Conteúdo

Bucks jogam como na temporada regular e massacram os Celtics para empatarem a série

1 de maio de 2019

(por Rafael Lima)

 

A previsão para a série entre Milwaukee Bucks e Boston Celtics é de muito equilíbrio, mas as duas partidas disputadas até aqui não foram nada equilibradas. Se no jogo 1 os Celtics dominaram completamente, o segundo duelo entre as equipes foi de vitória acachapante dos Bucks, que fizeram um terceiro quarto arrasador, fazendo Boston parecer um time desqualificado. Porém, a principal questão foi a sequência de erros constrangedora dos celtas, que precipitavam os ataques e facilitaram demais a vida dos Bucks, que tiveram em Middleton e Antetokounmpo seus grandes nomes na noite.

Apesar disso, o duelo começou da forma como terminou o jogo 1, com os Celtics fantásticos na defesa e punindo na transição. Mas logo os Bucks se organizaram melhor, Antetokounmpo superou todas as dificuldades de enfrentar esse sistema defensivo bem postado para equilibrar o confronto. O embate ficou parelho e o placar foi alternando em vantagens mínimas, até que a frieza celta se sobrepôs e, na base da paciência, os visitantes terminaram o primeiro quarto na frente.

Os Bucks voltaram melhores, apostaram nos chutes do perímetro e viraram o placar, mas a experiência do time celta se fez presente. Kyrie Irving teve seu momento de mais lucidez na partida, Horford entrou no jogo e os forasteiros retomaram a ponta. Só que um pedido de tempo de Mike Budenholzer mudou completamente a cara do embate. Milwaukee iniciou seu momento mais vibrante na série, as bolas caíam de dentro do garrafão ou do perímetro e a defesa fez Irving forçar jogadas, gerando turnovers. O resultado dessa reviravolta refletiu no placar, com os Bucks levando para os vestiários a vitória parcial de 59 a 55.

O Milwaukee Bucks voltou dos vestiários irresistível, principalmente da linha dos três pontos com Khris Middleton, que estava iluminado, com um aproveitamento espetacular do perímetro. No embalo do ala a torcida “entrou em quadra”, jogando junto com o time, e a vantagem dos anfitriões chegou nos dígitos duplos. Marcus Morris lutava muito pelos celtas, mas não era o suficiente, já que os erros de Irving eram frequentes e acabaram contaminando o restante da equipe, que desperidçava jogadas de maneira sequencial. Do outro lado a dupla Antetokounmpo e Middleton punia os Celtics sem dó, com diversas cestas do perímetro e infiltrações imparáveis do grego, aumentando a vantagem cada vez mais, praticamente definindo o resultado no terceiro quarto. A escolha de jogadas de Boston era sofrível e os erros eram primários. Milwaukee se aproveitou disso e, embalado pela vibração de Eric Bledsoe, abriu 25 pontos ao final do período (98-73). 

 

 

Este cenário transformou o quarto final em um grande garbage time. Recheado de reservas, o período foi de marcação frouxa, muitos pontos  e uma cara de pelada.

Os destaques dos vencedores foram Giannis Antetokounmpo (29pts e 10reb.), Khris Middleton (28pts e 7reb.) e Eric Bledsoe (21pts e 5 ast.). Pelo lado celta, o único que se salvou desta performance coletiva desastrosa foi Marcus Morris (17pts e 7 reb.).

Final: Boston Celtics 102-123 Milwaukee Bucks

O primeiro jogo da série deixou o recado de que Brad Stevens tinha o antídoto para parar Antetokounmpo. A defesa dos Celtics sempre bem postada era um grande desafio para o poder ofensivo de Milwaukee e o ataque mais experiente de Boston tinha a calma necessária para quebrar os sistema defensivo do time de Mike Budenholzer. Mas, no segundo desafio, o que se viu foi o time visitante afobado e descontrolado no segundo, não aguentando a intensidade de Giannis e Bledsoe e não conseguindo parar os shooters de perímetro Mirotic e, principalmente, Middleton.

É difícil imaginar que o Boston Celtics vá atuar desse jeito desleixado mais uma vez nessa melhor de 7, porém, o Milwaukee Bucks mostrou que tem boa armas para combater o time com mais títulos da NBA. Esta série ainda promete muito, as atuações das estrelas e o duelo entre os esquemas dos dois grandes treinadores vai definir quem irá avançar.