Conteúdo

Castroneves enfrenta fim de semana de muito trabalho em sua volta à Indy

4 de outubro de 2020

(por Geferson Kern / colaborador Brasil do IndyCarLatinos.com)
 

Hélio Castroneves voltou à Fórmula Indy. Desde 2018, o paulista de 45 anos, transferido pela Penske para seu programa com os protótipos Acura na IMSA, disputava somente as provas do Mês de Maio na categoria, em busca, sobretudo, do tetracampeonato nas 500 Milhas de Indianápolis. O retorno foi justamente na Capital Mundial do Automobilismo, em seu circuito misto e pela equipe McLaren, em rodada dupla sediada neste fim de semana. E exigiu muito trabalho do experiente piloto brasileiro.
 

Na prova 1, na sexta-feira (2), Castroneves largou e terminou em 20º. Na segunda corrida, neste sábado (3), partiu em 19º e recebeu a quadriculada duas posições atrás. “O resultado não mostra quanto cada um na equipe trabalhou neste fim de semana para se certificar que eu estivesse confortável”, disse Helinho, que parou na sétima volta em busca de uma estratégia diferente, com três pit stops, que chegou a fazê-lo andar no Top10, mas não funcionou. “Tentamos uma estratégia diferente e mesmo se não era a estratégia certa, foi correta para mim, pois pude acelerar e entender melhor o carro com pneus vermelhos”, afirmou, em referência aos compostos mais macios.
 

Em sua primeira prova na Indy fora da Penske desde as 500 Milhas de Fontana de 1999 da CART, quando corria com o Lola-Mercedes #9 da extinta Hogan Racing, Castroneves agradeceu aos dirigentes da equipe pela convocação para substituir o titular do carro de motor Chevrolet #7, Oliver Askew, vetado da prova por razões médicas. “Gostaria que tivéssemos outra classificação e corrida amanhã. Quero agradecer Sam [Schmidt], Ric [Petersen], Zak [Brown] e a McLaren pelo trabalho incrível. Grande experiência”, destacou.
 

Com o fim do programa da Penske na IMSA em 2021, Castroneves já foi liberado pela equipe para negociar seu futuro. O paulista não esconde que adoraria voltar à Indy em tempo integral na próxima temporada. A McLaren, equipe que chegou a conversar com ele para competir em um de seus carros na categoria neste ano, é uma das possibilidades para o retorno do spider-man ao tipo de cockpit que o consagrou.