Conteúdo

Com dois gols de brasileiro, Liverpool ‘sobrevive’ a pressão final do Benfica e se classifica em casa

13 de abril de 2022

(por Layo Lucena)

No Anfield, Inglaterra, o Liverpool recebeu o Benfica na segunda partida das quartas de final da Champions League. No primeiro confronto, em Portugal, os ‘Reds’ venceram por dois gols de diferença.

Com a vantagem no placar, o Liverpool entrou com várias mudanças. Salah, Mané, Van Dijk e Elliot ficaram no banco. Porém, no primeiro tempo, quando os “reservas” ainda jogavam, os donos da casa foram melhores. Com destaque para Firmino e Luis Díaz.

Sem ter nada haver com isso, em busca do placar, o Benfica se lançou cedo no ataque, mas viu Konaté marcar da mesma forma que no primeiro jogo. O gol diminuiu um pouco a força da equipe portuguesa, no entanto o empate de Gonçalo Ramos recolocou o time de volta, até o segundo tempo.

Firmino marcou duas vezes em menos de 10 minutos na segunda etapa. Com a repetição do mesmo placar do jogo de ida, o Liverpool colocou alguns jogadores em campo. Salah e Mané entraram em ação, mas por incrível que pareça, quem se ergueu foi o Benfica. Yaremchuk e Darwin Núñez puseram fogo nos minutos finais da partida. Coube a Alisson evitar uma virada com grandes defesas.

O Benfica caiu “atirando”, mostrando a sua força ofensiva, principalmente com Darwin Núñez. O empate prevaleceu no final, mas os português deixaram a Inglaterra com sentimento de missão cumprida, mesmo sem a conquista da classificação.

Já o Liverpool continua na competição, e a equipe inglesa vai enfrentar o Villarreal na próxima fase. A equipe dos Beatles vai enfrentar o “Submarino Amarelo”.

Konaté neles, de novo

A primeira grande chance da partida foi do Benfica. Aos 12’, em um contra-ataque, ‘Cebolinha’, ex-Grêmio, experimentou de fora da área; a bola passou muito próximo do gol de Alisson.

Porém, foi o Liverpool quem abriu o placar. Aos 20’, em uma cobrança de escanteio, Konaté subiu mais que a defesa do Benfica e cabeceou para o gol, sem chances para Vlachodimos. Lance muito, muito parecido com o gol do zagueiro na primeira partida.

O Benfica chegou a balançar as redes aos 22’, mas Darwin Núñez, que encobriu Alisson, estava impedido. Logo na sequência, aos 25’, Luis Díaz driblou o zagueiro e finalizou com força; Vlachodimos fez grande defesa.

Após bate-rebate, aos 31’, Gonçalo Ramos saiu na cara de Alisson, e o camisa 88 finalizou com perfeição. Tudo empatado. O gol foi confirmado pelo VAR - a posição do meio-campista era duvidosa.

Aos 37’, após lançamento, Vlachodimos saiu mal do gol e Firmino dominou próximo da grande área; enquanto o goleiro voltava para a meta, o brasileiro avançou e tocou para o meio. Antes que a bola chegasse em Luis Díaz, Grimaldo, de carrinho, evitou o que seria o segundo do Liverpool.

Benfica ‘aperta’, mas Firmino guarda duas vezes

Logo no início do segundo tempo, aos 55’, Vlachodimos soltou a bola e Vertonghen cortou mal; no rebote, Diego Jota chutou cruzado e Firmino, sozinho, só empurrou para o gol.

Não demorou muito para o Liverpool marcar o terceiro. Após cobrança de falta, Firmino, sozinho novamente, finalizou, de primeira, no canto de Vlachodimos, que não pode fazer nada. O Benfica descontou com Yaremchuk, aos 80’. O atacante driblou Alisson e finalizou para o gol vazio. O VAR foi acionado e o gol foi confirmado.

Aos 81’, Darwin Núñez balançou as redes novamente, mas o árbitro marcou impedimento. Porém, no VAR, o gol foi confirmado. O atacante uruguaio se tornou o maior artilheiro na história do Benfica em uma única edição da Champions League.

No lance seguinte, Darwin Núñez acertou uma linda finalização de primeira, mas Alisson fez um verdadeiro “milagre” e evitou o quarto gol do Benfica.  Nos acréscimos, Darwin Núñez marcou mais um, mas foi marcado o impedimento novamente. O camisa nove fez três gols nesta tarde, sendo dois deles bem anulados.

Fim de jogo; Liverpool 3 x 3 Benfica (6 x 4)