Conteúdo

Após 12 horas, delegação do Boca Juniors é liberada para retornar à Argentina

21 de julho de 2021

(por Layo Lucena)

O Boca Juniors foi liberado pela Polícia Civil de Minas Gerais para voltar à Argentina nesta quarta-feira (21). Segundo o portal mineiro ‘Superesportes’, a delegação passou cerca de 12 horas prestando depoimentos para esclarecer a confusão após a partida contra o Atlético-MG, que marcou a eliminação dos argentinos da Libertadores.

De acordo com a ‘ESPN’ Brasil, a Polícia recebeu duas ocorrências sobre a briga generalizada. Na primeira, dois integrantes do Boca foram autuados em flagrante por crime de dano qualificado. O clube pagou fiança de R$ 3 mil e a dupla responderá o processo em liberdade.

Já na segunda, outros quatro membros da delegação assinaram um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) pelos crimes de lesão corporal e desacato, assumindo o compromisso de comparecer em futura audiência no Juizado Especial Criminal. Os nomes não foram divulgados.

Após a liberação, o Boca Juniors foi direto para o Aeroporto Internacional de Confins para voltar a Buenos Aires. Por conta da duração dos depoimentos, o time perdeu o voo que estava marcado para às 23 horas de terça-feira (20).

Inicialmente, a Polícia havia convocado para depor oito integrantes do clube: Os jogadores Cascini, Rojo, Izquierdoz, Villa, Zambrano e Javi Garcia, o preparador de goleiros Gayoso e o assistente técnico Somoza. Porém, a delegação permaneceu completa na delegacia por determinação do técnico Miguel Ángel Russo.

Enquanto os argentinos estavam no local, a Polícia montou uma barreira para impedir a saída do ônibus do Boca até que os depoimentos fossem concluídos.