Conteúdo

Confira quem são os novos integrantes do Hall da Fama da NBA

8 de setembro de 2019

(por Vinicius Freitas)   O comitê do Hall da Fama da NBA anunciou seus novos integrantes, entre eles jogadores, equipes, técnicos e uma jogadora em sua lista. A cerimônia foi realizada na última sexta feira, 06 de Setembro de 2019, no Naismith Memorial Basketball Hall of Fame, em Springfield, Massachusets.Vlade DivacO pivô sérvio com certeza é um dos maiores jogadores europeus e estrangeiros que já passaram pela liga. Atuando de 89/90 até 04/05 e com passagens marcantes por Los Angeles Lakers (89/90 a 95/96) e Sacramento Kings (98/99 a 03/04, onde é o atual vice-presidente da franquia), o gigante também foi campeão jogando pela seleção iugoslava, vencendo o Mundial de 90 e as Eurocopas de 89 e 91, além de medalha de prata nas Olimpíadas de 88 (Seul). Jogando pela Sérvia e Montenegro foi campeão Mundial em 2002 e campeão da Eurocopa em 95 também. Foi o primeiro estrangeiro a atingir mais de 1000 jogos na liga e um dos primeiros pivôs a armar jogadas para seus companheiros, além de ser muito bom em jogadas de infiltração e ter bons números em arremessos de 3 pontos em algumas temporadas, coisa raríssima para os pivôs da época. Encerrou a carreira com 11.8pts, 8.2reb e 3.1ast de média e, apesar de não ter sido campeão, deixou seu legado marcado na história da liga. Teresa Weatherspoon  Sendo a única mulher escolhida do ano, a jogadora foi campeã olímpica em 88 (Seul) e campeã mundial em 1986 com a seleção dos EUA. Foi 2x vezes Defensora do Ano da WNBA (96/97 e 97/98) e encerrou sua carreira com médias de 5pts, 3.1reb e 5.3ast. Também é lembrada por um dos lances mais incríveis da história do esporte. Nas finais da WNBA de 1999, jogando pelo New York Liberty contra o Houston Comets no jogo 2 das finais (Houston Comets havia vencido o primeiro jogo, e na época as finais eram melhor de 3, logo, se a equipe perdesse também o segundo jogo, seria vice campeã), faltando apenas 2,4 segundos restantes e com dois pontos atrás no placar, a jogadora converteu uma cesta do meio da quadra e garantiu a vitória de sua franquia no jogo, empatando a série. O lance ficou eternizado como “The Shot”, mas apesar da vitória no segundo jogo, o Houston ganhou o terceiro jogo e se consagrou tricampeã da liga. A atleta foi prestigiada por suas rivais da final citada, as jogadoras do Houston Comets, Cynthia Cooper, Sheryl Swoopes e Tina Thompson.Luta contra o RacismoChuck Cooper  Sendo o primeiro afro-americano a atuar na NBA, jogou de 50/51 até 55/56. Na época em que o racismo era muito ativo e pouquíssimas equipes recrutavam jogadores negros, tudo isso começou a mudar quando uma equipe chamada Harlem Globetrotters, derrotou na época os atuais bicampeões do Minneapolis Lakers, formada apenas por jogadores de etnia branca, como George Mikan e Slater Martin, abrindo a porta para a inclusão de jogadores negros na liga, como Chuck Cooper, Bill Russell, Sam Jones, K.C. Jones e alguns outros (todos os citados draftados pelo Boston Celtics, que curiosamente tem seu nome ligado a descendência de uma região de etnia branca). O atleta faleceu em 1984, mas foi representado pelo seu filho Chuck Cooper III na cerimônia.   Tennessee State A equipe venceu três campeonatos nacionais consecutivos entre 1957 e 1959 e tinha em seu elenco formado por diversos jogadores negros, sendo também uma das pouquíssimas equipes a contar com um elenco formado por negros. Hutcherson Flying Queens A escola de Wayland Baptist foi a primeira a oferecer bolsas femininas de basquete na história e com isso formaram o time das Flying Queens, que chegaram a ficar 131 jogos invictas. E, além de ser uma das primeiras equipes femininas, foi também formada em grande parte por jogadoras negras. Jack Sikma Sikma foi um dos primeiros pivôs versáteis da liga e o único pivô na história da NBA a conseguir ser o líder de lances livres em uma temporada (86/87). Campeão da liga em 78/79 pelo Seattle SuperSonics, foi 7x All-Star (de 78/79 a 84/85) e companheiro de Sidney Moncrief nos Bucks no final dos anos 80, que também foi indicado ao Hall da Fama esse ano. Bobby Jones  Campeão da liga em 82/83 pelo Philadelphia 76ers, junto com Maurice Cheeks, Moses Malone e Julius Erving, o ala-pivô foi 4x All-Star (76/77, 77/78, 80/81 e 81/82) e 8x All-Defensive (76/77 a 83/84). Também famoso pelas enterradas vigorosas, o atleta encerrou a carreira com médias de 12.1pts, 6.1reb e 2.7ast. Al Attles Indicado como contribuidor do esporte, jogou pelos Warriors (Philadelphia/San Francisco Warriors) de 60/61 á 70/71, também treinou a equipe de 68/69 a 82/83 sendo campeão com o Golden State Warriors em 74/75, e depois treinando a mesma equipe em 94/95. É um dos maiores nomes da franquia do Golden State Warriors, onde teve sua camisa 16 aposentada. Attles também foi treinador do All-Star Game na liga em duas oportunidades, em 74/75 e 75/76. Bill Fitch  Treinador do ano em 75/76 e 79/80 e técnico do All Star Game de 81/82, também foi campeão da NBA com o Boston Celtics de Larry Bird na temporada 80/81. Bill Fitch também é considerado um dos 10 maiores técnicos da história da liga. Por motivos de saúde, o ex-treinador não conseguiu participar da cerimônia. Paul Westphal  O jogador teve uma das missões mais difíceis da liga, suprir a grande posição de armador do Boston Celtics, que contou com jogadores do calibre de Bob Cousy e K.C. Jones, porém, Westphal cumpriu essa missão muito bem. Campeão da NBA pelo Boston Celtics em 73/74, e com de média de 15.6pts, 1.9reb e 4.4ass na carreira, também foi 5x All-Star (76/77 a 80/81) e 3x All-NBA (76/77 a 78/79). Já como treinador levou o Phoenix Suns de Charles Barkley e companhia para as finais da NBA em 1993, sendo vice contra o Chicago Bulls de Michael Jordan e Scottie Pippen. Carl Braun O armador foi um dos nomes mais importantes do New York Knicks na história da franquia, sendo também um dos principais jogadores de sua posição na liga. Nas temporadas 59/60 e 60/61 além de jogador também foi técnico da franquia Nova Yorkina. Encerrou sua carreira com 13.5pts, 3.4reb e 3.7ast de média, além de 5x All Star (de 52/53 a 56/57). Falecido em 2010, Braun além de fazer parte do Hall da Fama da NBA também foi homenageado durante o evento. Sidney Moncrief Apesar de nunca ter sido campeão da NBA, o ala-armador com certeza foi um dos melhores jogadores dos anos 80. Com médias de (15.6pts, 4.7reb, 3.6ass) também foi eleito duas vezes Defensor do Ano (82/83 e 83/84), 5x All Star (de 81/82 a 85/86), 1x All-NBA (82/83), e foi 4x parte do time defensivo da temporada (81/82 a 84/85), além de sua camisa número 4 aposentada pelo Milwaukee Bucks.