Conteúdo

76ers mostram quem manda na Philadelphia e dominam completamente o Toronto Raptors, forçando o jogo 7

10 de maio de 2019

(por Rafael Lima)

 

Era jogo de vida ou morte para os Sixers. Ginásio lotado, apoio explícito, mas um fundo de desconfiança pela derrota acachapante da equipe local no jogo 5. Existia uma expectativa de como o jovem time da Philadelphia iria lidar com a pressão, pois pela primeira vez nesses playoffs os 76ers estavam “nas cordas”, sem o direito de errar. Nessas horas os jogadores precisam mostrar do que são feitos e Joel Embiid, Tobias Harris, Jimmy Butler, Ben Simmons e companhia demonstraram técnica, brio, controle emocional, solidariedade em quadra e muita vontade de vencer. Pressão? Pareciam não sentir. Fator Kawhi? Controlado. Perspectiva para a sétima partida? A melhor possível. Mas enquanto o jogo 7 não chega, veja como foi o 6.

Depois de um início equilibrado, os Sixers tomaram conta da metade para o final do primeiro quarto com uma defesa agressiva e um ataque com ótimas variações, que dificultava o setor defensivo dos canadenses. Com isso, os 76ers conseguiram abrir vantagem e “trazer a torcida para a quadra”. Apesar disso, Joel Embiid terminou a primeira etapa zerado, mas o time tem varias estrelas para momentos como esse, com Jimmy Butler e Tobias Harris se destacando.

No segundo quarto se configurou o início do massacre, com a rotação de Philly funcionando, sem deixar Toronto se encontrar em quadra, atuando com muita pressão. Apesar de uma run de 12 a 0 para os Raptors na metade do período, Brett Brown soube o momento exato de pedir tempo e recolocar seu time nos trilhos, com um basquete solidário e melhor pontaria que o adversário, que não estava bem nos aproveitamentos, principalmente nos arremessos do perímetro. A distância considerável (58-43) só não foi maior pela regularidade de Kawhi Leonard e o esforço do machucado Pascal Siakam.

O Philadelphia 76ers voltou dos vestiários disposto a controlar o jogo com muitas trocas de bola, participações cirúrgicas de Mike Scott e belo controle de Ben Simmons, além da “entrada em quadra” de Embiid, que teve direito a finta desmoralizante em Gasol e tocaço em Kawhi Leonard. Com isso o time da casa não só manteve um placar confortável, como aumentou ainda mais a vantagem ao final do terceiro quarto (87-67), liquidando a fatura.

 

 

O quarto período foi protocolar, com os técnicos colocando os reservas em quadra. Toronto implementou mais intensidade, mas nada que assustasse a supremacia dos Sixers, que gastaram a bola e esperaram o tempo passar para garantir a decisão no jogo 7, que será em Toronto e tem tudo para ser a melhor partida da série.

Mesmo jogando de forma bem coletiva, vale destacar as atuações de Jimmy Butler (25pts, 6reb. e 8ast.), Ben Simmons (21pts, 8reb. e 6ast.) e Joel Embiid (17pts e 12 reb.).

Do lado perdedor, Kawhi Leonard (29pts, 12reb. e 5ast.) e Pascal Siakam (21pts e 6reb.) foram os únicos que se salvaram de performances desastrosas, pois todo o resto do time dos Raptors jogou abaixo da crítica.

Final: Toronto Raptors 101-112 Philadelphia 76ers

O Philadelphia 76ers levou a sério o caráter “win or go home” do jogo e mostrou que não quer ir pra casa. A equipe jogou com gana, ótimo senso de marcação e grande variação de jogadas no ataque, com arremessos do perímetro, mas também de dentro do garrafão, infiltrações, step backs, enterradas, transições rápidas, cadência para gastar o tempo, enfim, os 76ers foram um time muito difícil de ser marcado. E tudo isso com Embiid machucado.

Se os Sixers apresentarem esse nível novamente, os Raptors precisarão de Kawhi Leonard em uma noite iluminada e, principalmente, do apoio dos apagados Marc Gasol, Serge Ibaka e Kyle Lowry, além do guerreiro, Siakam.

Sábado a história se encerra e o duelo tem tudo para ser marcante.