Conteúdo

O retorno de Kawhi à Toronto, Bucks imparáveis, jogos decididos no fim e prorrogação. Veja tudo sobre a quarta-feira da NBA!

12 de dezembro de 2019

(por Cassiano Pinheiro e Eduardo Schachnik)

 

Confira tudo o que aconteceu nesta quarta-feira na NBA:

 

Los Angeles Clippers 112 @ Toronto Raptors 92

Kawhi Leonard teve uma recepção calorosa em Toronto 6 meses após dar à franquia seu primeiro título. Teve a homenagem em vídeo de praxe e também a entrega do anel de campeão para o craque. Em quadra, Kawhi não retribuiu a gentileza e os Clippers passaram pelos Raptors com certa facilidade.

Toronto sabe mais do que qualquer time, do que qualquer cidade, o que Kawhi Leonard é capaz de fazer, assim começaram o jogo com uma marcação dupla sempre que o camisa 2 pegava a bola. Acontece que os Clippers não dependem tanto do “Klaw” quanto os Raptors da temporada passada e Kawhi não é o tipo de jogador que se desconcentra com uma marcação dupla (ele se desconcentra com alguma coisa?).

Durante toda a primeira metade do jogo, enquanto perdurou a marcação dobrada, Kawhi escolheu bem seus movimentos e distribuiu a bola sem forçar jogadas individuais. A defesa claramente não estava funcionando, havia jogadores de L.A livres em todos os ataques, ainda assim o 1º quarto foi disputado.

Os visitantes abriram vantagem no 2º quarto aproveitando a defesa falha e a ineficácia ofensiva dos Raptors, que sentem muito a falta de Fred VanVleet (joelho), já que Kyle Lowry ainda não acertou a mão desde que se recuperou de uma fratura no dedão.

Nick Nurse demorou, mas finalmente acertou a defesa. Toronto voltou do vestiário sem fazer a dobra em Kawhi, jogando uma defesa que mais se assemelhava a uma zona, com muita flutuação e ajuda em todas as bolas. A mudança deu certo e enquanto Paul George fazia um quarto lastimável, Norman Powell engrenou ofensivamente e os Raptors baixaram para 5 pontos uma diferença que chegou a 20. Também ajudou o time da casa o fato de Pat Beverly ter saído do jogo com uma concussão após um bloqueio de Marc Gasol.

O momento dos Raptors passou, a intensidade do time caiu, os Clippers voltaram a dominar a partida e a diferença voltou para 17 pontos ainda no 3º período. Daí até o final da partida os Clippers não foram mais ameaçados no placar.

Kawhi liderou o LA Clippers com 23 pontos e 6 assistências, Paul George foi terrível com 13 pontos (3/14FG e 2/12 3pts), mas os Clippers contam com 7 e não 5 titulares, uma vez que Lou Williams e Montrezl Harrell não são meros reservas, inclusive são, nessa ordem, o 1º e 2º reservas que mais pontuam na NBA. Williams acabou com 18 pontos e 8 assistências e Harrell 10 pontos e 6 rebotes.

Pelos Raptors, Siakam cada vez mais precisa carregar o time e acabou como cestinha da partida com 24 pontos. Norman Powell foi o único que efetivamente ajudou Spicy P com 22 pontos. Lowry teve outra atuação penosa com 6 pontos e apenas um arremesso de quadra convertido (1/8), o que não o impediu de arriscar 7 bolas de 3 (0/7).

 

Houston Rockets 116 @ Cleveland Cavaliers 110

 

 

Quem esperava um atropelo dos Rockets se surpreendeu. Os Cavs fizeram jogo duro, chegaram a tomar a liderança no fim da partida, mas não tiveram força (ou talento) o bastante para superar o time de Houston.

Os Rockets relaxaram após uma boa sequência de 16-2 no 3º período, mas os Cavs responderam com uma “run” ainda melhor (24-0) no fim do 3º e início do 4º período e chegaram a abrir 11 pontos de vantagem (99x88) com 8 minutos para o término da partida.

Foi então que James Harden tomou conta do jogo. O barba anotou 16 pontos em menos de 6 minutos e devolveu a liderança ao Rockets com pouco mais de 2 minutos para o final: 107x105.

O placar estava apertado com Houston na frente 109x108 restando 1 minuto por jogar, contudo o inexperiente time de Cleveland cometeu 3 desperdícios de posse consecutivos em apenas 15 segundos e jogou fora as chances de sair vitorioso. Jordan Clarkson, uma vez, e Kevin Porter Jr., duas vezes, erraram passes que renderam contra-ataques mortais dos Rockets, que sobreviveu a esse susto inesperado em Ohio.

A equipe texana foi perfeita na linha de lance-livre (13/13) e só 5 foram de Harden! O barba terminou a partida com 55 pontos (10/18 para 3pts), sendo 20 deles no último quarto. Westbrook fez 23 pontos, 6 assistências e 7 rebotes, mas continua mandando tijolos detrás do arco (1-4).

Pelos Cavaliers, Love (que pretende levar seus talentos para Portland) fez17 pontos e pegou 11 rebotes e é possível dizer que o time jogou melhor sem ele em quadra. Collin Sexton anotou 18 e Kevin Porter Jr. fez sua melhor marca da temporada com 24 pontos (6/9 3pts).

 

Charlotte Hornets 113 @ Brooklyn Nets 108

DeVonte’ Graham explodiu para 40 pontos em mais um jogo de sua “breakout season” e fez seu treinador buscar inspiração em Popovic para descrever sua atuação. O treinador James Borrego brincou ao fim da partida cobrando os créditos pela sua tática “genial” que diz ter aprendido com Pop: “entrega a bola para Graham”. E foi mais ou menos assim que os Hornets derrotaram os Nets no Brooklyn, conquistando uma vitória importante na briga pelos playoffs. Sim, a conferência Leste está tão fraca que são esses times “razoáveis”, para não dizer outra coisa, que brigarão pelas últimas vagas nos playoffs.

O primeiro tempo foi de Brooklyn, que chegou a abrir 20 pontos no 2º quarto, mas a segunda metade foi de Charlotte, que ao final do 3º período estava apenas 2 pontos atrás no placar: 86x84. O jogo seguiu parelho e estava empatado com 1 minuto para o fim até Graham acertar um step-back e uma bola de 3 de muito longe para colocar os Hornets a frente com 22 segundos para o fim: 111x106. Spencer Dinwiddie sofreu falta em arremesso de 3, porém errou 1 dos 3 lances-livres. Na sequência os Nets mandaram Miles Bridges para a linha e o jogador dos Hornets converteu ambos os arremessos. Com 12 segundos no relógio e 4 pontos atrás, Joe Harris arriscou uma bola de 3 e errou, pegou o próprio rebote e passou para Taurean Prince que também foi ineficaz no arremesso de longa distância. Bridges pegou o segundo rebote e selou a vitória novamente no lance-livre.

Após a partida, Devonta’ Graham disse que a equipe possui uma mentalidade forte, pois apesar de serem jovens, a maioria dos jogadores vem de universidades com tradição no basquete e por isso estão acostmados a jogar sob pressão. O armador saído da Universidade de Kansas divide a quadra com Miles Bridges de Michigan State, P.J. Washington e Michael Kidd-Gilchrist de Kentucky, Cody Zeller de Indiana, Terry Rozier de Louisville entre outros.

Os 40 pontos de Graham são sua maior marca na carreira e demonstra todo o progresso que tem feito, de uma média de 4,7 pontos por jogo em seu primeiro ano (18/19) para os 19,2 dessa temporada, o que o coloca na discussão para o prêmio de jogador que mais evoluiu ou “Most Improved Player”.

O calouro P.J. Washington também foi bem e contribuiu com 13 pontos e 6 rebotes.

O Brooklyn Nets vinha de uma sequência de 3 vitórias, mesmo sem Kyrie (ombro) e nesse meio termo continuam dependendo de Spencer Dinwiddie para pontuar. Ontem foram 24 pontos de Dinwiddie e Jarrett Allen, provavelmente o melhor jogador do Nets sem contar as estrelas lesionadas, fez 21 pontos e pegou 10 rebotes.

 

Atlanta Hawks 102 @ 136 Chicago Bulls

Zach LaVine continua em grande fase! Mais uma vez o principal jogador dos Bulls deu as cartas do jogo e comandou uma fácil vitória do time da casa sobre os Hawks. LaVine combinou suas já tradicionais enterradas com uma pontaria simplesmente perfeita do perímetro, ele arremessou sete bolas para três e converteu todas terminando a partida com 35 pontos.

Os Bulls não tiveram muitos problemas para vencer, a equipe dominou a partida de ponta a ponta, não dando chance para Atlanta, no fim do primeiro tempo os donos da casa fizeram uma corrida de 10-0 estabelecendo uma vantagem que persistiria até o fim do jogo.

 

Utah Jazz 127 @ 116 Minnesota Timberwolves

Os Wolves receberam o Jazz em Minnesota e não conseguiram quebrar a sua sequência de derrotas. Utah manteve o nível alto durante toda a partida e na maioria do tempo os Wolves conseguiram acompanhar equilibrando as ações, com exceção do terceiro período, nesses 12 minutos o Jazz conseguiu dominar mais o jogo, venendo a parcial por 38-24.

Os principais destaques do lado vencedor foram Donovan Mitchell (30 pontos), Rudy Gobert (20 pts e 16 rbts) e Joe Ingles (23 pontos). Para Minnesota o resultado foi muito ruim, essa foi a sexta derrota seguida da franquia que vai caindo pelas tabelas no Oeste.

 

Boston Celtics 117 @ Indiana Pacers 122

 

 

Os Pacers levaram a melhor no clássico Larry Bird e acabaram com a sequência de 4 vitórias dos Celtics. Para quem não sabe, Bird foi ídolo da universidade de Indiana antes de ir para NBA e se consagrar no Boston Celtics.

O jogo foi bem movimentado, Indiana foi para o intervalo à frente (61x57), Boston acelerou no terceiro quarto e terminou o período com uma sequência de 12-2, alcançando uma vantagem de 10 pontos (94x84). O último quarto, no entanto, foi dos Pacers, que forçaram 4 turnovers dos Celtics logo no início do período e empataram o jogo com 5 minutos para o fim. A liderança dos Pacers veio 1 minuto depois, em uma bola de 3 pontos de Aaron Holiday (105x104). Os times trocaram cestas a partir daí, incluindo 6 lances-livres convertidos em 6 tentados por Malcolm Brogdon, até que a bola chegou às mãos de Kemba Walker com o placar em 120x117 para Indiana com 7 segundos para o final da partida. Kemba, que já havia marcado 44 pontos no jogo, arremessou de 3 para empatar, mas sua bola sequer alcançou o aro e a vitória dos Pacers foi sacramentada com mais 2 lances-livres de Brogdon: 122x117.

Os Celtics não contaram com a ajuda defensiva de Marcus Smart (problema no olho), porém tiveram a volta de Gordon Hayward recuperado de uma fratura na mão. Hayward jogou apenas 24 minutos e marcou 9 pontos. Jaylen Brown fez 18 pontos, 8 assistências e 8 rebotes.

Por Indiana, os irmãos Holiday contribuíram saindo do banco: 18 pontos para Aaron (11 no 4º período) e 17 para Justin. Domantas Sabonis teve um jogo de pivô moderninho com 15 pontos, 14 rebotes e 8 assistências e Malcolm Brogdon foi o cara da vitória com 29 pontos (15/15 no lance-livre), 8 assistências e muito sangue frio nos momentos decisivos.

 

Memphis Grizzlies 115 @ 108 Phoenix Suns

O duelo entre Grizzlies e Suns marcava o retorno de Ja Morant às quadras depois de uma lesão nas costas. Morant é um dos favoritos a vencer o prêmio de calouro do ano e contra Phoenix ele mostrou mais uma vez o porque desse hype todo em cima dele. O rookie contribuiu com 13 pontos e, principalmente, uma das enterradas da temporada, Morant infiltrou pelo meio do garrafão e finalizou com uma martelado para cima de Aaron Baynes que é quase 20 centímetros mais alto e 20 quilos mais pesado que ele.

Mas não foi só Morant que mandou bem pelos Grizzlies, os ursos também contaram com ótimas performances de Jaren Jackson Jr e Dillon Brooks que combinaram para 51 pontos.

 

New Orleans Pelicans 112 @ 127 Milwaukee Bucks

Encontro de dois times em situações completamente opostas. Enquanto o New Orleans Pelicans vinha de uma sequência de nove derrotas seguidas, os Bucks buscavam o décimo sexto triunfo consecutivo. E mesmo sem Antetokoumpo os Bucks conseguiram realizar tal feito, na ausência de Greek Freak foi principalmente Eric Bledsoe que assumiu a pontuação com 29 pontos, mas todo o time de Milwaukee jogou muito bem, principalmente no primeiro tempo, não dando chances para New Orleans que perdeu a décima seguida e uma temporada que parecia ser promissora com a escolha de Zion Williamson e os jovens dos Lakers, parece se tornar uma das piores dos últimos anos.

 

Oklahoma City Thunder 93 @ 94 Sacramento Kings

Grande jogo entre Thunder e Kings, dois times que estão em boa fase e queriam a vitória para subir na tabela rumo aos playoffs. A partida começou muito equilibrada, no entanto OKC conseguiu um grande desempenho no segundo quarto terminando a parcial com 29-15. Dennis Schroder mais uma vez fazendo um bom jogo e, pelo lado dos Kings, Buddy Hield foi o cestinha, mas quem definiu a vitória assim nos segundos finais em situação parecida com a do jogo recente de Sacramento contra os Rockets foi Bogdan Bogdanovic, faltando 14 segundos para o fim os californianos perdiam por dois pontos e foi aí que Bogdanovic apareceu com uma bola salvadora do perímetro para dar a terceira vitória seguida para os Kings, que sobem na tabela e já ocupam a sétima posição na Conferência Oeste.

 

Los Angeles Lakers 96 @ Orlando Magic 87

 

 

O torcedor mais nervoso do Magic desligou a TV no fim do primeiro quarto e foi dormir. Isso porque Orlando fez míseros 9 pontos no período inicial. Nove! Em um início escabroso o Magic teve um aproveitamento de 19% dos arremessos (4/21) e desperdiçou a bola 5 vezes. Os Lakers abriram 17 pontos logo de cara (26x9) e o jogo parecia estar definido, mas os jogadores do Magic preferiram lutar em vez de pegar as coisas e voltar para o avião.

Após baixar a diferença no segundo quarto, que acabou 51x38, Orlando engatou uma sequência de 24 pontos sem resposta, venceu bem o 3º período (27x18) e buscou o empate no início do quarto final (71x71). Entretanto, LeBron James mostrou porque adora jogar de armador e deu 3 assistências em sequência para impulsionar o Lakers em uma sucessão de 10 pontos sem resposta finalizada com uma infiltração do papai Lebrão. Após a exibição de força do rei, os adversários esmoreceram e não voltaram a ameaçar o time de Los Angeles.

Os Lakers jogaram sem Rajon Rondo (posterior da coxa) e Kuzma (tornozelo), ainda assim poderiam ter conquistado uma vitória mais fácil. A dupla Batman e Robin funcionou outra vez com um triplo-duplo de LeBron: 25 pontos, 10 assistências e 11 rebotes e um duplo-duplo de Anthony Davis: 16 pontos e 12 rebotes.

Orlando segue sem Vucevic (tornozelo) e Al-Farouq Aminu (joelho) e ainda sentiu a ausência de Markelle Fultz, fora dessa partida por conta de uma doença estomacal. Jonathan Isaac fez 19 pontos e pegou 8 rebotes, Evan Fournier marcou 18 pontos e Aaron Gordon 14 pontos e 14 rebotes. Fultz, quem diria, realmente fez falta, já que o armador titular D.J. Augustin só anotou 2 pontos e só tentou 3 arremessos em 26min de quadra.

 

New York Knicks 124 @ 122 Golden State Warriors

Confronto dos lanternas das conferências. Juntas as equipes possuem 10 vitórias em 51 jogos, no entanto na noite passada protagonizaram um duelo animado, que incluisive foi para a prorrogação.

Os Knicks venciam por 111x106 faltando apenas 12 segundos, mas RJ Barrett cometeu falta no ato de arremesso para três pontos de Alec Burks, com isso, Burks converteu os três lances livres, se aproximando do placar. Na posse seguinte, Barrett sofreu falta e nos lances livres errou um, deixando o placar em 112x109, e uma última posse para os Warriors, nessa chance derradeira D’Angelo Russell acertou um belo arremesso para empatar a partida e levar para a prorrogação. No overtime o equillíbrio persistiu mas os Knicks foram ligeriramente melhores e no fim conseguiram o triunfo.