April 10, 2020

Butler dá o “troco” nos 76ers, Clippers desbancam Spurs, Porzingis em modo All-Star e mais!

(por Matheus Correia, Vinícius Freitas e Rafael Lima)

 

Confira as análises e resultados das partidas desta segunda-feira (3/2) pela NBA:

 

San Antonio Spurs 105 @ 108 Los Angeles Clippers

Em um dos melhores embates da rodada, os Spurs começaram melhores, e venceram o primeiro quarto por 39 @ 29, contando com bom desempenho de LaMarcus Aldridge (12pts) e DeMar de Rozan (11pts) no período. O segundo quarto foi mais equilibrado, com os Clippers melhorando a marcação e conseguindo conter algumas ações ofensivas do adversário. Mas, os Spurs conseguiram manter a vantagem e foram para o intervalo com 63 @ 54 no placar. A franquia californiana voltou ainda melhor na defesa, dificultando bastante a vida da dupla principal dos Spurs, além do bom aproveitamento nas bolas de fora do perímetro, vencendo o período por 31 @ 19, e indo para o último quarto na frente do placar. A última etapa foi a mais parelha do jogo, com as equipes alternando a liderança do placar durante todo o período. Conforme o final da partida se aproximava, o jogo ficava mais intenso, e o placar marcava 102 @ 102, com 1:40 para o término da partida. Kawhi Leonard e Paul George concluíram dois ataques seguidos, fazendo 106 @ 102 para os Clippers, restando nada mais nada menos que míseros 13 segundos no relógio. Patty Mills ainda concluiu uma cesta de 3 restando pouco menos de 3 segundos, mas o experiente Lou Williams sofreu falta na saída de bola e converteu os dois lances livres para os californianos. Derrick White ainda tentou o empate, arremessando de muito longe, mas não conseguiu o feito, e os anfitriões terminaram a noite com uma vitória sofrida, mas muito importante para a equipe. LaMarcus Aldridge (27pts, 9reb, 5ast), DeMar DeRozan (26pts, 5reb) e Patty Mills (18pts) foram os destaques da equipe do Texas. Kawhi Leonard (22pts, 6reb, 7ast), Paul George (19pts, 12reb, 8ast) e Montrezl Harrell (14pts) foram os cestinhas dos anfitriões na partida.

 

Philadelphia 76ers 106 @ 137 Miami Heat

 

 

Em um duelo de duas forças do leste, o Heat recebeu os 76ers em Miami e não tomou conhecimento do time de Embiid, Simmons e companhia. Depois de um primeiro equilibrado com as marcações encaixadas e as estrelas precisando jogar tudo para furar os bloqueios, o terceiro período viu o início de um verdadeiro massacre com a manutenção da defesa forte somada a um jogo de transição mortal. Jimmy Butler parecia possuído, enquanto Adebayo, que no primeiro tempo sofreu muito com Embiid, conseguiu segurar mais o ímpeto do camaronês. Cada erro de Philadelphia era punido com um arremesso certeiro de Miami e a partir daí o jogo descambou de vez. A vantagem dos donos da casa chegou a 35 pontos no quarto período, quando a partida já havia se transformado em um duelo de reservas.

Jimmy Butler foi o cestinha da noite com 38 pontos e ainda coletou 7 rebotes. Goran Dragic (24pts e 6ast,), Duncan Robinson (19pts) e Bam Adebayo (18pts, 8reb e 11ast.) também foram muito bem.

Pelo lado dos Sixers, apenas Embiid jogou no nível habitual anotando 29 pontos e 12 rebotes.

 

Orlando Magic 112 @ 100 Charlotte Hornets

Depois de perder cinco jogos em sequência, todos na Florida, o Orlando Magic conseguiu uma vitória fora de casa, em Charlotte. Os visitantes executaram um plano de jogo que envolveu muito movimento da bola, procurando sempre um arremesso sem contestação no perímetro. E deu certo: Orlando converteu 16 bolas de três de 34 arremessadas (47%). Além disso, a equipe distribuiu 35 assistências no total. Charlotte, pelo contrário, teve um aproveitamento de apenas 29% nos arremessos de três pontos, com apenas 9 convertidos. Os mandantes apostaram no jogo de garrafão, e obtiveram certo sucesso; não o suficiente para vencer a partida, que teve Orlando liderando o placar na maior parte do tempo. Nikola Vucevic foi o cestinha do confronto, com 22 pontos, 7 rebotes e 5 assistências. Evan Fournier (17 pontos) e Aaron Gordon (16 pontos, 12 rebotes e 5 assistências) também tiveram boas atuações. Markelle Fultz anotou 14 assistências (além de 12 pontos), seu novo recorde pessoal. Pelos Hornets, Terry Rozier (18 pontos) e Cody Zeller (17 pontos e 7 rebotes) foram os destaques.

 

New York Knicks 139 @ 134 Cleveland Cavaliers

Duas equipes em situações deploráveis na liga, mas que quase ironicamente, proporcionaram um bom e competitivo confronto. Os Knicks precisaram da prorrogação para vencerem os Cavaliers, que não vencem em casa há 11 jogos. New York se demonstrou superior em certos momentos do confronto, chegando a abrir 10 pontos de vantagem no placar. Kevin Love (33 pontos, 13 rebotes e 6 assistências) e Collin Sexton (29 pontos e 7 assistências) comandavam o ataque, mas a defesa estava longe de ser a ideal. Os Knicks buscavam manter o ataque dentro do garrafão, com Marcus Morris (26 pontos) e Julius Randle (20 pontos e 8 rebotes) debaixo da cesta e Elfrid Payton (17 pontos, 11 rebotes e 15 assistências) atacando o aro. Porém, assim como Cleveland, a defesa também era fraca, principalmente no perímetro. O resultado do tempo regulamentar só foi decidido com 34 segundos restantes no relógio, quando Sexton anotou um arremesso de três pontos para empatar o placar (127-127). Na prorrogação, os Cavs acertaram apenas 3 arremessos de 11 tentados, enquanto os Knicks, seguindo com o jogo no garrafão, acertaram 5 de 9 tentados, conseguindo a vitória.

 

Washington Wizards 117 @ 125 Golden State Warriors

Duas equipes que nos fazem pensar: o que seriam caso estivessem com seus principais jogadores saudáveis? Golden State seria provavelmente um contender e os Wizards estariam na zona dos playoffs na conferência leste. Mas, como seus jogadores principais não estão saudáveis, temos que ver Alec Burks anotar 30 pontos em 29 minutos. Mesmo com a equipe com menos desfalques do que nas rodadas anteriores, os Wizards foram completamente dominados pelos Warriors, com a diferença no placar chegando a ser de 19 pontos. Além de Burcs, Glenn Robinson III também teve boa atuação com 22 pontos, 6 rebotes e 7 assistências. Por Washington, Bradley Beal finalmente pode contar com Rui Hachimura, que não joga desde o ano passado por conta de lesão. Porém, o novato japonês voltou as quadras com um ritmo devagar, anotando apenas 11 pontos e 8 rebotes. Beal, mais uma vez, teve que carregar o piano: 43 pontos e 6 assistências. Davis Bertans fez boa partida saindo do banco, com 19 pontos e 5 assistências. A partida ficou marcada pela ausência de D’Angelo Russell, que foi barrado do confronto, supostamente, por conta de uma lesão. Porém, os rumores indicam que os Warriors planejam realizar uma troca envolvendo Russell, e a ausência em quadra do jogador pode ter parte nisso.

 

Dallas Mavericks 112 @ 103 Indiana Pacers

 

 

Na ausência de Luka Doncic, Kristaps Porzingis finalmente parece estar voltando à sua forma de All-Star que havia demonstrado em New York. O jogador letão assumiu o protagonismo e comandou os Mavericks para uma vitória fora de casa, contra os Pacers. A equipe da casa chegou a assumir a liderança no segundo quarto, mas Dallas retomou o placar no terceiro período e liderou até o fim da partida. Kristaps anotou 38 pontos e 12 rebotes, convertendo 6 bolas de três de 13 tentadas. Tim Hardaway Jr também teve excelente atuação, com 25 pontos, 4 rebotes e 5 assistências. Dorian Finney-Smith anotou um double-double com 15 pontos e 11 rebotes, além de 4 assistências. Por Indiana, Domantas Sabonis foi o destaque, e conseguiu se sair muito bem, mesmo marcado por Porzingis; foram 26 pontos, 12 rebotes e 9 assistências, com um aproveitamento de 61% nos arremessos (11/18). Uma interessante batalha europeia em quadra. Outro destaque dos Pacers foi Malcolm Brogdon com 14 pontos e 6 rebotes. Voltando de lesão, Victor Oladipo ainda encontra dificuldades para manter a consistência nos arremessos. Saindo do banco, converteu apenas 4 arremessos de 17 tentados, com um aproveitamento de 24%.

 

Atlanta Hawks 115 @ 123 Boston Celtics

Mesmo sem Kemba Walker e Marcus Smart, os Celtics conseguiram anotar a sétima vitória em oito jogos derrotando os Hawks fora de casa. A equipe de Atlanta também esteve consideravelmente desfalcada: nenhum dos novatos entrou em quadra (Cam Reddish, Bruno Fernando e De’Andre Hunter). Os mandantes começaram melhor na partida, anotando 34 pontos apenas no primeiro quarto, contra 28 de Boston. A boa atuação do banco da equipe celta equilibrou o confronto no segundo período, e na volta do intervalo, Jayson Tatum e Jaylen Brown trabalharam juntos no ataque para assumir a liderança e abrir uma boa diferença no placar. Tatum (28 pontos e 7 rebotes), Brown (21 pontos e 5 rebotes) e Gordon Hayward (24 pontos, 7 rebotes e 6 assistências) foram os destaques dos Celtics. Por Atlanta, Trae Young se recuperou de uma atuação abaixo da média contra os Mavericks na última partida e foi o cestinha da equipe com 34 pontos e 7 assistências. Kevin Huerter (23 pontos) e John Collins (22 pontos e 11 rebotes) também tiveram boas atuações.

 

Phoenix Suns 97 @ 119 Brooklyn Nets

O jogo teve dois momentos distintos. Um primeiro tempo equilibrado onde as equipes se dividiram na liderança, com Brooklyn tendo uma pequena vantagem por cometer menos erros e conseguir converter mais bolas de 3.

Porém, no terceiro período o jogo descambou completamente para os Nets, caía tudo para o time da casa e Caris LeVert dava um verdadeiro show no ataque, enquanto Phoenix sofria dos dois lados da quadra. O domínio ficou tão explícito que a vantagem dos Nets chegou a 26 pontos.

O quarto período foi apenas para cumprir o protocolo e os anfitriões garantiram uma vitória bastante tranquila.

LeVert foi o cestinha da partida com 29 pontos e ainda cedeu 7 assistências. Do lado dos Suns, Deandre Ayton teve uma grande atuação com 25 pontos, 17 rebotes e 5 assistências.

 

Detroit Pistons 82 @ 96 Memphis Grizzlies

O duelo foi equilibrado na primeira metade do jogo, com cada equipe vencendo um quarto e o placar empatado em 53 @ 53. Andre Drummond e Jonas Valanciunas faziam um grande duelo no garrafão, e as equipes se esforçavam bastante na defesa para conter os ataques adversários e, por conta disso, o placar não teve números tão extensos. Na volta dos vestiários o jogo coletivo dos anfitriões foi ainda mais eficaz na defesa, limitando os Pistons a anotarem apenas 10 pontos no terceiro período, abrindo uma boa vantagem de 9 pontos para o último quarto, com o placar em 63 @ 72 a favor. O último período foi bem controlado pelos Grizzlies, que ampliaram a vantagem aos poucos, chegando a ficar com 18 pontos de frente com pouco mais de 4 minutos para o fim, conquistando uma vitória tranquila diante de um adversário limitado. Os Pistons sentiram a falta de Derrick Rose na partida, pois tinham dificuldade em criar suas jogadas de ataque, e devido a pouca versatilidade ofensiva da equipe, ficou ainda mais fácil para os Grizzlies efetuarem a leitura das jogadas dos visitantes. Andre Drummond (25pts, 18reb, 4ast) foi o grande destaque dos visitantes, contando com boa ajuda de Christian Wood (17pts, 5reb) e Langston Galloway (17pts). Os Grizzlies, apesar do aproveitamento pífio nas bolas de 3 pontos, com apenas 11% (2/17), mudaram a tática e conseguiram tomar o controle do jogo, atuando muito bem defensivamente e contando com grande atuação coletiva. Jonas Valanciunas (26pts, 17reb, 4blk) foi muito bem defensivamente, além de terminar a noite como cestinha dos anfitriões na partida. Dillon Brooks (15pts, 5ast) e Jaren Jackson Jr. (14pts, 5reb, 3blk) também foram de grande ajuda na vitória da franquia do Tennessee, que se mantém no oitavo lugar do Oeste e vem garantindo seu lugar na pós-temporada.

 

Minnesota Timberwolves 109 @ 113 Sacramento Kings

 

 

Os Kings começaram melhores, explorando muito bem as jogadas de infiltração e os arremessos de fora, abrindo 15 pontos de vantagem antes do hiato da partida. Os Wolves não conseguiam igualar o ‘run and gun’ dos Kings, e apesar de conseguirem pontuar bem no segundo período, os visitantes viam a diferença no placar aumentar aos poucos, pois não conseguiam ter eficiência na marcação do perímetro, dando muita liberdade para os arremessadores adversários concluírem suas jogadas. A equipe californiana chegou a abrir 21 pontos de frente no terceiro período, mas os Wolves correram atrás e conseguiram diminuir a diferença, levando o jogo para o último quarto com 9 pontos de desvantagem, criando certa esperança em seus torcedores. O jogo ficou parelho na última etapa, e aos poucos os Wolves foram diminuindo cada vez mais a desvantagem, chegando a ficar apenas 2 pontos atrás, com aproximadamente 6 minutos restantes no cronômetro. Depois disso, os Kings abriram frente, que variava de 5 a 8 pontos, parecendo estar novamente no controle do jogo, mas o final do jogo ficou emocionante. O placar marcava 112 @ 106 para os Kings e, restando apenas 5 segundos, Covington anota 3 pontos e diminui a diferença para 112 @ 109. Os Kings cometem um erro juvenil na saída de bola, com uma violação de 5 segundos e perdem a posse de bola, dando a chance do empate para os Wolves. Andrew Wiggins, que não estava em um de seus melhores dias, é obrigado a arremessar de muito longe para não estourar o tempo do cronômetro e acaba errando o alvo, selando a vitória dos anfitriões, que ainda tiveram tempo para bater mais dois lances livres com Bogdanovic antes do término da partida. Karl-Anthony Towns (22pts, 10reb, 6ast, 2blk), Shabazz Napier (17pts, 7ast) e Robert Covington (15pts, 8reb, 3stl) foram os principais pontuadores dos visitantes, que amargam sua 12º derrota consecutiva e não vencem na liga desde dia 09 de janeiro, quando conseguiram superar a equipe do Portland Trail Blazers fora de casa. De’Aaron Fox (31pts, 5ast), Bogdan Bogdanovic (23pts) e Buddy Hield (16pts) foram os principais jogadores dos Kings no jogo, mas vale ressaltar a atuação defensiva de Dewayne Dedmon, que terminou a partida com apenas 4 pontos, porém, contribuiu com 12 rebotes e 5 (!) tocos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.