Conteúdo

Análise da AFC Sul: O que esperar de Titans, Colts, Texans e Jaguars 

4 de setembro de 2021

(por Raquel Amaral)
 

Nos últimos anos tivemos a AFC Sul como uma das mais disputadas divisões. Mas, esse não deve ser o caso de 2021, cujo 1º lugar, ao que tudo indica, já tem um dono. Mesmo assim, a divisão promete grandes emoções, contando com o quarterback de "1ª pick", um corredor imparável e um dos melhores recebedores da Liga numa nova casa.

Vejamos o que esperar para a temporada que está para começar.
 

Tennessee Titans

O Tennessee Titans vem de duas grandes temporadas que resultaram na classificação aos playoffs.

Nos dois anos, as grandes marcas do time foram a consolidação de Ryan Tannehill como QB titular e, claro, o fenômeno Derrick Henry. Junto a eles, o time conseguiu firmar em 2020 um ataque potente que teve ainda AJ Brown (que em 2019 e 2020 superou as mil jardas recebidas) no jogo aéreo.

Essa receita, por si só, já alavancaria o time rumo à liderança da AFC South em 2021. Mas, o GM Jon Robinson, quis ir além e trouxe, simplesmente, Julio Jones para complementar o ataque.

Mas um ataque como esses não é barato, o que levou à necessidade de não continuar alguns titulares importantes para liberar espaço no salary cap. Assim, deram adeus a Tennessee Corey Davis, Jonnu Smith, Kenny Vaccaro, Adam Humphries, além do CB Malcom Butler. Praticamente uma limpeza.

Se de um lado vemos um dos melhores times ofensivos da Liga, a defesa é uma fonte de preocupação.

Em 2020, a atuação defensiva, na maioria dos jogos, ficou muito aquém do esperado, estando entre as piores em diversos quesitos. Isso soou um sinal de alerta que fez a equipe mover-se na intertemporada.

O time trouxe o coordenador defensivo Shane Bowen, priorizou a defesa em seu draft, tendo como sua primeira escolha o CB Caleb Farley, e contratou na free agency Jackrabbit Jenkins, Denico Autry, e Bud Dupree.

Um sinal de que essas movimentações defensivas parecem estar no rumo certo foi a atuação do setor na pré-temporada.

Previsão para temporada: Uma equipe com um QB eficiente e confiável, um RB de elite e dois WRs “top tier” tem tudo para chegar aos playoffs como campeã da divisão. Ainda não conseguimos ver esse poderoso ataque em campo, por conta das restrições da COVID-19, mas não há dúvidas de que se trata de um dos melhores ataques da NFL em 2021, . Mas, para ir mais longe é absolutamente obrigatório ter uma defesa à altura, que não falhe como a de 2020.
 

Indianapolis Colts

Na temporada de 2019, os Colts viram a precoce e inesperada aposentadoria de seu franchise QB, Andrew Luck. Com isso, a posição foi assumida por Jacoby Brissett, que não conseguiu se firmar, sendo substituído em 2020 por Philip Rivers, que levou o time ao 2º lugar da AFC Sul e ao Wild Card, quando foram eliminados pelos Bills.

Porém, com a aposentadoria de Rivers, foi a vez de Carson Wentz, vindo dos Eagles para posição a titularidade. Mas o jogador que tem um histórico de lesões, iniciou sua passagem em Indianapolis sem muita sorte. Logo no início dos training camps fraturou o pé e teve que ser operado. Depois de retornar, o jogador foi afastado novamente ao entrar na lista de reserva da COVID-19.

O QB já foi retirado da lista e voltou a treinar, agora a torcida é para que ele se mantenha saudável ao longo da temporada.

Outro nome de peso da equipe (e que também andou frequentando o departamento médico e a lista da COVID-19) é Quenton Nelson. O Guard foi liberado para treinos para segurar a onda no setor ofensivo dos Colts, o qual também contará com Eric Fisher (que andou também lesionado).

Ainda no quesito ataque, os Colts perderam, de 2020 para 2021, um de seus pilares Anthony Castonzo que se aposentou após 10 temporadas. Sem dúvida, uma das ausências mais sentidas pelo time.

Na defesa, o time perdeu Denico Autry, que foi contratado pelo rival Tennessee Titans. Em seu lugar, deveremos ter Tyquan Lewis. Mas, a grande expectativa no setor gira em torno do rookie Kwity Paye.

Previsão para temporada: Apesar das dúvidas ainda sobre os titulares, sobretudo em razão de lesões, os Colts nunca são um time a se menosprezar. Ainda que não sejam os favoritos ao título da divisão, são grandes as chances de pós-temporada se conseguirem manter a consistência.
 

Houston Texans

Os Texans vêm enfrentando um enorme problema em sua principal posição. Deshaun Watson encontra-se em investigação após graves denúncias de abuso sexual feitas por 22 mulheres.

Watson teria pedido para ser trocado pelos Texans, chegaram a circular boatos de uma eventual ida para os Dolphins, mas nada se concretizou e o jogador, ao que tudo indica, seguirá afastado.

Além das polêmicas com Watson, o time ainda terá que superar a fraca temporada de 2020, marcada pelos efeitos desastrosos da gestão Bill O’Brien e um recorde negativo de 4-12.

Para a posição de QB, Houston terá como provável titular o veterano Tyrod Taylor. Com a perda de um recebedor importante como Will Fuller, contratado pelo Dolphins, o grande alvo das jogadas aéreas é Brandin Cooks, mas sem outros pares à altura de Fuller, a expectativa é que o time aposte no jogo terrestre, com Philip Lindsay, Mark Ingram e David Johnson.

No setor defensivo, o time ainda terá que superar a saída de J.J. Watt que pediu para ser trocado e agora está no Arizona. Com isso, é vital reajustar seu esquema, em especial contra o jogo terrestre e forçar turnovers, essas são algumas das missões do novo coordenador, Lovie Smith.

Previsão para temporada: Como nada é tão ruim que não possa piorar, os prognósticos para o Houston Texans não são nada animadores. Os gravíssimos problemas extra-campo com Deshaun Watson e as saídas de Will Fuller e J.J. Watt são fatores que só pioram um cenário que já era complicado. São grandes as chances de que a equipe termine a temporada na lanterna da AFC Sul.
 

Jacksonville Jaguars

Os Jaguars tiveram sua pior temporada em 2020, ganhando o primeiro jogo da temporada (contra o Indianapolis Colts) e perdendo todos os 15 restantes, encerrando um melancólico recorde de 1-15.

No comando do ataque, Garden Minshew não conseguiu se firmar, sendo substituído em algumas rodadas, além de enfrentar lesões. Além disso, a defesa, nem de longe lembra a “Sacksonville” de outras épocas.

Graças a essa trágica performance, que lhes concedeu o direito a primeira escolha do Draft deste ano, a equipe pôde trazer a sensação do college, Trevor Lawrence, “o Sunshine”, além de desaposentar o renomado treinador Urban Meyer, que teve uma carreira de destaque no futebol americano universitário com Florida e Ohio State. O time também buscou reforçar a defesa adquirindo o coordenador Joe Cullen, ex-Baltimore Ravens.

A frustação, por outro lado, fica com a lesão no pé que tirou o calouro RB Travis Etienne da temporada, já que a expectativa era de que o jogador poderia continuar a parceria de sucesso que teve com Lawrence em seus anos em Clemson, porém, isso fica para 2022.

Previsão para temporada: Com a vinda de um novo técnico e um esperado franchise QB, além de outras modificações, é de se esperar, sem dúvida, uma temporada melhor do que a anterior. Contudo, com o time ainda tem problemas a resolver para o futuro, como sua linha ofensiva, pelo que já se pode perceber pelos jogos da pré-temporada. O cenário realista para a equipe é a briga pela terceira posição da AFC South com o fragilizado Houston Texans, ficando atrás de Colts e Titans.