Conteúdo

Chefe de equipe da McLaren afirma que parcerias entre equipes na F1 devem ser revisadas

15 de março de 2022

(por Mattheus Prudente)

É claro ver, nos últimos tempos, que a Fórmula 1 está se tornando um esporte cada vez mais monopolizado pelas grandes equipes, e isso fica claro com algumas parcerias feitas entre equipes que disputam títulos com aquelas de meio para final de grid.  

Para o chefe de equipe da McLaren, Andreas Seidl, a tecnologia compartilhada entre equipes que são parceiras é um problema para a F1, e ele pede para que isso sejs revisado pela FIA para as próximas temporadas, usando como exemplo o relacionamento entre a Haas e a Ferrari. 

“Dentro da nossa equipe, estamos muito ocupados com nós mesmos, então eu não posso dizer como estão os carros da Haas e da Ferrari, mas não é segredo que esses relacionamentos existentes e como eles estão dentro do regulamento é uma preocupação para nós.  

É por isso que nós temos a opinião que, no futuro, a F1 deveria relembrar que a F1 é um campeonato de dez ou mais construtores de verdade e, para isso, a única coisa que deveria ser permitida de compartilhar são as unidades de potência e as caixas de câmbio. Além disso, cada equipe deveria fazer a sua.” Disse Seidl. 

Seidl também afirmou que está conversando com outras equipes que também têm a mesma preocupação para levar essa questão para a FIA. Outro chefe de equipe que foi bem vocal sobre o assunto foi Otmat Szafnauer, da Alpine, que afirmou que também podem existir troca de informações de forma extraoficial. 

Vale lembrar, no entanto, que Szafnauer foi muito criticado em 2020 por toda a questão da Racing Pont, que foi apelidada de “Mercedes Rosa” dentro do paddock. Nesse caso, no entanto, o executivo garantiu que não existe nenhuma troca de informação ilegal. 

Além da Haas e da Ferrari, citadas por Seidl, um dos casos mais famosos também é o da Mercedes com a Williams, onde George Russell foi amplamente assediado pela equipe alemã durante o seu tempo na Williams, até sendo “emprestado” por uma corrida para a Mercedes quando Lewis Hamilton testou positivo para Covid-19. 

Das três principais equipes dessa temporada, a Ferrari e a Mercedes têm pilotos cedidos por equipes parceiras em Russell e Charles Leclerc. A Haas tem Mick Schumacher como um piloto da academia da Ferrari, e já cedeu o seu carro para que Robert Schwartzman, outro piloto Ferrari, fizesse os testes de fim de temporada.