no placar: 17 – 27.

No segundo quarto, nada mudou. Phoenix rodava mal a bola, desperdiçava arremessos, forçava jogadas absolutamente sem sentido algum e cometia inúmeros turnovers. Os Mavs também tiveram um péssimo início de período, e mesmo assim, continuavam a aumentar a vantagem no placar.

Com um recital de Dončić e uma boa performance de Dinwiddie saindo do banco, o time visitante melhorou bastante ao decorrer do quarto e terminaram o primeiro tempo com 57 pontos anotados. Até aí, tudo normal.

Mas, acredite se quiser, a franquia profissional de basquete Phoenix Suns anotou 27 pontos durante todo o primeiro tempo. Detalhe, 27 pontos foi exatamente a pontuação de Dončić na ida para o intervalo. As duas referências do time, Booker e Chris Paul, não anotaram UMA cesta sequer em dois quartos (0/11 combinados).

O torcedor que foi para a arena esperançoso, ansioso por ver sua equipe jogar, já planejando a final de conferência contra os Warriors, entrou em estado total de choque. As vaias ao fim do primeiro tempo foram pesadas. Você já viu uma torcida vaiar sua equipe no intervalo de um jogo 7?

Trinta pontos de diferença no placar no início do terceiro período. Uma virada não era impossível, aliás, temos diversos casos na NBA com diferenças ainda maiores. Mas moralmente e psicologicamente, o Phoenix Suns estava completamente destruído. Os Mavericks voltaram do intervalo com o jogo ganho.

Impecáveis nos arremessos de três e com uma boa performance da segunda unidade, Dallas ampliou ainda mais o placar. Jalen Brunson começou a aparecer mais e virou uma excelente alternativa para o ataque dos visitantes, dando um baile nos defensores dos Suns.

O último período foi um garbage time total. Liderando os reservas dos reservas, Brunson continuou doutrinando a defesa adversária e Dallas chegou a aplicar uma vantagem de 46 pontos no placar. É seguro dizer que qualquer um dos outros 28 times da liga dariam mais trabalho para os Mavericks nesta noite.

Resultado: Phoenix Suns 90 – 123 Dallas Mavericks

Talvez nem os próprios jogadores de Dallas acreditam na facilidade que tiveram em quadra. A equipe chega para as finais de conferência cansada e sem favoritismo, mas com a moral nas nuvens. Luka, Brunson e Dinwiddie podem fazer a diferença, mas o restante da equipe não tem nível para se equiparar com os Warriors.

E bom, do outro lado, duas palavras definem o que aconteceu: vergonha e decepção. Monty Williams foi completamente humilhado por Jason Kidd. Devin Booker e Chris Paul tiveram atuações de jogadores bancários da G-League. É difícil imaginar Phoenix se recuperar dessa derrota nas próximas temporadas.

Destaques de Dallas: Luka Dončić, sem grandes surpresas, foi excelente. 35 pontos, 10 rebotes, 4 assistências, aproveitamento de 63% nos arremessos de quadra (12/19). Jalen Brunson contribuiu 24 pontos e 6 rebotes, enquanto Spencer Dinwiddie foi ótimo saindo do banco com 30 pontos.

Destaques de Phoenix: Ninguém.