Conteúdo

15 Grandes nomes da NBA que ficaram de fora do Dream Team em 1992

28 de maio de 2020

(por Vinícius Freitas)

 

O Dream Team era formado pelos melhores jogadores da época e, sem sombra de dúvidas, foi a melhor seleção já convocada na história do basquete, até porque os resultados dos jogos provaram isso, com a equipe vencendo todas as partidas com larga vantagem no placar. O elenco do técnico Chuck Daly era formado pelos seguintes jogadores:

#4 Christian Laettner

#5 David Robinson

#6 Patrick Ewing

#7 Larry Bird

#8 Scottie Pippen

#9 Michael Jordan

#10 Clyde Drexler

#11 Karl Malone

#12 John Stockton

#13 Chris Mullin

#14 Charles Barkley

#15 Magic Johnson
 

Essa lista não tem como objetivo questionar a escalação da mais famosa seleção americana de todos os tempos, mas sim mostrar o quão talentosa era essa geração, deixando jogadores de altíssimo nível de fora, pois haviam tantos nomes bons que era injusto escalar um time apenas.

Usei como critério para definir uma ordem de importância analisando o desempenho dos jogadores em 91/92 (as Olimpíadas foram disputadas logo após o término da temporada), o momento de seus times, além da popularidade e importância do atleta na liga e no elenco que integrava.
 

15. Larry Jonhson (Ala-Pivô / Charlotte Hornets)

Apesar de sua equipe ter sido uma das últimas colocadas na temporada, o novato chamou muito a atenção por conta de seu ótimo poder de finalização e presença no garrafão, onde liderou a equipe em media de rebotes (11.8 por jogo). Foi um dos principais responsáveis pela popularidade de sua franquia nos anos 90, ao lado de Alonzo Mourning, Muggsy Bogues e Dell Curry (pai de Seth e Stephen Curry).

14. Glen Rice (Ala / Miami Heat)

Principal nome do Miami Heat no início de sua jornada, sendo muito eficiente nos arremessos e um jogador que não tinha medo de errar nos momentos decisivos. Rice foi o MVP do All-Star Game na temporada 96/97 e, posteriormente, campeão com os Lakers na temporada 99/00, sendo um dos principais jogadores na rotação da equipe, ao lado de Robert Horry.

13. Mark Jackson (Armador / New York Knicks)

Apesar de não ser um grande pontuador, era tido como um dos melhores armadores devido a sua grande visão de jogo e passes precisos, sendo um dos principais nomes de sua equipe na época, ao lado de Patrick Ewing e John Starks. É o quarto maior assistente da história da liga, com 10.334 passes concluídos, superado apenas por Steve Nash (10.335), Jason Kidd (12.091) e John Stockton (15.806).

12. Larry Nance (Ala-Pivô / Cleveland Cavaliers)

O experiente jogador era conhecido por suas enterradas e também por ser um bom defensor na zona pintada, terminando 91/92 com 3 tocos de média. Nance foi um dos principais nomes de sua franquia ao lado de Mark Price e Brad Daugherty, levando os Cavs às finais da Conferência, onde foram derrotados pelo Chicago Bulls de Jordan e Pippen.

11. Mark Price (Armador / Cleveland Cavaliers)

Dono de uma eficiência altíssima nos arremessos de lance livre (0.904% na carreira) e nos arremessos de 3 pontos (0.402% na carreira), Price também era conhecido pela sua ótima visão de jogo e por comandar sua equipe em quadra, com jogadas de efeito e poder explosivo, mudando o cenário de alguns jogos quando esquentava a mão, principalmente nos arremessos longínquos.

10. Jeff Hornacek (Ala-Armador / Phoenix Suns)

Era um dos melhores arremessadores da liga, tanto nos arremessos longos quanto de média distância, com ótimo aproveitamento nos lances livres e boa eficiência defensiva, terminando com 2 roubos de média por jogo. Formou também um dos melhores trios dos anos 90 junto com Karl Malone e John Stockton no final dos anos 90 atuando pelo Utah Jazz.

09. Shaquille O’Neal (Pivô / Louisiana State University)

Apesar de não integrar o elenco de nenhuma equipe da liga ainda, Shaq (que foi primeira escolha do draft de 1992) já era famoso no seu período de basquete universitário, devido ao seu porte físico e grande poder ofensivo e, assim como Christian Laettner (terceira escolha), que foi convocado sem jogar na NBA, poderia ter feito parte do Dream Team e dado um show de enterradas nas Olimpíadas, ainda mais com Magic Johnson e John Stockton como garçons.

08. Joe Dumars (Ala-Armador / Detroit Pistons)

Formava grande dupla com Isiah Thomas em sua franquia, sendo um dos principais pontuadores e um dos jogadores com maior vitalidade do elenco, atuando nos 82 jogos da equipe na temporada e ficando em quadra mais de 40 minutos em pelo menos 40 jogos. Também era um bom defensor e tinha ótimo aproveitamento nos arremessos em quadra.

07. James Worthy (Ala / Los Angeles Lakers)

O MVP das finais de 87/88 era o principal nome do time depois da aposentadoria de Magic Johnson. Apesar da altura (2.06m aproximadamente), era conhecido por sua agilidade e grande poder de infiltração no garrafão, além de ser um jogador capaz de movimentos acrobáticos e um dos principais ladrões de bola da equipe.

06. Mitch Richmond (Ala-Armador / Sacramento Kings)

O MVP do All-Star Game da temporada 94/95 foi um dos mais eficientes pontuadores da posição, Richmond formou um dos melhores trios da liga junto com Chris Mullin e Tim Hardaway no Golden State Warriors, mas acabou deixando a equipe para integrar uma das piores defesas da NBA na época, e apesar de seu grande potencial, liderou as limitadas equipes do Sacramento Kings (91/92 à 97/98) e Washington Wizards (98/99 a 00/01), disputando pouquíssimas vezes os playoffs na carreira. 

05. Kevin Johnson (Armador / Phoenix Suns)

Outro dos grandes armadores de sua época, Johnson além de ser um dos melhores pontuadores de sua equipe, também fazia muito bem o papel de armador clássico, conseguindo manter por quatro temporadas seguidas (88/89 à 91/92) mais de 10 assistências de média por jogo, além de ser um bom marcador no perímetro. Foi vice-campeão liderando a equipe com Charles Barkley e Dan Majerle em 92/93, perdendo as finais para os Bulls por 4-2.

04. Tim Hardaway (Armador / Golden State Warriors)

Habilidoso e inteligente, o armador liderava os Warriors junto com Chris Mullin, e além de ser um exímio pontuador, também tinha um grande repertório de dribles e era o principal criador de jogadas de sua equipe. Terminou a temporada regular com mais de 20 pontos e 10 assistências de média, e era considerado um dos melhores defensores do perímetro na liga.

03. Dennis Rodman (Ala-Pivô / Detroit Pistons)

Considerado por muitos especialistas como o melhor defensor que pisou em quadra na história da NBA, o polêmico jogador também foi um dos melhores reboteiros da liga, mesmo não sendo tão alto ou possuindo um porte físico mais robusto, sem contar o poder psicológico que exercia em seus adversários através de “trash talking”, independentemente de quem fosse.

02. Reggie Miller (Ala-Armador / Indiana Pacers)

Dono de uma confiança incrível dentro de quadra, liderou o grande esquadrão dos Pacers nos anos 90, sendo um dos melhores arremessadores de três pontos da história, com 2560 cestas concluídas (atrás apenas de Ray Allen com 2973). Foi também um dos melhores pontuadores da liga no começo da década e um dos jogadores mais frios e clutches da história da liga, vencendo alguns jogos importantes no estouro do cronômetro.

01. Isiah Thomas (Armador / Detroit Pistons)

Apesar de óbvio não tem como não citar o jogador na primeira posição, pois é confirmado que o jogador não ficou de fora do elenco por questões técnicas e sim pela forte rivalidade e o jogo desleal exercido pelos “Bad Boys” contra os principais jogadores do Dream Team, entre eles Michael Jordan (que falava abertamente não querer Thomas no elenco), Pippen, Magic e Bird. Thomas foi um dos armadores mais decisivos e habilidosos da liga, e era considerado por muitos como uma presença segura na lista no lugar de John Stockton.

 

Menção Honrosa:
 

Hakeem Olajuwon (Pivô / Houston Rockets)

MVP em 93/94 e MVP das finais nos dois títulos da história do Houston Rockets (93/94 e 94/95), Hakeem foi talvez o pivô mais completo da liga, sendo excelente em todos os quesitos possíveis, sejam eles ofensivos ou defensivos, além de ter sido extremamente decisivo nas temporadas de glória de sua franquia, vencendo verdadeiras guerras no garrafão contra Buck Williams, Patrick Ewing, David Robinson e Shaquille O’Neal. Porém, o atleta nasceu na Nigéria e se naturalizou americano apenas em 1993, não sendo possível a convocação do pivô para o Dream Team um ano antes.

Dominique Wilkins (Ala / Atlanta Hawks)

Wilkins foi um dos maiores pontuadores da história da liga, chegando a superar ninguém menos que Michael Jordan em algumas temporadas nos anos 80 como líder de pontuação, porém, assim como Hakeem, o ala não era americano de nascença, porém, antes das Olimpíadas já havia se naturalizado americano. Wilkins com certeza era cotado para integrar o time dos sonhos americano, porém, no meio da temporada, em Janeiro de 1992, sofreu uma grave lesão no Tendão de Aquiles, só retornando na temporada seguinte, em novembro de 1993.

Os Estados Unidos também conquistariam a medalha de ouro se tivessem convocado boa parte dos jogadores acima? Acha que faltou algum nome ou não concorda com a sequência da lista?