Conteúdo

Oakland Athletics vs Tampa Bay Rays - Prévia Wild Card

2 de outubro de 2019

(por Leonardo Costa)

Nunca se pode desprezar duas equipes que conseguiram 96 vitórias em suas divisões cujos campeões passaram dos 100 triunfos. E aí o equilíbrio do duelo já se faz presente e tem tudo para refletir no jogo de wild card desta noite.

Se por um lado os Athletics deixaram para trás franquias como Mariners, que tinham se movimentado bem na offseason e Angels com uma máquina chamada Mike Trout, os Rays foram ainda mais ousados. Não conseguiram competir com os Yankees, mas eliminaram nada mais que os Red Sox, atuais campeões da Wolrd Series. Outro mérito que vai para as duas equipes foi terem deixado fora o sempre forte Cleveland Indians. Quem passar desse duelo vai encarar os Astros, donos da melhor campanha de toda a MLB.

Falando especificamente dos elencos, a franquia de Oakland tem alguns nomes que estão entre os melhores de toda liga, e é neles que a torcida deposita a esperança de vitória. A começar com o 1B Matt Olson, que terminou a temporada com 36 HRs e é um monstro na defesa, mesmo quesito do shortstop Marcus Semien, que tem tudo para receber alguns votos como MVP da Americana. Mas o verdadeiro nome da franquia é Matt Chapman, que tem seguramente umas das melhores defesas de toda liga e ainda agrega muito no bastão. Caso esse trio de jogadores jogue o que deles se espera, e tenha respaldo do abridor Sean Manaea, os Athletics têm tudo para seguir adiante nos playoffs.

Porém, do outro lado, os Rays não vão facilitar em nada a vida do adversário. Por mais que os Athletics possuam uma das menores folhas salariais da MLB (25º), nada se compara ao que faz a direção da franquia de Tampa Bay, que tem a menor de todas, e por ampla margem. Para efeito comparativo, os Red Sox, equipe da mesma divisão dos Rays e que está fora da pós-temporada, tem uma folha salarial 4x maior do que eles, com uma diferença de U$S 170 milhões. Dito isso, o que se vê é o coletivo dos Rays como sua maior virtude, mas com algumas peças que guiam o caminho a ser feito, sobretudo Charlie Morton, que vai abrir o confronto e lidera um grupo de pitchers que em comparação ao rival, elimina mais rebatedores e concede menos pontos. Ofensivamente, vale ficar de olho nos outfielder Austin Meadows e Tommy Pham, com esse último podendo jogar de rebatedor desginado, afinal, deles pode sair algum quadrangular.

Possíveis Lineups

Oakland Athletics
1 - Marcus Semien (SS)
2 - Ramón Laureano (RF)
3 - Matt Chapman (3B)
4 - Matt Olson (1B)
5 - Mark Canha (CF)
6 - Seth Brown (LF)
7 - Khris Davis (RD)
8 - Jurickson Profar (2B)
9 - Sean Murphy (C)

Tampa Bay Rays
1 - Yandy Díaz (1B)
2 - Tommy Pham (BD)
3 - Austin Meadows (LF)
4 - Travis d'Arnaud (C)
5 - Matt Duffy (3B)
6 - Avisaíl García (RF)
7 - Willy Adames (SS)
8 - Kevin Kiermaier (CF)
9 - Mike Brosseau (2B)

Opinião

Nesse duelo, jogar em casa poderia dizer muita coisa, mas não quando se trata de jogo de vida ou morte e A's na mesma frase. Oakland perdeu os últimos cinco duelos decisivos de pós-temporada que disputou no Coliseo, e o Tampa Bay Rays está longe de ser uma boa equipe a se receber. De qualquer forma, Athletics levam vantagem tanto no bastão quanto defensivamente, vale lembrar que possuem Ramon Laureano, um dos braços mais potentes da liga e que pode eliminar um corredor quando ninguém imagina.

Já os Rays são muito fortes quando o assunto é pitcher, e usam com maestria uma técnica por eles desenvolvida, de utilizar muitos arremessadores, não rotulando muito em abridores ou fechadores. Por isso, caso os pitchers façam o que deles se espera, somado a alguns bons nomes que a equipe tem, não seria difícil imaginar uma vitória de Tampa Bay, e quem sabe até possa rolar um Moneyball 2 baseado no que essa franquia é capaz.

Porém, como não há empate, é preciso escolher um vencedor, e nesse confronto equilibrado é bem difícil. Mas eu aposto na vitória de Oakland, que para mim possui mais nomes com capacidade de decisão, seja defendendo, seja atacando e até mesmo no montinho, superando os Rays, que por chegarem até onde estão já são dignos de aplausos.