Conteúdo

Djokovic critica decisão de Wimbledon de banir atletas russos e bielorrussos do torneio

21 de abril de 2022

(por Mattheus Prudente)

Atual número um do mundo no ranking da ATP, Novak Djokovic apareceu novamente na mídia. Dessa vez, o tenista sérvio expôs a sua opinião sobre a decisão de Wimbledon de banir atletas russos e bielorrussos do torneio, chamando de “loucura”. 

“Eu sempre condenarei a guerra. Eu nunca vou apoiar a guerra, já que eu fui uma criança em tempos de guerra. Eu sei que causa muito trauma emocional. Na Sérvia todos sabemos o que aconteceu em 1999. Nós tivemos muitas guerras nos balcãs na história recente. No entanto, eu não posso apoiar essa decisão de Wimbledon. Quando a política interfere no esporte, o resultado não é bom.” Disse Djokovic. 

Wimbledon decidiu, nesta semana, que nenhum atleta dos dois países pode participar do torneio em 2022, ameaçando a participação de alguns jogadores importantes, como o número dois do mundo Daniil Medvedev e o número oito Andrey Rublev. Além deles, no feminino, Aryna Sabalenka, Victoria Azarenka e Anastasia Pavlyuchenkova também estão banidas. 

Djokovic esteve na mídia durante todo o ano, desde que sua decisão de não se vacinar contra a Covid-19 fez com que o sérvio perdesse a grande maioria dos torneios do começo do ano, incluindo o Australian Open, onde teve um imbróglio com o governo australiano. Nos últimos tempos, no entanto, ele está sendo permitido de jogar em alguns eventos, e está disputando o aberto da Sérvia após ser eliminado precocemente em Monte Carlo. 

Os atletas russos foram muito criticados por não falar contra a guerra. Uma das mais vocais foi a ucraniana Elina Svitolina, número três do mundo, que afirmou que “às vezes, silêncio é uma forma de concordar com as ações.” Jogadores russos e bielorrussos não podem jogar sob a bandeira de seu país, e disputam torneios sob bandeira neutra..