Conteúdo

Com um a menos, PSG segura o Marseille no “Le Classique” em um empate sem gols

24 de outubro de 2021

(por Matheus Correia)

O Olympique de Marseille recebeu o PSG no Orange Velodrome para jogar o “Le Classique” de número 101, pela décima primeira rodada da Ligue One. Com uma atmosfera incrível no estádio, os mandantes falharam em conseguir a vitória mesmo com um jogador a mais em campo.

O início foi melhor para os mandantes, que começaram pressionando e não deram espaço para a equipe de Paris respirar. O centroavante Milik teve uma boa oportunidade de abrir o placar de cabeça, mas acabou mandando para fora.

O PSG foi entrando na partida aos poucos, procurando acionar seus atacantes de lado com bolas em profundidade nas costas dos laterais.

O brasileiro Luan Peres chegou a abrir o placar, mas em favor da equipe adversária. Di María acionou Neymar na área com um excelente toque por cima, e o camisa 10 do PSG finalizou para o meio da área, com Peres completando para o gol ao tentar desviar a bola. Entretanto, Neymar estava em posição irregular, e o tento foi anulado.

A equipe de Pocchettino trabalhava bem a saída de bola, e sempre buscava atacar de maneira lateral ao chegar no último terço ofensivo do campo.

O Marseille começou a perder espaço, demonstrando dificuldade na ligação entre defesa e ataque. A equipe até chegou a marcar com Milik, após cruzamento de Pol Lirola. O polonês dominou dentro da área e finalizou para o fundo do gol de Navas. Entretanto, Lirola estava impedido na origem da jogada.

Na marca dos 30 minutos, o árbitro da partida, Benoît Bastien teve que paralisar a partida por conta da grande quantidade de objetos arremessados dentro de campo, principalmente no momento em que Neymar foi cobrar um escanteio. Guendouzi e Payet pediram a seus torcedores que parassem com o ato, e uma mensagem reprimindo a ação foi exibida no telão do estádio.

O jogo voltou a normalidade, e o PSG parece não ter se intimidado com a chuva de copos no gramado. A equipe dominava as ações ofensivas, mas pecava no último passe. Nos momentos finais da primeira etapa, o Marseille voltou a levar perigo ao gol de Keylor Navas, mas os 45 minutos iniciais do confronto se encerraram sem um gol no placar.

O início da segunda etapa foi fraco e sem grandes jogadas. Aos 11 minutos, Ünder recebeu na frente após ótimo lançamento da intermediária e partiu em direção ao gol. O turco sofreu uma carga de Hakimi e acabou caindo; na jogada, o juiz mandou seguir, mas após revisão no VAR, a expulsão do lateral do PSG foi decretada, já que era o último homem da defesa. A falta foi marcada no limite da área, mas Payet acabou desperdiçando.

Com um a menos, Pochettino sacou Di Maria de campo para a entrada do defensor Kehrer. O Marseille passou a dominar as ações da partida, e em certo momento, foi possível ver até mesmo Messi no campo de defesa ajudando na recomposição.

Mesmo com o domínio, os mandantes falharam em levar grande perigo ao gol de Navas. Com exceção de uma boa cabeceada de Valentin Rogier, que chegou a triscar a trave esquerda do gol, a equipe de Sampaoli não conseguiu criar jogadas concretas que resultassem em um chute a gol.

O americano De la Fuente, que entrou no lugar de Rongier, perdeu uma chance de maneira bizarra após excelente cruzamento de Lirola. O ponta ficou livre na pequena área, mas não conseguiu o domínio e se enrolou com a bola, mandando-a para tiro de meta.

Aos 40 minutos, Neymar saiu para dar lugar a Wijnaldum, e sua reação ao perceber que iria ser substituído deixou nítida sua insatisfação com a troca de Pochettino. Não à toa, o brasileiro sequer cumprimentou o treinador argentino na beira do gramado.

O Marseille pressionou até onde pode, mas parou na defesa adversária. Depois de 15 anos, um “Le Classique” acabou com um placar sem gols.

Resultado: Olympique de Marseille 0 – 0 Paris Saint-Germain

Faltou repertório para equipe de Sampaoli conseguir a vitória. Assim como todo clássico, o jogo foi truncado, mas o cenário favorecia e muito os mandantes, que além de contar com um jogador a mais em campo, presenciaram um dia sem inspiração do “quarteto fantástico” do PSG.

Mas por um lado, a dificuldade do Marseille em não conseguir chegar à baliza tem um nome: Marquinhos. A atuação do zagueiro brasileiro foi impecável em todos os sentidos. E de certa maneira, foi a única de destaque de todo o elenco parisiense. Messi, Mbappé e Neymar não estiveram em uma tarde iluminada, e após a expulsão de Hakimi, mal participaram da partida.

O PSG, ainda líder, recebe o Lille no Parc des Princes na próxima sexta-feira (29). Já o Marseille irá enfrentar o Nice na quarta-feira (27).