Conteúdo

Sabonis lidera vitória dos Pacers diante dos Lakers, Show de Mitchell e Bodgnovic, Nets vencem na prorrogação e muito mais

18 de dezembro de 2019

(por Eduardo Schachnik)

Los Angeles Lakers 102 @ Indiana Pacers 105

Nem mesmo os 20 pontos de Dwight Howard (maior marca da temporada) supriram a ausência de Anthony Davis (tornozelo) e os Pacers acabaram com a sequência de 14 vitórias fora de casa dos Lakers.

A partida foi muito equilibrada e por mais que os Lakers tentassem, Indiana não os deixava desgarrar. Nenhum time superou o oponente por mais de 4 pontos ao fim de cada quarto e o jogo se encaminhou para o último período com uma vantagem mínima de 2 pontos para o time da casa.

Os visitantes engataram uma boa sequência e chegaram a liderar por 5 pontos com pouco mais de 3 minutos restantes. Então Malcolm Brogdon anotou 5 pontos em sequência para empatar a partida e após trocas de lances-livres o placar estava igual com 36 segundos por jogar. Brogdon deu sequência à sua atuação decisiva e fez uma linda bandeja reversa sobre Dwight Howard que colocou os Pacers na liderança: 104x102. No ataque seguinte LeBron errou um arremesso de 3 e Domantas Sabonis foi levado à linha de lance-livre após o rebote. O lituano converteu um dos arremessos e estabeleceu a vantagem em 3 pontos. Os Lakers ainda tiveram duas chances de empatar o jogo em bolas de 3, mas Rondo e Kentavious Caldwell-Pope falharam.

Sabonis se beneficiou com a ausência de Davis e liderou os dois times com 26 pontos e complementou a atuação de gala com 10 rebotes. Myles Turner também aproveitou o garrafão mais fraco dos adversários e marcou 16 pontos. Mas foi Malcolm Brogdon quem decidiu a partida para Indiana com 7 dos seus 14 pontos vindos em jogadas fundamentais nos minutos finais.

LeBron quase alcançou um triplo-duplo com 20 pontos, 9 rebotes e 9 assistências, mas zerou nas bolas de longa distância (0/6), inclusive naquela que poderia ter dado a liderança no fim do jogo. Dwight Howard fez seu melhor jogo da temporada com 20 pontos e 6 rebotes e 100% de aproveitamento nos arremessos de quadra (10/10).

Essa foi apenas a 4ª derrota de L.A na temporada, que agora parte para Milwaukee onde enfrenta os Bucks, na quinta-feira, no duelo dos líderes de conferência.

Indiana segue bem classificado no leste e tem esperanças de uma campanha ainda melhor quando Victor Oladipo voltar da sua lesão no joelho.

 

Brooklyn Nets 108 @ New Orleans Pelicans 101

 

 

Nets e Pelicans se enfrentaram diante de uma arena vazia em New Orleans, uma decorrência da péssima campanha dos donos da casa que perderam seus últimos 12 jogos. Os que compareceram, por sua vez, presenciaram um jogo duro de se ver na maior parte, mas que pegou fogo no final.

Os dois times tiveram muita dificuldade em criar no ataque, o que levou a um péssimo aproveitamento nos arremessos de quadra.

O primeiro quarto acabou empatado e os dois times continuaram amassando o aro no período seguinte. New Orleans simplesmente não pontuou nos últimos 4 minutos e deixaram os Nets abrirem 6 pontos na ida ao vestiário: 41x35. O placar muito baixo retratou a péssima qualidade de arremessos: os Pelicans tiveram 24% de aproveitamento (Lonzo Ball 0/5 FG e Brandon Ingram 1/10) enquanto os visitantes converteram 34% dos chutes.

Os Pelicans voltaram bem do vestiário e com 10 pontos seguidos assumiram a liderança, contando também com 3 tocos de Derrick Favors. O resto do período foi bem equilibrado e o time da casa foi para o último quarto com 3 pontos de vantagem.

Os ataques finalmente engrenaram no derradeiro período, ficaram mais fluidos e as equipes trocaram cestas por todo o quarto. Os Nets lideravam a 2 minutos do final até que Holiday fez duas grandes jogadas defensivas em sequência ao ganhar uma bola presa de Dinwiddie e cavar uma falta de ataque. Por fim, ele mesmo deixou a bola na cesta para colocar seu time à frente com 1 minuto para o fim: 93x91. Logo em seguida Jarrett Allen enterrou uma bola livre para deixar tudo igual e Holiday forçou um arremesso de 3 pontos sem sucesso. Dinwiddie tomou conta do que seria a última posse da partida, mas optou por um arremesso detrás do arco bem marcado e a bola sequer tocou o aro. Sobrou pouco mais de 1 segundo no cronômetro e os juízes não marcaram o estouro dos 24 segundos de posse, considerando que os Pelicans recuperaram a bola antes do fim. Assim, New Orleans simplesmente arremessou uma bola do meio da quadra que não teve direção e o jogo foi para o tempo extra.

A prorrogação foi tão equilibrada quanto o final do tempo regular. Brandon Ingram tomou as rédeas do seu time, mas quis muito ser herói e acabou cometendo erros bestas em jogadas fundamentais. Um passe errado e um lance-livre desperdiçado por Ingram encaminharam a vitória dos Nets, que foram mais constantes na hora da decisão, especialmente Joe Harris e Spencer Dinwiddie.

Os Pelicans completam 13 jogos sem vitória e sentiram a ausência de JJ Redick (virilha) no ataque. O time acabou a partida com apenas 34% de aproveitamento nos arremessos de quadra. Ingram teve uma partida muito inconstante fazendo 22 pontos em 7/23 arremessos e pegando 10 rebotes. Jrue Holiday fez 21, Josh Hart saiu do banco para marcar 14 pontos e pegar 9 rebotes e Jaxson Hayes, que teve um ótimo início de jogo, acabou com 13 pontos e 8 rebotes.

Em Brooklyn, Dinwiddie é o dono do time enquanto Kyrie não volta (ombro). Mesmo marcado pelo bom defensor Jrue Holiday, Dinwiddie foi o cestinha com 31 pontos, ainda que tenha acertado apenas 1/8 arremessos de 3. O armador tem muita facilidade em pontuar, principalmente em infiltrações e recebe um enorme volume de jogo em razão da ineficiência dos companheiros. Falando nos companheiros, Joe Harris foi o único que se apresentou nos momentos decisivos e contribuiu bem com 24 pontos. Jarrett Allen fez mais um jogo sólido no garrafão com 12 pontos, 14 rebotes e 6 tocos. E é dessa forma, nada brilhante, mas eficaz, que os Nets seguem com boa campanha muito embora não contem com suas duas maiores contratações da temporada.

Sacramento Kings 102 @ Charlotte Hornets 110

Há 3 anos De’AaronFox e Malik Monk faziam uma dupla dinâmica pela universidade de Kentucky. Na noite de ontem os dois protagonizaram um duelo na NBA e Monk, o menos badalado, foi quem levou a melhor.

As lesões influenciaram muito o jogo das duas equipes. Por Sacramento, De’Aaron Fox fez seu primeiro jogo após uma ausência de 17 partidas por conta uma lesão no tornozelo, enquanto Marvin Bagley vem recuperando seu jogo aos poucos após uma fratura no dedo da mão. Assim, os dois jovens atletas que são o futuro da franquia ainda estão em processo de readaptação ao jogo e ao elenco. Isso não impediu que Fox jogasse 30 minutos e retomasse o posto de cestinha da equipe com 19 pontos e ainda distribuísse 8 assistências. Bagley, por outro lado, jogou apenas 22 minutos, marcou 14 pontos e pegou 7 rebotes.

Charlotte também teve que se adaptar às suas próprias lesões: Nic Batum (mão) e P.J. Washington (dedo quebrado) não jogaram e o treinador optou por usar uma formação mais pesada com dois pivôs: Cody Zeller e Bismack Biyombo. O esquema “forçado” deu muito certo e os Hornets dominaram o garrafão marcando 52 dos 110 pontos da equipe dentro da área pintada, além de superar em muito os rebotes adversários: 51x33.

Mas não bastou dominar o garrafão para vencer o jogo. Os Hornets não teriam triunfado não fosse pela bela atuação de Malik Monk que assumiu a função de pontuar, uma vez que DeVonte Graham não vinha tendo uma noite feliz.

Charlotte liderava por apenas 1 ponto com 9 minutos para o término da partida quando Malik Monk anotou 5 pontos e empolgou Graham que acertou uma bola de 3 para completar a sequência de 8 pontos sem resposta, o que deu uma confortável vantagem de 9 pontos para os mandantes: 93x84. Essa folga no placar foi mantida até o fim graças a ótima atuação de Monk. O shooting guard fez 14 dos seus 23 pontos no último quarto, convertendo 5/5 arremessos de quadra, além de estabelecer um recorde pessoal com 10 rebotes, 5 deles também no 4º período. Cody Zeller fez 17 pontos e pegou 9 rebotes e Biombo marcou 10 pontos e pegou 12 rebotes. DeVonte Graham, líder do time na temporada, terminou o jogo com 15 pontos apenas.

Agora os Kings viajam para Indiana onde encaram os Pacers em ótima fase após vitória sobre os Lakers, já os Hornets visitam Cleveland em uma partida muito mais convidativa.

 

Atlanta Hawks 120 @ New York Knicks 143

Na batalha entre dois dos três piores times do leste os Knicks atropelaram os Hawks e adicionaram mais uma decepção à temporada de Atlanta.

Perder para os Knicks já é ruim, mas perder por 23 pontos de diferença é “outro patamar”. Foi assim que os Hawks deixaram Nova Iorque com sua quinta derrota seguida, no que pode ter sido o melhor jogo do time da casa.

A diferença de 24 pontos foi aberta logo na primeira metade da partida e os Knicks só precisaram administrar os dois quartos restantes.

Tanto Mitchell Robinson, quanto o calouro R.J. Barrett fizeram suas melhores marcas da carreira com 22 e 27 pontos respectivamente.

A vitória foi terceira do time sob o comando do treinador interino Mike Miller, que agora tem impressionantes 50% de aproveitamento em 6 jogos. O triunfo empolgou demais os jogadores de New York, fazendo com que Marcus Morris falasse até mesmo em competir por playoffs! Obviamente uma vitória sobre um dos piores times da temporada não é para tanto e por mais que seja legal ver o vestiário dos Knicks com alguma empolgação, não se pode esperar muitas vitórias como essa, quiçá vitórias quaisquer.

Trae Young segue sendo a estrela solitária dos Hawks enquanto John Collins cumpre suspensão de 25 jogos por uso de hormônios. A boa notícia é que restam apenas 2 jogos de suspensão e então Atlanta poderá usar todas suas armas jovens para executar o interessante projeto inspirado nos Warriors.

Young foi o cestinha do jogo com 42 pontos e deu 8 assistências e o calouro De’Andre Hunter contribuiu com 19 pontos, mas errou todos os seus 5 arremessos de 3.

O elenco jovem dos Knicks levou a melhor nessa com os já mencionados 27 pontos de R.J Barrett, 22 pontos e 13 rebotes de Mitchell Robinson, 17 pontos e 11 rebotes de Julius Randle e 17 pontos de Kevin Knox. O coroa do time, Marcus Morris, anotou 22 pontos para ajudar no massacre.

 

Orlando Magic 102 @ Utah Jazz 109

 

 

No fim do 3º período os Jazz lideravam por 17 pontos, no que parecia ser um jogo fácil. Porém, o Magic aproveitou que Utah mantinha os reservas em quadra e emendou duas sequências de 12 e 15 pontos sem resposta, assumindo a liderança por 7 pontos a 4 minutos do final. Nessa altura do jogo o ataque do time da casa não produzia, até que Donovan Mitchell acordou o time e a torcida com uma sonora enterrada em cima de Vucevic. A dupla Bogdanovic e Mitchell passou a ser indefensável e juntos anotaram 11 pontos em sequência enquanto Orlando fez apenas 1. O Jazz retomou a liderança com 2 minutos para o fim e Donovan Mitchell garantiu que o time não fosse mais ultrapassado.

Essa foi a 3ª vitória seguida do Jazz e a primeira vez que uma dupla de Utah marca 30 pontos cada desde Deron Williams e Carlos Boozer em 2008! Mitchell e Bogdanovic fizeram exatamente 30 pontos cada. Joe Ingles parece estar reencontrando seu basquete após um começo fraco de temporada que seguiu uma copa do mundo levemente decepcionante. O australiano fez 16 pontos e pegou 12 rebotes na noite passada e acertou todos os arremessos de 3 tentados (4/4). Rudy Gobert fez um duplo-duplo ainda no 1º tempo e acabou a partida com 12 pontos e 19 rebotes. Mike Conley retornou de uma lesão na posterior da coxa, mas sentiu e teve que deixar o jogo no 3º quarto, produzindo apenas 7 pontos e 6 assistências em 19 minutos de quadra.

Utah é um dos times mais balanceados da liga e mostrou isso ontem rodando muito bem a bola, sempre dando um passe extra para encontrar o homem melhor posicionado. 4 titulares tiveram 4 ou mais assistências.

Orlando fez uma boa partida com apenas 3 desperdícios de bola, mas pareciam hesitantes em desafiar Gobert no garrafão e também não conseguiram aproveitar os arremessos de longa distância (20%).

D.J. Augustin foi o cestinha do Magic com 22 pontos, Evan Fournier anotou 19, mas errou todos os 8 arremessos de 3 tentados. Markelle Fultz prossegue evoluindo e recuperando sua jovem carreira, ontem terminou a partida com 14 pontos. Por fim, Nikola Vucevic marcou 12 pontos e pegou 11 rebotes, também com péssimo aproveitamento para 3 (2/8) e Aaron Gordon sumiu no jogo com míseros 6 pontos.

 

Phoenix Suns 99 @ Los Angeles Clippers 120

Os Clippers não pouparam suas estrelas e o time se mostrou forte demais para que os Suns, sem Devin Booker, sequer concorressem para a vitória.

Após um começo empolgante onde Kelly Oubre Jr. e Paul George trocaram enterradas vistosas, o LA Clippers assegurou o domínio do jogo, mas foi apenas no 3º período que realmente abriu vantagem e decidiu o confronto. Kawhi e Paul George combinaram para 18 pontos em uma boa sequência e o time da casa foi para o último quarto com 21 pontos de vantagem. A dupla pôde então ir para o banco e assistir Lou Williams finalizar os adversários, como de praxe.

Essa foi a 4ª derrota seguida de Phoenix e a 3ª desde que Devin Booker passou a ser uma ausência devido a uma lesão no antebraço. Sem seu melhor jogador, Phoenix ao menos pôde contar com DeAndre Ayton de volta da suspensão de 25 jogos por uso de substância ilegal. O segundoanista jogou 24 minutos e tirou bem a ferrugem com 18 pontos e 12 rebotes. Kelly Oubre Jr. foi o cestinha da equipe com 19 pontos.

Do outro lado, a dupla estrelada de Los Angeles fez seu trabalho. Kawhi Leonard foi o cestinha do jogo com 24 pontos e Paul George anotou 24. Lou Williams contribuiu como de costume e acabou com 20 pontos e 8 assistências, enquanto seu colega de banco Montrezl Harrell deixou 15 pontos na súmula.