Conteúdo

Aquecimento Draft 2019 – Jaxson Hayes

18 de junho de 2019

(por Jefferson Castanheira)

 

País: EUA

Data de Nascimento: 23 de Maio de 2000 (20 anos)

Altura: 2.11

Peso: 100kg

Envergadura: 2.24m

Posição: Ala-pivo/pivô

 

Jaxson Hayes é natural de Norman, no estado americano de Oklahoma. Seu pai, Jonathan Hayes, jogou na NFL e é atualmente técnico dos Tight Ends do Cincinnati Bengals, enquanto sua mãe jogou basquete na Drake University onde ganhou prêmios como o All-American no basquete feminino até sair como sênior na temporada 1994-95. Jaxson cresceu apaixonado pelo basquete, surgindo de modo surpreendente no High School onde despontou como um grande defensor, com médias sonoras de 4 tocos por partida, com 7 rebotes e 12 pontos. Hayes foi para a Universidade do Texas onde jogou apenas uma temporada (2018-19) ainda sendo freshman.

No College, Jaxson deixou claro que é um ala-pivo/pivô absolutamente promissor defensivamente, sabendo defender muito bem o post, sendo uma máquina de tocos e sabendo muito bem onde se posicionar na defesa. Sem a bola, Hayes atua muito bem ofensivamente, pois se movimenta o tempo todo atrás de alguma isolation ou se deslocar para receber bolas na área pintada, sendo um dunker explosivo. Fora isso, tem um instinto de rebotes aprimorado, o que faz Hayes ser um jogador excepcional em cestas de segundas chances devido ao seu tamanho e explosão lateral. Porém, Jaxson é um jogador cru, sem muitos fundamentos e sem saber atuar no post ofensivamente. Na defesa, não atua muito bem no box-out, cedendo rebotes ofensivos para o adversário com frequência.

 

Opinião do colunista

Jaxson Hayes é um pivô em um corpo de ala-pivô. Suas características me lembram muito Rudy Gobert no ínicio de carreira, sendo um ótimo defensor que precisa demais de experiência para guiar a mentalidade ofensiva e defensiva em certos aspectos ao jogador. Porém, mesmo com alguns defeitos, Hayes não entrega problemas nas escolhas de seus arremessos, visto que ele tem quase 73% de conversão ofensiva. Se Hayes cair na mão de um corpo técnico pronto para lapidar este talento, teremos um grande concorrente a liderança de rebotes ofensivos e ao prêmio de DPOY daqui uns anos.