Conteúdo

Com Helio Castroneves confirmado para a temporada 2022 da Indy, relembre a trajetória do brasileiro na categoria

23 de julho de 2021

(por Jefferson Castanheira)
 

Helio Castroneves confirmou ontem que irá disputar toda a temporada 2022 da Fórmula Indy – que ainda não revelou o calendário do ano que vem, pela equipe em que foi campeão das 500 Milhas de Indianapolis deste ano, a Meyer Shank. Os motores Honda que levaram o brasileiro para o tetra da Indy 500 já estão mais do que confirmados para o fornecimento no ano que vem para a equipe já campeã de Endurance na IMSA. 

O Spider-Man, como é conhecido por seu apelido ao subir no alambrado quando vence as corridas, completará 47 anos em 2022, e será um dos pilotos mais velhos a correr uma temporada toda em uma categoria de monopostos do Tier 1 do automobilismo mundial, mas ainda está atrás de Emerson Fittipaldi nesse quesito, já que o lendário bicampeão da Fórmula 1 e também da Indy 500, venceu uma corrida na IndyCar com 48 anos, 4 meses e 11 dias, no GP de Nazareth, em 1995, pela CART, ficando atrás apenas de Mario Andretti, que venceu o GP de Phoenix em 1993 com 53 anos, 1 mês e 7 dias.

O tempo não está contra Helio Castroneves, que vive uma vida regrada e extremamente atlética, disposta a superar os jovens primorosos pilotos que a Fórmula Indy vem colecionando nos últimos anos. Se Helinho hoje é uma lenda consagrada do automobilismo mundial e da categoria, e vence jovens como Alex Palou, com quem disputou volta a volta a vitória nas 500 Milhas de Indianapolis desse ano, o brasileiro já foi um jovem talento promissor da Indy. 

A chegada de Helio Castroneves na categoria foi em 1998, na CART, pela equipe Bettenhausen Motorsports, no mesmo ano que seu compatriota Tony Kanaan. Na primeira temporada, Helinho já conseguiu um segundo lugar em Milwaukee Mile e um 7º lugar em Gateway – ambos ovais. Em 1999, foi para a Hogan Racing, onde teve desempenho modesto mediante o carro também nada muito avançado para a categoria, mas conseguiu um 2º lugar em Gateway. Sua postura agressiva na pista e um arrojo característico catapultaram o brasileiro para a visão de Roger Penske, que no final de 1999 viu seu recém contratado Greg Moore acabar falecendo na última prova do ano, em um acidente chocante nas 500 Milhas de Fontana, no extinto SuperSpeedway de 2.5 milhas. Roger Penske contratou Helio Castroneves para integrar o time que agora era todo brasileiro, com Gil de Ferran como companheiro de equipe. No ano de estreia na Penske, venceu as corridas de Detroit, Mid-Ohio e Laguna Seca, enquanto viu o companheiro de equipe, Gil de Ferran, conquistar o título da categoria.

Com a mudança iminente da Penske para a IRL em 2002, a equipe fez sua temporada de despedida da CART em 2001 com o bi de Gil de Ferran, e com Helio Castroneves vencendo em Long Beach, Detroit pelo segundo ano seguido e Mid-Ohio também. Além das três vitórias na CART, a Penske colocou seus dois pilotos para correrem as 500 Milhas de Indianapolis naquele ano, e com Helio debutando na lendária prova, venceu a 85ª edição da Indy 500 sendo Rookie, liderando 52 das 200 voltas, seguido de Gil de Ferran em uma dobradinha brasileira. 

Em 2002, já na IRL, Helinho teve seu primeiro vice-campeonato da categoria, batendo na trave após duelos espetaculares com Sam Hornish Jr, que foi campeão por 20 pontos na última corrida no Texas. Helinho venceu pela segunda vez seguida a Indy 500, em sua segunda participação na corrida lendária. Foram 20 anos na Penske, somando em totais na carreira após a vitória deste ano na Indy 500 e seu acerto com a Meyer Shank, 327 corridas em 19 temporadas completas, 54 poles com 11 Grand-Chelem, 32 vitórias, 103 pódios e 6403 voltas lideradas, com 4 vice-campeonatos. 

Helio Castroneves disputará no final de semana do próximo dia 8 o GP de Music City, em Nashville.