Conteúdo

Luka Doncic é o destaque do resumo da semana da NBA

27 de novembro de 2019
(por Leonardo Costa)

Está chegando mais um resumo semanal da NBA, edição 5, que tratará do que mais relevante aconteceu na melhor liga de basquete entre os dias 19 e 25 de Novembro, e já posso adiantar que não vai faltar assunto. Então, vamos ao que importa.

Seleção da semana
James Harden (Rockets) - 32 pts/ 8 reb/ 10 ass
LeBron James (Lakers) -  27,8 pts/ 6,5 reb/ 10,5 ass
Luka Doncic (Mavericks) - 35,3 pts/ 7,7 reb/ 11,7 ass
Giannis Antetokounmpo (Bucks) - 33,8 pts/ 13,5 reb/ 7 ass
Karl-Anthony Towns (Timberwolves) - 24,3 pts/ 14 reb/ 4,3 ass
Pela quarta vez em cinco semanas de liga, Doncic e Giannis fazem parte da lista, e nessa última semana eles foram espetaculares, e seria impossível deixá-los de fora. LeBron, que entra pela segunda vez, teve uma semana invicta pelos Lakers, com 3 duplo-duplos e um triplo-duplo nas quatro partidas em que disputou por Los Angeles. Se James ganhou todas, Harden foi totalmente o oposto, perdendo os três jogos da semana, mas com um aproveitamento decente de seus arremessos, o que cravou sua terceira participação na seleção semanal. Por fim, KAT foi o destaque soberano entre os pivôs, pese as boas atuações de outros concorrentes da posição, como Domantas Sabonis e Clint Capela, para citar alguns, mas nenhum teve as médias e a importância que o jogador de Minnesota teve nessa semana.
Um caso à parte
Luka Doncic tem jogado tanto nesse começo de temporada que merece um espaço só seu para falar do que aprontou nessa última semana de NBA. Dallas conseguiu grandes triunfos, inclusive vencendo fora de casa os Rockets e, como de costume, com grande atuação do esloveno, que anotou 13 pontos no último quarto e terminou o jogo com 41, além de 6 rebotes e 10 assistências, ofuscando seu rival James Harden. Dois dias antes contra os Cavs, precisou atuar somente 29 minutos para marcar 30 pontos, 7 rebotes e 14 assistências e tornou-se o primeiro jogador da franquia desde Dirk Nowitzki a anotar pelo menos 30 pontos em 3 partidas seguidas. Contra os Warriors, naquela que foi a 5ª maior vitória dos Mavs na história, Doncic anotou um triplo-duplo (35pts/10reb/11ast), mas ao terminar o primeiro quarto com 22 pontos, se colocou como primeiro jogador a marcar sozinho mais pontos do que o adversário em um quarto desde Allen Iverson em 2003.
LeBron versão 3.5
17ª temporada de LeBron James na NBA e uma infinidade de recordes, sejam pessoais ou coletivos, como 3 vezes campeão da liga, ROY,  4 vezes MVP de temporada regular e 3 de finais, sem falar de 15 convocações para o All-Star Game. Essas são algumas das conquistas da carreira de LeBron que não parece satisfeito e até o momento vem guiando os Lakers como melhor equipe da temporada. Se seus minutos em quadra já não são mais os mesmos (menor média da carreira, por enquanto, com 35,2 minutos), James consegue ser o destaque por jogo, mas nessa temporada tem chamado a atenção a quantidade assistências que ele vem produzindo, são 11 por partida, líder da liga e o único a ter dois dígitos no quesito.
Além de ter uma ótima semana, como já dito na parte da seleção semanal, LeBron segue empilhando recordes. Primeiro, na vitória sobre o OKC por 112-107, anotou seu 86º triplo-duplo da carreira, mas esse com um gosto especial, pois tornou-se o primeiro jogador a anotar um TD contra todas as 30 franquias da NBA. Segundo, entrou na seleta lista de 5 jogadores com mais de 12 mil arremessos convertidos de quadra, estando ao lado das lendas Kareem Abdul-Jabbar, Karl Malone, Wilt Chamberlain e Michael Jordan (tá fraco de companhia haha).
Sem ressaca pós-título
Muito se especulou com a saída de Kawhi Leonard, que os Raptors continuariam como uma boa equipe, mas distante do que apresentariam caso o jogador tivesse optado por Toronto. Evidentemente, a saída de Kawhi geraria apreensão em qualquer franquia, ainda mais quando não se tem uma contratação do mesmo nível, justamente o que passou pelos Raptors, mas o que a equipe canadense tem demonstrado até o momento na temporada, inclusive na última semana, vai além das expectativas. São apenas 4 derrotas  em 16 jogos para eles nessa temporada, três delas com um certo apagão no quarto final (período em que Leonard joga como poucos), mas as vitórias contra Lakers e 76ers, essa última o mais recente triunfo, mostram que seguem firmes na busca pelo bicampeonato, ainda mais se analisarmos que em ambas as vitórias, jogadores importantes para equipe como Kyle Lowry e Serge Ibaka não atuaram por lesão.
Na ausência dos dois, e com Marc Gasol um pouco abaixo fisicamente, quem se destaca nessa equipe, além da conhecida coletividade e da forte defesa montada pelo técnico Nick Nurse, são Paskal Siakam e  Fred VanVleet. Não à toa, que foram eles os líderes nas vitórias citadas, tanto que o camaronês vem tendo números melhores do que na temporada passada, quando foi eleito o Jogador que Mais Evoluiu, enquanto que o armador vem tendo de longe os melhores números da carreira. Podemos fazer ressalvas que a Conferência Leste não é a mais qualificada, mas que Toronto vem surpreendendo, isso é inegável.
Até onde eles podem chegar?
 
Uma peneira chamada Atlanta
Os Hawks despertavam muita curiosidade acerca de como seria o desenvolvimento de seu jovem elenco. Capitaneados pelo habilidoso Trae Young, o começo de temporada foi até aceitável, com 3 vitórias nos seis primeiros jogos, mas depois desse bom momento, o "angu desandou lá pelas bandas do estado da Georgia". Foram 11 jogos e somente uma vitória, uma delas surpreendente contra os Nuggets e, nesse período, a defesa tem chamado a atenção por sofrer no mínimo 119 pontos por partida, chegando ao máximo de levar 150 (sem prorrogação) como foi na derrota para os Clippers. Na última semana foram 3 derrotas (Pistons, Raptors e Wolves) com média de 124 pontos sofridos, o que impede que o ataque, que também não é dos mais produtivos, leve vantagem e saia com a vitória. Em tempo: a defesa dos Hawks não é a pior da NBA, está na frente dos Wizards e Rockets, mas se analisarmos apenas as últimas 11 partidas, é disparada a que mais sofre pontos e faz jus de estar ao lado dos Knicks com as piores campanhas do Leste.
O pior Spurs da era Popovich
Comentamos disso em nosso Podcast sobre NBA, portanto, fica a dica, e se você não ouviu tá perdendo um conteúdo incrível. Porém, vale reforçar aqui no nosso resumo semanal que a fase do San Antonio Spurs é a pior desde que Greg Popovich assumiu o comando da equipe em 96-97. Nunca em suas mais de duas décadas dirigindo a franquia, Popovich havia sofrido mais de 7 derrotas seguidas, mas na última semana, no revés contra os 76ers, para sua infelicidade, essa marca foi batida. Os jogadores saíram em defesa do técnico, afirmando que o problema estava dentro de quadra, e que iriam trabalhar duro para reverter a situação. Parece ter surtido efeito, pois na partida seguinte veio a tão esperada vitória, contra um também cambaleante New York Knicks, mas com autoridade. Se bem que perderam para os Lakers no último jogo, mas não facilitaram em nada a vida de LeBron e cia. Vamos ver se a equipe segue com as boa atuações, e nos próximos seis jogos serão cinco em casa, o que pode alavancar a péssima campanha que eles tem na temporada.
Uma virada inacreditável
Para o mais desavisado, que não conhece a magia do basquete, quando o placar mostrava 112 a 105 para os Hornets e faltando 25 segundos para o fim da partida, já dava o duelo como definido, mas Zach LaVine e os Bulls provaram o contrário. O jogador de Chicago teve uma noite memorável, além de seus 49 pontos e das 13 bolas de 3, um recorde da franquia e segunda maior quantidade na história da NBA, pois foi dele a cesta que deu a vitória em uma remontada épica. A virada começou com uma bola de 3 de LaVine, que foi respondido com um lance-livre convertido por Terry Rozier, mas que imediatamente teve Coby White anotando do outro lado. Faltavam 14 segundos e estava 113-110 Hornets. De'Vonte Graham sofreu falta e acertou os dois lances-livres ampliando para 5 a diferença, mas que caiu para 2 com a cesta de Tomas Satoransky a 8 segundos do fim. Na reposição de bola, o próprio Graham foi pressionado e perdeu a posse para LaVine, que em noite calibrada foi para o perímetro e sacramentou a virada mais sensacional dos últimos tempos.
Atuações da gala
Além da já citada atuação de 49 pontos e 13 cestas de 3 de LaVine, outros jogadores também protagonizaram grandes atuações individuais na semana 5 da NBA. Começamos por Giannis Antetokounmpo, que cravou 50 pontos na vitória apertada, e de virada, dos Bucks sobre o Jazz, além de 14 rebotes. Outro que merece menção é Buddy Hield, jogador dos Kings que marcou 41 pontos na derrota de seu time para os Celtics. Sem a presença do lesionado D'Aron Fox, Hield vem chamando a responsabilidade. Sem marcarem tantos pontos, mas com alto número de rebotes, Jarrett Allen e Clint Capela também merecem estar nesse espaço, a começar com o jogador dos Nets que anotou 22 pontos e 21 rebotes no triunfo sobre os Cavs, marca semelhante a do suíço dos Rockets, que mesmo na derrota da sua equipe dominou o garrafão com 22 rebotes, além de agregar 21 pontos.
Alguns recordes/dados da semana
Coby White, calouro dos Bulls não teve uma grande atuação na vitória contra os Pistons, mas o suficiente para chegar aos 190 pontos, 50 rebotes, 35 assistências e 10 roubos e ser o primeiro calouro desde de Derrick Rose (que curiosamente estava jogando por Detroit), em 2009, a ter tais números. Os outros rookies de Chicago que também estão na lista são Toni Kukoc. Mitchell Wiggins e um tal de Michael Jordan.
Carmelo Anthony foi notícia por todo lado ao ser anunciado como reforço pelos Blazers. Pois bem, nessa última semana ele fez a sua estreia e em seus 4 primeiros jogos teve com médias de 16 pontos, um retorno aceitável para quem estava mais de um ano afastado da liga. Mas no duelo contra os Bulls, em que foi o cestinha com 25 pontos no triunfo de Portland, atingiu a marca de 25.615 pontos, deixando para trás Alex English e assumindo a 18ª colocação nos maiores anotadores de todos os tempos da NBA.
Esse não é exatamente um recorde, mas sim um dado que vale a pena ser citado. O armador dos 76ers, Ben Simmons, anotou após 1451 dias na liga sua primeira bola de 3 na NBA, fato um tanto alarmante quando no momento até os gigantes do garrafão acrescentaram em seu repertório o arremesso de longa distância. Conhecido por boa leitura de jogo, o australiano sofria muita pressão por não tentar arremessar de longe, mas manteve-se fiel ao seu estilo de jogo, porém com essa cesta ele pode incrementar aos poucos mais uma jogada ao seu arsenal.
Não poderíamos deixar de falar do atual MVP da NBA. Antetokounmpo vem tendo números ainda melhores do que na temporada passada em que foi eleito o melhor da liga, e até agora, nos 17 jogos em que disputou, foram 17 duplo-duplos, e é o primeiro jogador a abrir a temporada com essa quantidade seguida de DD desde Bill Walton 1976-77. O grego continua imparável.
Calouros
Pode soar repetitivo, mas Ja Morant dos Grizzlies foi novamente o destaque dos calouros nessa quinta semana de resumo da NBA, liderando os rookies em pontos e assistências. Quem também voltou a ter uma boa semana foi Tyler Herro, do Heat, assim como Eric Paschall, dos Warriors. De'Andre Hunter estreia na lista após boas partidas pelos Hawks, o mesmo acontecendo com Ky Bowman dos Warriors.
Chegamos ao fim. Sentiu falta de alguma coisa? Deixe sua opinião nos comentários e semana que vem tem mais.