April 10, 2020

Nets surpreendem Lakers, Celtics vencem confronto direto, Rockets voltam a vencer e muito mais

(por Leonardo Costa)
Confira tudo sobre a terça-feira da NBA:
Indiana Pacers 111 x 114 Boston Celtics
Os Pacers foram aguerridos e buscaram nos minutos finais virar o placar após desvantagem chegou a 19 pontos, mas o Boston Celtics acabou vencendo em Indianápolis um confronto que pode se repetir nos playoffs.
Boston parecia cômodo na partida, sobretudo com a ampla vantagem que tinha no terceiro quarto. Porém, aos poucos os donos da casa foram se aproximando no placar e reacenderam nos verdes uma tônica da equipe nesta temporada, que é a de perder partidas com uma diferença mínima de pontos.
Faltando um minuto para o fim do duelo, os Pacers lideravam o placar por um ponto, mas com uma bola de três de Daniel Theis e bom trabalho ofensivo e defensivo de Marcus Smart, os comandados de Brad Stevens conquistaram uma importante vitória.
Jayson Tatum, com 30 pontos, foi o cestinha dos Celtics, enquanto Gordon Hayward com 27 pontos e 10 rebotes, Theis com 20 pontos e Smart com 16 foram outros destaques da equipe.
Pelos Pacers, mais uma vez o nome da equipe foi Domantas Sabonis, que passou perto de um triplo-duplo ao terminar a partida com 28 pontos, 9 rebotes e 8 assistências. Destaque também para a sólida atuação de 27 pontos e 7 rebotes de Victor Oladipo.
Houston Rockets 117 x 111 Minnesota Timberwolves
Após a troca de Clint Capela, os Rockets elevaram o ‘small ball’ a outra dimensão. No princípio até parecia que a mudança renderia bons frutos, mas atualmente, mesmo com a vitória sobre os Wolves, a colheita não parece muito animadora.
Houston vinha de quatro derrotas seguidas, três delas para equipes com aproveitamento abaixo de 50%, e o triunfo dos comandados de Mike D’Antoni contra um dos piores times da temporada foi muito mais sofrido do que se esperava.
Após um primeiro quarto de equilíbrio, com o passar do tempos os visitantes foram se mostrando mais cômodos, abriram 10 pontos na metade do terceiro quarto, mas, com méritos do rival, se perderam em quadra no quarto decisivo e não escaparam de mais uma derrota.
Ambas as equipes arriscaram quase a mesma quantidade de bolas longas (38×35) e tentativas de 2 pontos (42×48) e, mesmo com os Wolves dominando os rebotes, foram 33 capturados por Houston contra 41 por Minnesota, os Rockets saíram vencedores muito pelo bom aproveitamento de James Harden em seus arremessos, algo que não estava acontecendo nas últimas partidas.
Barba acertou 11 de 19 tentativas, com 50% nas bolas longas, e terminou o duelo com 37 pontos e 7 assistências. Russell Westbrook seguiu seu momento de boas atuações e contribuiu com 27 pontos, 6 rebotes e 7 assistências.
Pelos Wolves, D’Angelo Russell foi o cestinha com 28 pontos, enquanto o espanhol Juancho Hernangomez anotou um duplo-duplo de 18 pontos e 10 rebotes.
Washington Wizards 122 x 115 New York Knicks
Outra vez os Wizards contaram com noite inspirada de Bradley Beal. Guiados pelos armador, os capitalinos foram para o intervalo 16 pontos atrás dos Knicks, mas pulverizaram e chegaram empatados com o rival para o quarto final.
A segunda metade de Washington foi animalesca, anotando 68 pontos, pese o baixo nível do rival, que há anos não tem sido uma ameaça a qualquer equipe. Com a vitória, os Wizards ainda sonham com playoffs, e no momento estão 5,5 jogos atrás do Magic, último time do Leste classificado para a pós-temporada se o campeonato terminasse hoje. Sonhar não custa, mas a realidade ambígua da franquia impede que possamos vislumbrar-los entre os oito melhores da conferência.
Beal, que tem médias de 35 pontos nas últimas 12 partidas, anotou 40 contra os Knicks, além de 7 assistências, e teve em Shabazz Napier, 21 pontos, seu melhor colega. Pelos Knicks, Bobby Portis e Frank Ntikilina, com 20 pontos cada, foram os cestinhas de NY.
Chicago Bulls 108 x 103 Cleveland Cavaliers
Duas franquias que estão em reconstrução e ocupam a parte debaixo da tabela da Conferência Leste, mas fizeram uma partida cativante, em que os Bulls, mesmo sem sua principal estrela, buscaram a virada para saírem com o triunfo.
Sem Zach LaVine, Chicago se amparou em Coby White para o jogo contra os Cavs. O armador é uma das poucas boas novas para a franquia, que esperava maior evolução de alguns de seus jogadores, principalmente, o finlandês Lauri Markkanen.
A partida foi muito equilibrada, com muitas trocas de lideranças e sem muita margem de pontos entre as equipes. Em alguns momentos a sensação era de que Cleveland levaria a vitória para Ohio, sobretudo com as sólidas atuações dos gigantes Andre Drummond e Kevin Love, mas White e Wendel Carter Jr. respondiam com muita intensidade, mantendo os donos da casa vivos.
No final, Chicago abriu uma vantagem cômoda, controlou o relógio e conseguiu sua 22ª vitória na temporada. White com 20 pontos e Carter Jr. com 17 foram os destaques da equipe, que ainda teve outros três jogadores com dígitos-duplos em pontos.
O cestinha do jogo foi Collin Sexton. O armador de Cleveland terminou com 26 pontos, enquanto Drummond teve 21 pontos e 7 rebotes, e Love 17 pontos, 8 rebotes e 7 assistências.
Golden State Warriors 107 x 131 Los Angeles Clippers
Na temporada passada, Warriors e Clippers fizeram uma das melhores séries daqueles playoffs, com vitória de Golden State. Hoje as circunstâncias são totalmente diferentes, em que o outrora derrotado é um dos favoritos a levar o campeonato, e ainda amassaram o rival em plena Chase Center Arena.
Jogando com a equipe considerada titular, os visitantes mostraram desde o começo que estavam com sede  de vitória, tanto que seus ‘titulares’ puderam atuar menos após deixarem o triunfo bem encaminhado para os reservas.
O Golden State Warriors, pior equipe da temporada, e sem suas estrelas Stephen Curry, Klay Thompson e Draymond Green, fez jus à sua posição. Uma equipe cheia de limitações técnicas, com apenas 4 rebotes ofensivos contra 11 do rival, e somente 28,9% de aproveitamento nas bolas de três, bem distante dos 45,5% conseguidos pelos Clippers. Dado interessante, Los Angeles foi 19 vezes até a linha de lance-livre, e acertou todas. Quesito que pode ser crucial em partidas mais acirradas, sobretudo de playoffs.
Mesmo atuando por 25 minutos, Kawhi Leonard foi o cestinha da partida com 23 pontos, enquanto Reggie Jackson saiu do banco para anotar 16 pelos Clippers. O croata Dragan Bender com 23 pontos foi o maior pontuador dos Warriors, seguido de Andrew Wiggins com 21.
Memphis Grizzlies 115 x 120 Orlando Magic
Parecia que os Grizzlies tinham um encontro controlado, mas não foi assim. Orlando fez um grande trabalho durante a segunda metade ganharam em Memphis a partida entre as equipes que ocupam a oitava colocação de suas Conferências.
Duas bolas longas seguidas de Terrence Ross e no último minuto e meio foram cruciais para ratificar a remontada do Magic. Os Grizzlies fizeram uma partida sólida, não tiveram grandes erros, mas seu rival cresceu no momento certo e eles não tiveram antídoto.
Terrence Ross terminou com 24 pontos. Na sua equipe também se destacaram Michael Carter-Williams com 20 pontos, e Nikola Vucevic em mais uma grande atuação de 19 pontos, 11 rebotes e 7 assistências.
Jonas Valanciunas, com 27 pontos e 16 rebotes, teve uma atuação quase perfeita: 9 de 10 nos arremessos de quadra. Ja Morant e Dillon Brooks, com 21 pontos cada, também foram os destaques dos donos da casa.
San Antonio Spurs 119 x 109 Dallas Mavericks
Os Mavs perderam para os Spurs no clássico texano e conheceram a segunda derrota consecutiva. A equipe de Greg Popovich foi assertiva nos momentos derradeiros da partida e contou com o não aparecimento da secundária de Dallas para sair com o triunfo.
Luka Doncic voltou a reinar sozinho na equipe. Foram 38 pontos, 7 rebotes e 8 assistências, com bom aproveitamento nos arremessos. O que impediu que levasse a vitória para Dallas foi a falta de companhia, principalmente à inércia apresentada por Kristaps Porzingis após vir de uma boa sequência de jogos (4 de 15 nos arremessos).
Por outro lado, os Spurs estavam calibrados, com mais de 50% de acerto nos arremessos de quadra. LaMarcus Aldridge foi muito superior a Porzingis e Maxi Kleber, seus rivais de posição. Derrick White teve uma partida que vai além das estatísticas, com boas infiltrações, muita movimentação e, claro, alto índice de acerto.
Dallas chegou ao último quarto na liderança, mas não suportou a pressão. Rudy Gay mostrou boas credenciais, Popovich soube usar Aldridge, além do bom papel desempenhado por Marco Belinelli e Trey Lyles nesses minutos de blitz.
Doncic foi o cestinha da partida, enquanto que pelo lado vitorioso foi Aldridge o maior pontuador com 24 anotados.
Los Angeles Lakers 102 x 104 Brooklyn Nets
Eis que o destino reservou para Spencer Dinwiddie, único jogador em quadra nascido em Los Angeles, a cesta da vitória faltando 28 segundos para o fim da partida, em uma inexplicável derrota dos Lakers após triunfarem sobre Clippers e Bucks.
O torcedor presente no Staples Center deve ter saído um tanto quanto frustrado com os Lakers. A equipe vinha de quatro vitórias seguidas, mostrando um aperitivo do que são capazes de fazer nos playoffs e trazendo ao aficionado uma segurança enorme de que a equipe estava em seu melhor momento na temporada, crescendo na hora certa.
Quem não tinha nada a ver com o frenesi angelino eram os Nets, que fizeram por merecer a vitória. Incentivaram o adversário a cometer seu principal erro, a monopolização das jogadas em LeBron James e Anthony Davis, além de aproveitarem um relaxamento do rival após uma boa sequência de vitórias.
Os Lakers iam dominando o placar mas, na segunda metade da partida, a vantagem foi desaparecendo. A equipe anotou somente 44 pontos, 35 deles marcados pela dupla LeBron-Davis, que deu alguns sinais de cansaço, como um erro de bandeja e outro em uma bola de três sem marcação, após atuarem mais de 35 minutos na partida faltando um mês para os playoffs.
Antes dos citados erros, Dinwiddie anotou a cesta decisiva, e vem sendo o líder de uma equipe que não tem em quadra Kyrie Irving e Kevin Durant. O armador terminou a partida como cestinha dos Nets, anotando 23 pontos e 7 assistências. Pelos Lakers, mesmo esgotados, LeBron com 29 pontos, 12 rebotes e 9 assistências, e Davis com 26 pontos e 8 rebotes, foram os donos da equipe.
Portland TrailBlazers 121 x 105 Phoenix Suns
Os Blazers não se rendem. Apesar de viveram uma das temporadas mais conturbadas dos últimos anos, seguem remando para alcançarem o ‘inalcançável’. Os playoffs ainda estão no radar de Portland, que no momento diminuíram para 3,5 jogos a diferença para os Grizzlies, muito devido ao triunfo sobre os Suns.
Os donos da casa vinham de duras derrotas contra Kings e os mesmos Suns, franquias na qual não se pode perder muitas vezes se tratando de um time que busca playoffs.
A partida teve pouca história, desde o começo os Blazers mostraram seu arsenal ofensivo ao anotarem 36 pontos no quarto inicial. Depois mostrou toda sua irregularidade ao marcar apenas 18 no quarto seguinte, no qual os comandados de Monty Williams deram sinais de reação. Após a volta dos vestiários, o jogo continuou na mesma toada, sem ninguém abrir muita vantagem, deixando tudo para ser decidido no último quarto.
Nos 12 minutos finais, Portland voltou a ser mortal no ataque, marcou 37 pontos e minguou qualquer chance de vitória de Phoenix. Os Blazers terão duelo contra os Grizzlies no dia 6 de abril, que pode ser decisivo pela luta de pós-temporada.
Devin Booker foi cestinha da partida com 29 pontos, além de 9 assistências. Dario Saric com 24 pontos e 11 assistências também teve boa atuação pelo Suns. Já por Portland, Lillard anotou 25 pontos e 7 assistências, e vem adquirindo a velha forma após a lesão, enquanto C.J McCollum segue com boas atuações ao terminar o duelo com 22 pontos e 6 rebotes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.